Revista Statto

SUSTENTABILIDADE INTERNA

17/06/2019 às 09h54

Quem pensa que sustentabilidade é só fora de nós, no exterior dos nossos corpos, está enganado. Sustentabilidade refere-se a capacidade de suprir as necessidades humanas sem comprometer o planeta e o futuro das novas gerações e esta ideia felizmente se popularizou em praticamente todo o mundo. Poder público, organizações privadas e os cidadãos se unem continuamente na busca de um futuro melhor para o planeta e para as pessoas. Um grande passo será entender, perceber e aceitar que a grande mudança externa está quando se tem uma grande mudança interna, é o reflexo de nós mesmo que está neste mundo a fora. Insatisfeito? Como podemos melhorar?

Um passo importante para a mudança é perceber que não se soluciona uma crise de forma eficaz sem alterar hábitos que provocaram tal desarmonia. Os hábitos são feitos de ações constantes e programadas, crenças enraizadas e muitas vezes nem sabemos onde se encontra tais hábitos e crenças, mas a repetimos por comodidade, segurança (falsa segurança) ou até mesmo preguiça de ver que temos que nos aproximar de uma essência que nos mesmo julgamos “exotérico” demais (Exoterismo (do grego εξωτερική (éksôtérikí) – de fora, exterior; significa algo que está disponível de forma pública, sem limitações, ou universal.)

O processo de distanciamento do ser humano como pertencente a natureza fez com que nós acreditemos que somos separados, somos individuais  separados até mesmo do vasinho de planta ou do quintal ou do parque . A mãe natureza nos ensina, silenciosamente, muitas vezes, o coletivo, a parceria, o instinto e a força. E não é somente estabelecer uma relação entre os humanos e a natureza, mas dos humanos entre si e desses com a natureza. O que seria mais natural?

Nosso corpo físico-mental é um ecossistema. Da mesma forma que produzimos lixo/resíduos no ecossistema exterior (resíduos esses que são grande preocupação no mundo hoje), nosso corpo, nossas células também produzem lixo. De acordo com o modo de vida estressante que o ser humano tem levado, tem afetado a capacidade natural de defesa do corpo, regeneração e purificação.

Mas como posso trazer este externo, a natureza para dentro de mim novamente?  A integração do mundo externo ao interno ocorre de várias maneiras, das mais diversas formas explicativas e sentidas. Contemplação é um ótimo início. Visualizar algo externo e trazer a imagem para dentro, fundir-se com o observado. O mar, uma árvore, frutas, um lago, passarinhos e borboletas… Permita-se alguns minutos para contemplar algo com vida e verás a vida em si.

Pri Ilha

Por

MODA E BELEZA SUSTENTÁVEIS

24/04/2019 às 09h47

Quando leio a frase: ”jogue o lixo lá fora” ou “joga fora no lixo” penso: NÃO EXISTE FORA! Tudo fica no planeta então porque dizemos isso com tanta frequência? Como posso reutilizar algo, já que nem sempre reciclar ou separar lixo cabe na rotina …… (será mesmo? Mas vamos começar devagar até termos a necessidade incontrolável de separar o lixo e conscientizar o sistema de que é a única maneira de fazer, que não existe outra a não ser reciclar rsrsrs)

Pois bem, vou escrever de beleza e sustentabilidade com reciclagem, porque não? Tem como e é tão próximo de nós que vale a pena pensar sobre.

Primeiro sobre roupas, sabe aquela vontade incontrolável de comprar roupas e acessórios da nova coleção. Todo mundo tem? Sabes se vem da necessidade do self ou do ego? De onde vem a vontade?  E não adianta brigar com o externo, hein. Tudo está dentro de nós. Olhar para as nossas crenças e pré-conceitos sobre bazares de troca e brechós é uma opção bem bacana e de custo reduzido (o que é melhor). Vasculhe algo que não te serve mais, por essência ou pelo ditado da mídia, e desapegue. Doa ou troque com pessoas do teu círculo ou em bazares locais. DES – APEGUE! Negue o apego e deixe ir embora!

