Revista Statto

A CARONA

24/09/2019 às 14h27

Foi no tempo que eu dava aulas de violão em Ivorá com o Professor Scheneider.

Naquele dia o professor não pode ir e me mandou de ônibus, na volta após a aula, depois de subir morro, faria a baldeação e voltaria pra Santa Maria.

Ocorre que o primeiro ônibus atrasou e perdi o próximo, me restou pedir carona beira do asfalto, e ali permaneci, já estava com câimbra no polegar e ninguém parava.

Apavorado, cheguei no bar da rodoviária, onde avistei duas lindas moças, uma estava de shorts com uma sandália trançada em couro na panturrilha, a outra estava muito bem, mas não lembro o look.

Perguntei:

– Escutem gurias, estou faz uma hora no sol pedindo carona e ninguém para, vocês não querem pedir por mim??

Sorriram se olharam achando engraçada da ideia, e foram!

De longe avistamos um fusca mandando bala!

– Pode ser um fusca?? Pergunta a moça!

– Sim, sim, qualquer carro!

A hora que as duas esticaram o braço, se ouviu o cantar dos pneus, precedidos por uma marcha ré.

Eram dois homens, com um boné de empresa, e o carona tratou de abrir a porta rapidamente.

Foi quando entrei agradecendo as moças e dando tchauzinho.

– Ué! Elas não vão também???

– Não, eu pedi pra elas atacarem, porque ninguém parava, expliquei meio envergonhado, e meio que achando graça.

Se olharam de cara feia, e seguimos viagem.

O moço do carona me olha perguntando:

– Pelo menos sai alguma coisa deste violão?

– O que o amigo deseja escutar?

– Lupicínio Rodrigues!

E lasquei:

– Quem sou euuuu …pra ter direitos exclusivos sobre elaaa …

Resultado:

Chegamos no Restaurante do Castelinho, as 19:00 e saímos 24:30, dê-lhe carne, ceva e violão só os 3!

Foi quando o motorista falou:

– Beto, foi muito melhor ter dado carona pra ti do que pras duas lindonas!

Aí eu percebi que era um moço de valor!

QUEIXAS

05/08/2019 às 11h42

Eu me queixo do calor, também me queixo do frio

Da água suja do mar, da água barrenta do rio

Me queixo também da crise, do governo, da artrite,

do calo, dor de cabeça, da afta, da tendinite

Do horário de verão, do gás que acabou mais cedo

da unha que encravou, e da verruga no dedo

Me queixo do café velho, do arroz duro e queimado

do negócio que melou, do presente e do passado

Queixas da vida e do mundo

estranho e caminhador

Quando se queixa de tudo

se torna um sofredor

E a queixa de todas queixas.

Na estrada louca da vida

Não passa despercebida

é tanta falta de amor.

Do preço da gasolina, o valor do botijão

da peste que contamina, da dor, da palpitação

O carro que não está pronto, do pedágio e da estrada

a carne passou do ponto, faltou limão na salada

Queixas, mais queixas, que fazem o mundo vil e cruel

Como queixar adiantasse, e abrisse as portas do céu

Como se a fila andasse com muitos na minha frente

Sem perceber que de atrás, existe muito mais gente

Que a minha dor comparada as criaturas do mundo

é uma ponta de agulha num oceano profundo

Que as queixas são para os fracos, perdidos no sofrimento

os fortes jamais se queixam , são só agradecimento.

CORAÇÃO MOLE

11/06/2019 às 17h11

“A gente descobre que está ficando com o coração mole,

quando não tira o gato que dorme preguiçoso,

em cima do saco de pão”.

A gente nota que começou a ceder

quando derruba uma lágrima

Pela carcaça na estrada,

pelo menino sem nada,

pelo cavalo sofrido,

pelo irmão denegrido,

pelo olhar do coitado.

Ou por qualquer filme triste,

por uma vida passada,

por quem não tem quase nada

e tropicando resiste,

pelo enfermo encolhido

meio com medo da morte,

por quem nunca teve sorte

ou um amor proibido.

