Revista Statto

ALIMENTAÇÃO, IMUNIDADE E CÂNCER

06/10/2020 às 10h05

«Houve povos sem médicos, mas nunca houve povos sem medicina» (Sousa, 1981)

É do conhecimento público, que uma das formas de evitar o câncer é reforçar o corpo com nutrientes antioxidantes e aumentar os linfócitos T (fatores TF), que produzem energia celular, para além de ter uma vida com hábitos saudáveis em harmonia de corpo e mente.

Para tal, torna-se importante que a população conheça a função dos alimentos e como estes podem contribuir para uma atitude de prevenção primordial, mantendo o corpo mais saudável e com melhor reforço de imunidade inata.

A prevenção primordial, estreitamente associada às doenças crónico-degenerativas (noncommunicable diseases — NCD), visa evitar a emergência e o estabelecimento de estilos de vida que se sabem contribuir para um risco acrescido de doença (Alwan, 1997).

A ciência da epigenética explica-nos que somos influenciados por todo o ambiente ao nosso redor e que, dependendo da mensagem que assimilamos quer emocionalmente, quer fisicamente, podemos acionar os gatilhos que temos na memória celular, mas que não dependem dos genes do DNA herdado.

Isto porque cada vez mais existem pessoas com doenças oncológicas, mesmo sem registos anteriores na família.

Um dos melhores recursos ao alcance de todos no combate e na prevenção das doenças, está nos alimentos que nutrem de forma saudável no restauro das células, dia-a-dia ao longo da nossa evolução. Somos afetados pelas memórias epigenéticas dos nossos antepassados até à quarta geração. Mas também somos influenciados pela energia viva e pela frequência eletromagnética dos alimentos vivos (CEO’S).

Na Grécia antiga, berço da civilização ocidental, a prática da medicina assentava, primariamente, na promoção de estilos de vida saudáveis — nomeadamente através da «dietética» (Nutton, 1996).

Hoje já temos uma consciência mais ativa e alerta, perante a pandemia mundial que nos acometeu este ano de 2020 com o Cronavírus-19.

É por isso, chegada a hora de chamar à atenção da população da Europa e das políticas públicas, para que todos possamos atuar em conjunto como agentes de saúde pública.

Ao praticarmos uma alimentação variada e rica em nutrientes com propriedades nutracêuticas, de origem vegetal e pobre ou ausente em alimentos processados, podemos prevenir e atuar na redução de novos casos oncológicos e de outras doenças autoimunes como as virais.

Cerca de 80 a 90% das doenças cancerígenas estão associadas a causas externas.

Os hábitos e o estilo de vida aumentam o risco dos diferentes tipos de câncer, tal como é explicado pela influência dos fatores epigenéticos.

Apesar do fator genético poder ter um papel importante na oncogénese, os fatores de risco podem ser o resultado de hábitos ou costumes próprios de um determinado ambiente cultural e social.

Os doentes de câncer em tratamento e todos os doentes com patologias autoimunes, como as doenças reumáticas, vitiligo, psoríase e outras virais, devem também ter maiores cuidados na forma como se alimentam, para que possam recuperar a imunidade inata no decurso dos tratamentos e prevenirem o retorno da doença ou o desenvolvimento de metástases ou de outro tipo de câncer.

Estas pessoas, ao estarem sujeitas a tratamentos intensos de radioterapia ou quimioterapia ou medicação retroviral, precisam mais que qualquer outra, de uma alimentação cuidada, personalizada, reforçada em fito-nutrientes saudáveis, além de todo um suporte de práticas de bem-estar estar físico e emocional.