Estou na fase de customizar, bordar e cortar roupas, transforma-la em algo que caiba em mim e no meu estilo mãe de ser. Parece que abro o armário e nada me serve, ou por numeração ou por características minhas que mudaram e aquela roupa não transparece quem eu sou de verdade! Sabe quando abrimos o armário e vemos um mundo de roupas e parece que não temos nada para usar? Fui ler um pouco sobre um conceito da década de 70 que diz sobre este autoconhecimento e como montar looks com um número de peças. Chama-se Armário capsula ou Capsule Wardrobe. Parece bem mais um desafio que um conceito, para mim, mas até julho estarei com o meu. E é como fazer compras no teu próprio armário e achar tua essência para expor no mundo. E ainda ajudo o meio ambiente! Tem uns sites bem legais e vou deixar um que sigo que é Kate Tips (@katetips).

Outra dica é na limpeza facial diária. Sabe aquelas discos de algodão que usamos para limpar o rosto ou passar um creme??? Pois imagine que este são diretamente jogados no lixo, sem reutilização ou reaproveitamento. E se te contar que tem uma maneira mais eco-consciente de fazer a limpeza facial e além de não gerar lixo ainda ganha uma leve esfoliação (que é esta sensação)! As ECOPADS ou discos reutilizáveis que podem ser feitos por você, o que é bacana. Sabe quantas coisas podem ser produzidas por crochê, tricô e tear que ajudam a reduzir lixo jogado fora? LEMBRANDO: NÃO EXISTE FORA! Crochê é uma prática milenar e é uma arte incrível de entrelaçar fios. O resgate de crochetar é super terapêutico e ainda ajuda na missão de gerar menos lixo. Tem alguns vídeos deste ECOPAD ou Discos reutilizáveis na internet. Quem não quer fazer pode comprar em sites ou pedir para amiga ou parente dar de presente de aniversário, que acha? Tem algumas tutorias na internet e são divertidos e rápidos de fazer.

Toda a forma de tornar-se alguém com consciência diferenciada também faz com que tal alternância mude a vida dos que nos rodea, ou por exemplo ou por vergonha. Se começar a pensar antes de agir verás que muito tem-se a fazer neste planeta e a iniciativa própria já diminuirá bastante o impacto ambiental e o mental poderá ser beneficiado quando a arte entra em vigor, tanto na customização ou fabricação da própria beleza, por exemplo.  A mudança pode acontecer no seu tempo, e sempre respeitando suas limitações, o que é o belo do andar do respeito a si e ao mundo.

Pri Ilha

Por

RESPEITANDO NOSSO TEMPO!

07/03/2019 às 14h37

Fim de ano e eu de novo estava na correria. Já tinha me programado a fazer tudo com calma pois é uma data e ano que vem todas datas especiais vem de novo, mas estou eu, sentada escrevendo e meu cérebro parece partido em dois, um escreve e o outro fala, de todo o resto:  foi mais uma vez o fechamento da roda do ano, ceia de Natal e Ano Novo, atendimento com minhas medicinas naturais e ciclos femininos, passeios em família e assim foi…

E então, sempre assim, falamos muito e ouvimos bastante sobre autoconhecimento e como devemos lidar com tudo que há em nós, mas como aplicar. Lembro do segundo artigo que falo de reciclar internamente e praticar pelo menos um pouco para internalizar a reciclagem e ela fazer parte efetiva da vida cotidiana, mas como deveria ter feito no fim do ano que é uma vez em 12 meses??? Simples. Parar. Respeitar “meu tempo” como venho fazendo durante o ano e dizer não a autocritica e julgamentos alheios que meu cérebro faz toda vez que entra em colapso com o que penso o que leio e o que faz mais sentido. Mudança de crenças.

