Revista Statto

APRENDIZADO

18/02/2020 às 16h16

Se pudessem – os nossos sonhos optariam pelo lápis e não pela caneta, porque eles mudam com os anos. O certo aprenderia a ser também duvidoso.

O tempo apresentaria seu diploma de curso secundário, porque só ele é capaz de curar – o que remédio algum já foi capaz um dia.

Se soubessem de todos os fatos que nos envolvem, os amigos talvez se importassem mais – ao invés de nos magoarem sem necessidade.

Os nossos projetos de vida permaneceriam só no rascunho, porque eles também mudam conforme vamos absorvendo a vida.

Se dominássemos a magia do tão conhecido SEGREDO, deixaríamos de esperar por milagres e correríamos atrás do que realmente nos importa.

Se morrêssemos de fato a cada decepção – nada restaria de nós para continuarmos aprendendo – e já que nos consideramos imortais – que façamos por merecer tudo nos é oferecido – só para que possamos desfrutar da felicidade.

UM BRINDE ÀS VOLTAS QUE A VIDA DÁ

11/02/2020 às 17h40

Nada que vem fica para sempre, quer sejam tristezas ou alegrias, portanto, aproveitemos cada instante, pois todos são preciosos.

As boas fases nos motivam, fazem com que tudo nos pareça mais fácil, em compensação as fases ruins precisam ser entendidas como aprendizado.

Muitas são as vezes que carregamos culpas que não são nossas e uma vez vulneráveis, perdemos nossa força. Embora nossa estrutura emocional seja abalada, devemos cair de pé e não rastejar.

Tanto o dinheiro como as pessoas podem nos fazer o bem quanto o mau. Uma vez entendendo isso, passamos a nos preocupar mais sobre como tratamos cada um deles.

Aquele que nunca sofreu, que nunca enfrentou problemas mais sérios, muito provavelmente estará despreparado, pois só quando nos é tirado o que consideramos ser nosso por direito é que aprendemos mais sobre dignidade, definitivamente aprendemos sobre o valor que absolutamente tudo tem.

O nosso sentimento e estima por outros sofrem constantes mudanças, afinal cada um tem seu próprio ponto de vista. Vivemos de uma troca e nem sempre recebemos o que oferecemos.

A conclusão é uma só, somente quando aprendemos o quanto somos fracos, é que descobrimos sermos capazes de nos recuperar, pois existe dentro da gente uma força além do que podemos enxergar de imediato.

O NÃO VOCÊ JÁ TEM, NÃO SE INTIMIDE

07/02/2020 às 16h09

Normalmente ficamos receosos em nos manifestarmos a favor de algo que queremos; é de nós termos medo da rejeição – no entanto, se não tentarmos nunca saberemos. Ao idealizarmos os nossos projetos de vida, muito provavelmente precisaremos nos expor, não há como resolver tudo sozinho.

Existe uma infinidade de oportunidades, só precisamos focar ao menos numa delas e enfrentar. O máximo que pode acontecer é recebermos um “não” como resposta, mas já que ainda não se tem o que deseja, entende-se que diante de uma provável negação, ela não precisa nos surpreender e nem nos abalar. Ao aprendermos que ninguém tem o direito de tirar de nós os nossos sonhos, consecutivamente não perderemos também o nosso equilíbrio.

Há pessoas que fazem questão de criticar, seja quem ou o que for, e se por acaso nós estivermos no seu caminho, seremos as vítimas da vez – contudo, elas é que serão as mais prejudicadas, pois perderão a chance de nos ter como apoiadores e companheiros – e digamos de passagem, não é nada fácil encontrarmos alguém que goste da gente como a gente é, com todas as nossas manias e defeitos. Se tem uma coisa importante a se aprender, dentre tantas, é jamais comprar brigas sem sentido, porque com certeza sairemos perdendo.

É muito fácil criticar o comportamento, o pensamento de outros. Muitos julgam-se superiores, mas isso só mostra o quão eles são arrogantes e presunçosos – ninguém é melhor que ninguém, apenas somos diferentes e cada um segue a sua vida como quer ou como pode.

Não adianta sentar em cima dos planos sem fazer com que eles sejam viáveis, como não adianta reclamar que nada muda, quando nós não trabalhamos por essa mudança.

A MÁQUINA DO TEMPO

27/01/2020 às 13h46

Se voltasse no tempo o que você mudaria? Quase tudo ou nada? Sei que se sentiria empolgado com a possibilidade, afinal quanto coisa gostaria que fosse diferente! Porém, teria apenas uma chance, poderia fazer uma única volta e então precisaria decidir para que ponto da sua vida deveria ir. Você saberia escolher onde a máquina deveria deixá-lo?

A decisão não seria nada fácil, afinal se mudasse o seu passado não seria mais a pessoa que é hoje. Alterando a sua linha do tempo haveria inclusive de conhecer outras pessoas, não necessariamente todas que já conheceu; mesmo assim seria uma experiência ímpar, concordo. Mas por mais que seja tentador, ao apagarmos momentos que foram decisivos, teríamos que viver tudo de novo, e não teríamos garantia alguma de sucesso.

Promissoras mesmo são apenas as expectativas, pois trocaríamos o certo pelo duvidoso. Talvez, apenas talvez, houvesse um acontecimento em especial, quando pudéssemos ter a chance de aceitar ou recusar, dizer e fazer o que não dissemos e não fizemos antes. Isso mudaria drasticamente os fatos.

A vida que todos vivemos foi escolhida para que fosse apenas nossa; como seres imperfeitos, em evolução, meio que não escolhemos nada, as coisas só vão acontecendo de acordo com decisões tomadas. Cada fagulha da vida que for mudada poderá acarretar mudanças contundentes. Estaria preparado?

É de experiência em experiência que vamos construindo o nosso caminho, se um único pedaço de chão for retirado, corremos o risco de nos perdermos. Valeria a pena correr o risco?

Pensando nisso e em todas as consequências fica muito mais fácil aceitar as dificuldades vividas nesta vida, já entendendo que foram feitas para nos ajudar a sermos pessoas cada dia melhores.