Revista Statto

AQUELA TAL CRISE DOS 20 E POUCOS

09/12/2020 às 17h16

Eu sempre fui ansiosa e com isso quase o tempo todo queria que as coisas fluíssem rápido e acontecessem para ontem. Nunca foi desse jeito e aprendi isso da forma mais dura. Quando eu tinha 15 anos tudo que eu queria era pular para o último ano do ensino médio e terminar escola. Quando o último ano chegou, tudo que que queria era para ir faculdade. E quando cheguei lá, achei que seria tudo simples. Encontrar um trabalho. Crescer dentro dele. Ser independente. Morar sozinha. Estar bem resolvida e com um namorado beirando a felicidade na maior do tempo. Fazer aquela viagem que eu sonhava tanto.

Parecia ser tão fácil que não sei exatamente porque não percebi que não seria tão fácil. Não realizei a maior parte das coisas. Em vez disso, a vida, o destino, ou seja, lá o que for me levou para um caminho completamente diferente. Eu não imaginava estar onde estou agora. E onde estou agora, está longe de onde eu realmente queria estar sabe? Dei uma pesquisada e vi que muita gente passa por essa tal crise dos 20 poucos. Beirando a esse número apavorante, estou inquieta com meus pensamentos.

Estou questionando todas as minhas escolhas e me perguntando onde foram parar os planos que fiz? Em algum caderno perdido, em alguma escolha errada, em alguma decepção.

Tenho me deixado levar na maior parte do tempo pela vida. Deixando que as coisas tomem um rumo por si só. Não sei o que pensar. Não sei o que virá pela frente. Só tenho a consciência de cada vez mais me sinto perdida e sem saber por onde começar.

De todos aqueles discursos motivacionais que você escuta, com certeza você já deve ter ouvido a frase ” tudo depende de você” e eu até concordo com ela. Eu tenho poder de dar o primeiro passo e, mas durante o restante da caminhada?

Se não depender de mim por onde me levam?

E é nesse exato momento que as coisas voltam para aquela vontade de tudo que aconteça logo. Afinal, o tempo está passando muito depressa.

Não quero mais planos no papel que não saem dali. Quero mais realizações e mais sonhos para sonhar. Quero me livrar desse sentimento de angústia. Quero respirar fundo. Quero as coisas dando certo e me sentindo bem com o que tenho, onde estou e com quem sou. Quero que as mudanças aconteçam.

Eu sei que ainda tenho um punhado de tentativas. E vou aproveita-las enquanto puder. E eu sei que apenas não posso desistir e não posso ir pelo caminho mais fácil.

A verdade é que tenho medo de tantas coisas ainda. Quero que o tempo pare de passar tão depressa. Quero mais chances de realizar. Quero mais sorrisos. Quero a certeza e um fim dessa confusão. Quero apenas o que meu coração sempre quis. A chance de ser feliz onde estou. Quero ser eu com um sorriso no rosto. Quero possibilidades e quero um amanhã melhor do que hoje.

Meus planos de antigamente ficaram em algum lugar do passado, mas a verdade é que a vontade continua aqui. E o que se pode fazer além de tentar?

EM BUSCA DE UM LUGAR

28/11/2020 às 10h38

Toda vez que eu fecho os olhos imagino algum lugar calmo que eu não sei nem onde fica. Um lugar onde eu possa inspirar e respirar sem todo peso que me consome agora. Sem toda a pressão que sinto quase todos os dias. Nesse lugar, eu poderia sentar perto do mar e sentir a areia nos meus pés. Poderia só ouvir o barulho das ondas e observar cada movimento. Poderia sentir o vento em meu rosto deixando que as lágrimas levassem o que ainda resta. Eu me esqueceria de todas as coisas ao meu redor. Me esqueceria das pessoas que levaram um pouco de mim conforme passaram na minha vida. Me esqueceria das marcas que foram deixadas durante alguns momentos. Dizem que você escolhe o caminho que percorre e recolhe os frutos das sementes que planta, mas e se essas sementes simplesmente não crescessem?

Se você tivesse plantado, cuidado e regado essas sementinhas com todo cuidado, mas elas simplesmente não mudassem? A culpa ainda seria minha? Quantas vezes você precisa tentar para que as coisas pareçam dar certo? Eu me faço essas perguntas tantas vezes que até me assusta. Certa vez desabafei em alguma rede social que as coisas não são tão perfeitas e felizes como as pessoas fazem questão de dizer. E me disseram que as pessoas não querem saber de mais tristeza. Então a verdade é que temos que fingir estarmos felizes e não desabafar por que as pessoas não gostam disso? Ou soa deprimente demais?

Ruas sem saídas e avenidas sem movimento. Pessoas que mudam. Pessoas que vem e pessoas que vão em um piscar de olhos. As vezes eu queria dar um salto na minha vida. Poder enxergar lá na frente como as coisas seriam. Poder ler os pensamentos das pessoas. Talvez assim eu pudesse entender melhor e lidar melhor com as coisas que acontecem comigo ao meu redor. Percebi que eu nem faço ideia direito de quem sou na verdade. Percebi que ainda estou a tentar procurar um lugar, um lugar no qual eu consiga pertencer e não me sentir tão deslocada como me sinto agora. Um lugar onde eu possa sorrir tanto que eu canse disso. Mas que eu possa sorrir de verdade. E não aquele sorriso que eu dou quando quero chorar porque me disseram que é assim que se segue em frente e que se vive cada dia e continua tentando.

Quero poucas coisas na verdade. Quero sentar em algum lugar e sorrir. Quero um pouco de paz e alguém segurando minha mão. Posso jogar todos esses pensamentos pelo vento e deixa-lo levar para bem longe de mim. Acredito que eu só espero que as coisas mudem de alguma forma, que alguma coisa aconteça seja ela pequena ou grande. Eu só respiro e ainda estou tentando encontrar meu lugar em um monte de rostos que nem consigo identificar. Acho que eu só quero pertencer. Só quero me sentir em paz. Só quero saber o que me espera lá na frente.