Neste fim de ano me abri para novos projetos com pessoas que conheci e mudei a visão dos presentes e trocas. Troquei memorias, como se diz na “pirâmide ética de presentear” (hierarchy of ethical gift giving). Tem várias outras formas de dar presentes e adorei esta PIRAMIDE INVERTIDA (invertida pois estamos invertidos em valores, emoções, relacionamentos e vivências – se estivéssemos endireitados nossa base seria mais sólida, pilares mais firmes e sofrimentos mais amenos) pois me fez repensar o nosso tratamento com os outros e comigo, ao invés de chatear-me, priorizei minha vida e pude dar mais amor e colo que é o símbolo principal das festividades durante a roda do ano.

Como é aplicável para todo o sempre senti vontade de dividir com vocês. Nesta pirâmide invertida tem a maneira como podes fazer melhor quando pensar em presentear por algum motivo e assim mudar a percepção de abundância e doação. Simples e honesto. Sem correrias e desespero que é o oposto de uma festa!!! Isto vale para todo o ano!! Você é o melhor presente!!!! Desacelere e faça o essencial. Seja mais brando e de qualidade na tua vida como gostaria que o mundo fosse. Observe a sua volta e tenha um olhar mais colorido. Decore e DE COR A algo!!!!

Pri Ilha

Por

PÓ DE CAFÉ

18/12/2018 às 07h38

Sempre que há uma limpeza física ou energética, é o ambiente que vivemos que ganha, seja profissional ou pessoal, e este nos retribui com mais harmonia e equilíbrio. Na dica de hoje pensei em reutilizarmos nós mesmos e não colocar no lixo
algo que muitas pessoas possam usar! “PÓ DE CAFÉ” usado, serve para muitas coisas e irei expor algumas:

Acaba com odores das mãos

Sabe aqueles ingredientes que têm um aroma delicioso na cozinha, mas são desagradáveis quando ficam impregnados nas mãos. Esfregue as mãos com um pouco da borra do café e depois enxágue com água morna. Além de ser um excelente esfoliante.

Funciona como adubo

São ricos em potássio, magnésio e cobre, liberam nitrogênio no solo quando começam a se decompor e ainda são ácidos, o que é excelente para alguns solos. Hortênsias, azaleias e brinco de princesa adoram solos ácidos! Aplique a borra diretamente no vaso.

É uma tintura natural

Os pigmentos naturais do café são ótimos para tingir tecidos e papéis.

Espanta as formigas

Espalhe borra de café nos locais onde você vê formigas, em casa ou no jardim que elas vão embora.

Use na limpeza diária

Para limpar superfícies como bancadas da cozinha e até a geladeira. Use um pouco da borra sozinha ou misture ao seu detergente de costume para potencializar a limpeza.

Mantenha ambientes frescos

Como absorve odores, o café pode também ser uma forma ecologicamente correta de neutralizar odores em todos os ambientes da casa. Em um pote dentro da geladeira para retirar odores, indesejáveis.

Pri Ilha

Por

PREENCHA-SE COM O NOVO

30/10/2018 às 13h22

Dia desses, olhando algumas imagens na Internet, me deparo com uma foto da pasta de dente Kolynos (década de 80), acredita? Ela foi encontrada numa praia pelo pessoal do Movimento Lixozero e Reciclagem, que sigo no Instagram.
Fiquei espantada! Primeiro, porque há muitos anos não via essa Kolynos (me senti um pouco fora de época); segundo, porque fiquei me perguntando há quantas décadas essa embalagem estava lá e nunca ninguém limpou a praia? E como ainda permanecia sem ter se deteriorado em nada? Será que alguém estava escovando os dentes na praia?