Pelo maluco da esquina,

pelo pranto compulsivo

ou por qualquer um motivo

que não seja sua sina,

ou pelo mundo nocivo

que a criança explora,

pela mãe triste que chora

0 filho no mundo vil.

Quando sente no seu peito

sem que lhe diga respeito,

a dor que o outro sentiu

SE ESSA RUA FOSSE MINHA

08/03/2019 às 16h32

(Cantar com aquela velha melodia)

Se essa rua, se essa rua fosse minha,

não deixava, não deixava interditar,

Com pedrinhas de cimento e de concreto,

para o meu amorzinho não passar.

Nesta rua, nesta rua, mora um povo,

que se chama, que se chama cidadão.

Paga imposto, (IPTU) e no ano novo.

vai dar volta, por um grande quarteirão.

Se eu não sei, se eu não sei,

porque eu não posso,

meu caminho, meu caminho decidir.

E perdi de um dia para o outro,

o direito que eu tinha, de ir e vir.

SINISTRO

18/12/2018 às 00h32

Ontem aconteceu algo bem sinistro.

Todos sabem que tenho uma cachorrada, ninguém passa ou chega perto do portão sem que eles façam uma algazarra infernal.
Já estava deitado quando ouvimos na porta da sala um forte barulho de trinco como se alguém insistisse em entrar mesmo estando fechada, e devidamente travada.

Ouvi uma, duas vezes, até que resolvi averiguar.

Desci a escada acompanhado do quase silêncio da noite ouvindo os pingos daquela chuva fria.

Uma sensação estranha aos poucos foi se transformando em pavor ao descer a escada sem conseguir entender o que estava acontecendo, era irreal confesso, estava com muito medo. E a cachorrada quieta nem um latido!

Ao pé da escada já com a luz acesa olhei a porta da frente, e vi perfeitamente o trinco se movimentar com violência, várias vezes, alguma coisa forçava a porta com insistência e nenhum dos cães dando sinal, foi quando apavorado gritei para mulher:

-Não desce, e tranca a porta do quarto!

De repente quando parecia que não podia piorar mais aquela triste situação, escuto um grito desesperado e rouco me arrepiando da cabeça aos pés!

Aí eu acordei!

PROTESTO

29/10/2018 às 16h08

Eu que sempre venho aqui para brincar, extravasar, dar uma opinião ou postar besteiras com o intuito de fazer rir, me dispo do humor habitual em protesto a uma publicação que me prejudicou sobremaneira.

Vamos ao fato!

Anda circulando no Facebook uma receita de arroz com leite.

Não abram!!

Minha filha Juliana resolveu fazer o tal de arroz com leite copiando a receita à risca!

Resultado:
1- Repeti 3 vezes na sobremesa
2- Assaltei covardemente o micro-ondas onde foi guardado, no silêncio da madrugada.
3- No café da manhã usufruí do enfeitiçado prato sôfrego, deixando um pingo de doce para o meu amor.
4- Minha barriga está reaparecendo!

A minha cunhada pegou a receita com a mulher e fez à tardinha, a patroa fez mais uma panela, aliás …já deve estar esfriando.

Se me dão licença …

FAMOSO!

13/09/2018 às 10h26

Coisa de uns cinco ou seis anos atrás, vinha eu pelo calçadão, quando um senhor, puxando o filho pela mão, arregala os olhos ao me avistar e diz para o seu menino com entusiasmo:
– Meu filho este é um dos maiores artistas do Rio Grande, e é amigo do teu pai!!!
O menino, com os olhos brilhando, me estende a mãozinha e eu o cumprimento orgulhoso, quando o pai acrescenta:
– Este é o famoso Antônio Gringo!!
Ante o pai e o filho emocionado, cumprimento e digo:
– Prazer, Antônio!
Recebo um abraço efusivo e observo enquanto se vão conversando com entusiasmo.
Falo baixinho para mim mesmo:
– Mas é bom ser famoso…