Revista Statto

OCUPE O SEU LUGAR

24/10/2020 às 10h16

Dizem que aquilo que procuramos também está a nossa procura.

Imagine que você está esperando uma carta que vai chegar com certeza no dia de hoje, mas você sai de casa. Quando o carteiro chega para entregar não encontra ninguém.

Este é um ótimo exemplo sobre quando não ocupamos o nosso lugar dentro do nosso sistema.

Eu aprendi isso a duras penas, sempre queria ser a primeira no coração de meus pais, mas eu era a segunda filha. Somente adulta e com a visão Sistêmica aprendi a me colocar no meu lugar e honrar o lugar de primeira filha da minha irmã mais velha.

Algumas pessoas dizem: fulano (a) quer ocupar meu lugar/cargo na empresa, algumas mulheres dizem: fulana quer “roubar” meu marido, e passam por este tipo de situação repetidamente, até que decidam buscar ajuda e descobrir que elas mesmas estão fora do seu lugar.

Por muito tempo eu me sentia em dívida com pessoas que me ajudavam ou ainda achava que deveria caminhar ao lado destas pessoas, encaixá-las no meu projeto de vida.

Mas aprendi que muitas pessoas, assim como nós muitas vezes na vida de outras, somos como pontes.

Imagine que aquilo que é para ser seu está do outro lado da ponte e você precisa atravessá-la, então avista uma pessoa que lhe dá a mão e oferece ajuda, você aceita.

Assim acontece, algumas pessoas passam por nossa vida para nos ajudar a atravessar algumas pontes. Pode ser um relacionamento, uma amizade, um trabalho, inclusive um terapeuta.

Quando temos clareza do nosso lugar, sabemos identificar com clareza o que faz parte de nós ou o que é temporário, um aprendizado, um degrau, uma passagem.

O ensinamento para mim, junto com o olhar sistêmico é: ocupe seu lugar, pois aquilo que é para ser seu sabe o caminho para te encontrar.

Esteja em casa quando o carteiro chegar. A casa que é você mesmo (a) morando em si.

RELACIONAMENTOS DA NOVA ERA

06/10/2020 às 09h39

Algumas pessoas têm associado o aumento dos conflitos e términos de relacionamentos ao isolamento forçado que a pandemia nos colocou.

Mas a minha experiência de consultório em analisar e compreender o ser humano não me deixa acreditar que seja este acontecimento isolado.

Há muito tempo algumas pessoas estão insatisfeitas nas suas relações. Seja afetiva, profissional, familiar, amizade, entre outras.

Muito se fala em relacionamentos da nova era, e quando ouço isso, percebo as pessoas querendo sair de um lugar para chegar em outro.

Mas relacionamentos da nova era não são um lugar ou um acontecimento em si, mas sim a união de pessoas com um novo padrão vibracional que se atraem por estarem na mesma frequência.

O que é preciso então para estar em um relacionamento da nova era?

É preciso mudar a frequência vibracional e não especificamente de parceiro ou lugar.

Muitas pessoas saem do relacionamento por conta de suas insatisfações, mas as insatisfações, assim como a frequência vibracional, são estados internos delas mesmas, então onde quer que vá e com quem esteja, o estado interno a acompanhará.

Com tantos recursos disponíveis para evoluirmos nossos estados internos, podemos dizer que já é possível ser uma pessoa de vibração mais elevada. Ressignificar crenças e padrões antigos e criar uma nova realidade.

Quando temos coragem de olhar para dentro e evoluir, sermos melhores e vibrar de forma mais positiva, bons relacionamentos são apenas consequência.

Seja a pessoa que você gostaria de conhecer e conviver e tudo mais vibrará nesta realidade.

MUDANÇA DE PADRÕES E PROCRASTINAÇÃO

29/04/2020 às 14h57

Muito se tem falado sobre mudança de padrão.

Esta pandemia deixou bem mais claro para a maioria das pessoas que há uma força que está além do nosso entendimento humano e que atua e se orienta em leis universais, conforme muitas linhagens já ensinam.

De muitas linhagens que estudei, cito aqui Dr. Pedro Grisa da Parapsicologia Científica que fala sobre as Leis Cósmicas.

De acordo com “Grisa” as Leis Cósmicas básicas são: Harmonia, Vibração e Evolução. Estas leis são universais e, portanto, imutáveis.

A Harmonia se expressa na própria natureza, a vibração no constante movimento e a evolução é inerente à nossa existência, pois todos estamos sempre e constantemente evoluindo.

Dentro da questão da evolução, no que diz respeito à mente humana, existe a necessidade de mudança de padrões mentais e crenças limitantes.

Os padrões e crenças que foram necessários para a sobrevivência de uma geração, podem ter contribuído e sido essenciais, mas podem não ser compatíveis ou úteis para uma geração posterior.

Tudo está em constante mudança, e como a função da mente é garantir a sobrevivência do indivíduo, quanto maior a insegurança experimentada por uma pessoa mais ela vai tentar se manter ligada ao padrão antigo, que por mais que possa ter sido difícil e sofrido, é certo que garantiu a sobrevivência de uma geração anterior.

No processo evolutivo muitas vezes a pessoa pode ter acesso a muitas ferramentas e até ajuda profissional para mudar um padrão, mas ainda assim muitas vezes PROCRASTINAM.

A procrastinação está aliada ao velho padrão. O velho padrão está aliado à necessidade de pertencimento.

Se a pessoa se dedicar e usar as ferramentas disponíveis, pode romper com o velho padrão, porém muitas vezes isso pode gerar a sensação de estar rompendo com as pessoas que o representam e a segurança que proporcionam e não com o padrão em si.

Tanto o processo terapêutico quanto o evolutivo se tornam mais desafiadores conforme são aprofundados, mas a cada desafio vencido adquire-se mais segurança e experiência, podendo assim ao invés de fazer rupturas drásticas com o velho padrão, criar uma transição paciente e madura que autoriza e sustenta o novo a se manifestar de forma saudável e concreta.

ACEITAÇÃO – UM PASSO PARA O MELHOR

29/03/2020 às 11h22

Quando éramos crianças, algumas vezes, nossa mãe para preparar nosso banho ou nossa cama, precisava deixar-nos na cama, no carrinho, ou até no colo de alguém.

A nós restava sempre duas opções, chorar, fazer birra e gritar até que a mãe nos pegasse de volta, ou esperar quietinhos pela mãe, sabendo que ela estava nos preparando algo bom e até melhor.

Nos dias atuais, continuamos a repetir esse velho padrão e isso vai diferenciar a forma como lidamos com determinadas situações ao longo de nossa vida.

Um dos fatores que mais causam sofrimento ao ser humano, é a falta de aceitação ao momento presente na forma como ele se apresenta.

Quando algo acontece fora de nosso controle, ou diferente da forma como gostaríamos, sofremos, fazemos birra, tentamos de tudo para mudar a situação.

Quando confiamos na vida, passamos a aceitar o momento e temos a certeza de que algo melhor há de se apresentar.

A confiança que temos na vida, está diretamente relacionada à confiança que temos em nossa mãe, e agora como adultos, podemos cultivar esta confiança em ambas as partes.

Olhar para nossa mãe com a certeza de que ela sempre fez o melhor para nós, que sempre se dedicou e que fez tudo o que podia com aquilo que sabia, fará com que a vida seja cada vez mais generosa conosco.

Nada em nossa vida acontece por acaso, tudo é uma questão de aceitar, entregar, confiar e acreditar que a vida, assim como nossa mãe, estará sempre a nos guiar para o melhor.

Em qualquer situação, respire fundo fique bem onde está e confie: o melhor está por vir.