“Creme dental Kolynos parou de fabricar a mais de 20 anos. E hoje caminhando pela praia olha com que me deparei. Isso serve para entendermos o quão devastador é o impacto ecológico quando não descartamos o lixo de forma correta.”⠀ ?⠀ Foto: Alexandre Menezes⠀ ?⠀ O que você está fazendo para combater a poluição nos oceanos? Deixe nos comentários!⠀ ??♻⠀ Descubra um jeito fácil de fazer isso: http://cleanseas.org⠀ ?⠀ #Autossustentável #ONUMeioAmbiente #MaresLimpos #CleanSeas #ODS12 #ODS14 #oceano #poluição #resíduos #lixozero #lixo #praia #mar #ocean #pollution #beach #waste #zerowaste #sea #MedioAmbiente

Uma publicação compartilhada por Autossustentável (@autossustentavel) em 22 de Ago, 2018 às 8:25 PDT

Bem, mostrei a foto para amigos e familiares e, lá pela quinta vez, fui me sentindo vazia daquelas perguntas, indignações e indagações. Como se isso já fosse algo comum demais. As pessoas me olhavam espantadas e revoltadas, mas nada transmitiam. A mim, também veio um sentimento de espanto: Como um lixo desse, tão usual, demora 450 anos para se deteriorar? Sim, é só uma pasta, mas quantas pessoas usam creme dental? Isso não pode ser normal nem comum, não mais. Mas sinto que é o mesmo que fazemos com nosso lixo.
Nos questionamos, indignamos e nos empolgamos a fazer diferente, mas só algumas vezes, porque depois perde a graça.

Tudo perde a graça.
Como fazer para continuarmos a reorganizar e reciclar nossas mentes, nossos lixos, nossa criatividade?
Falta brincarmos mais, rirmos mais e nos refazermos em nossa mente.


Montar algo novo do qual não esperamos mais nada. Talvez uma meta mensal e depois semanalmente, até que colocamos no dia a dia esta criatividade para fora.

O que você mais tem em casa que vai para o lixo quase que diariamente? Acha que pode inventar um novo sentido para isso? Esvazie-se e preencha-se com o novo reformado e reformulado, o que achas?

 

Pri Ilha

Por

RECICLAGEM

13/09/2018 às 12h14

Viajo muito, entre os livros, nos filmes e pelo mundo, acredito que o mundo não só precisa, sente necessidade e carece de reciclar. Como é obrigado a adquirir, uma nova forma de utilizar será reciclar ou por ignorância, jogar fora no lixo. Se pesquisar ou conectar-se, por poucos instantes, nas redes da internet ou revistas de artesanato e livros, veremos que muito material pode ser reinventado, reestruturado de alguma forma nas mais diversas utilizações além de ser divertido e imensamente gratificante, pode ser feito de forma rápida e criar um hábito que em pouco tempo fará parte do dia a dia tornando-se cotidiano que nem perceberemos que o estamos fazendo.

Vejo, sinto e penso que reciclar quando temos a empatia tão almejada com o meio ambiente e responsabilidade com o que jogamos para ele, para o universo. Neste momento acredito que transformamos o lixo físico e simultaneamente o mental já que organizamos nossos espaços externos e internos concomitantemente, concorda?

Quando reciclamos algo, reciclamos nosso pensamento e nos reinventamos através deste objeto, decoramos a casa e enfeitamos a alma.

Em um documentário visto, há alguns anos sobre uma menina dizendo como era difícil não produzir lixo algum durante uma semana, vi a dificuldade que temos de nos reinventarmos, de sermos criativos e de realmente ajudar e sim, querendo algo maravilhoso em troca, nosso planeta saudável refletindo em nós, porque não?

Mais prosperidade, menos descartáveis.

Não é sobre isso o reciclar?

Em um mundo líquido, onde o imediatismo sobressai os projetos a longo prazo, fico a procura de melhorar minha comunidade e deixar algo de sólido para meu filho sentir, calçar e pisar.

Visite:

instagram.com/reciclartudo

instagram.com/reciclagemedu

Pri Ilha

Por