Importa saber que os alimentos se classificam, em quatro categorias de acordo com a sua atuação na regeneração e na renovação celular;

  • Os biogénicos (germinados crus, sementes, castanhas e grãos), que atuam como regeneradores das células, criando uma nova vida no corpo
  • Os bioativos (vegetais e frutas cruas), que mantêm a energia celular em alto nível, melhorando a força vital do corpo.
  • Os bioestáticos (orgânicos cozidos), que mantêm o funcionamento do organismo de forma lenta, mas consomem a energia das células, causando o envelhecimento precoce e diminuem a nossa energia.
  • Os biocídicos (processados e adulterados – fast food e enlatados), que degeneram as células e desvitalizam o sistema imunológico, causando doenças de diversos tipos.

Quando eu afirmo que o alimento é o seu melhor medicamento, é porque na verdade este é o pilar que estrutura e suporta a sua vida.

Se estiver associado a uma mudança de estilo de vida, complementada com exercício físico, bons pensamentos e boas atitudes, estará a criar em si e na sua família, o caminho certo para alcançar a “Paz Celular e o Equilíbrio Vital”.

O meu papel, é deixar em si a semente da informação, para que possa prosperar e alcançar uma vida com alegria, bem-estar e juventude biológica.

ÓRGÃOS DESINTOXICADOS: 24 HORAS DE NUTRIGENÉTICA

23/09/2020 às 10h16

Precisamos diariamente de contribuir para o equilíbrio dos órgãos que são responsáveis pela remoção de toxinas do corpo.

Quais são eles? O intestino, os rins, o fígado e a linfa.

Desintoxicação ou destoxificação é um termo geral que descreve a remoção de substâncias tóxicas do corpo. Todos nós temos o hábito diário de tomar banho porque nos preocupamos com a higiene externa do corpo. No entanto, quase todas as pessoas se esquecem que internamente também devemos respeitar as mesmas regras de higiene diária, não apenas uma vez por semana, ou por mês.

Precisamos diariamente de contribuir para o equilíbrio dos órgãos que cuidam da remoção de toxinas do corpo, porque são eles os nossos filtros que diariamente eliminam tudo o que nos ataca o sistema imunológico e o equilíbrio metabólico. Como se chamam esses filtros? Intestino, os rins, o fígado e a linfa.

Para limpar ou desintoxicar o corpo, precisamos fazer com que as toxinas se transformem em matéria mais solúvel, para que através da urina e da bile possam ser eliminadas. É no intestino e no fígado que ocorrem os principais processos de limpeza. O intestino é o grande laboratório que equilibra o sistema imunológico, é aqui que reside o grande segredo da nossa saúde.

O uso de probióticos, (de origem grega e significa “para a vida” ou micro-organismos vivos) e prebióticos (fibras não digeríveis) auxiliam na produção das endotoxinas (toxinas encontradas no interior da célula bacteriana), que alteram a função imunológica.  Por isso, é importante o consumo de alimentos que auxiliam o bom trabalho do intestino, e contribuem para o aumento de glutaminas, do zinco e dos ácidos gordos essenciais, que atuam na reparação da mucosa intestinal.

A forma mais saudável para reparar o seu organismo é consumir alimentos nutracêuticos, em substituição dos suplementos.

  • Como probiótico e em substituição dos alimentos lácteos, o chocolate negro (70%) é um dos nutracêuticos mais recomendado.
  • O processo de fermentação dos grãos de cacau possui uma atividade maior que as bactérias do leite, de acordo com alguns estudos científicos.

Outros alimentos são a clorella, spirulina, azeitonas, leite de soja, moringa e pão integral, alimentos germinados e kefir.

  • Como prebióticos, temos por exemplo, o alho francês, tomate, banana, cereais integrais, como a cevada, aveia e trigo integral, e o mel e cerveja, que devem ser de uso não muito prolongado.

A pectina, que está presente na entrecasca dos cítricos, do maracujá e na maçã.

As ligninas nas cascas de frutas oleaginosas (linhaça, gergelim, amêndoas…) e leguminosas como a soja e o feijão, (azuki).

A inulina que é encontrada na raiz da chicória, no alho, na cebola, nos aspargos e na alcachofra.

Na forma de suplemento alimentar em formato de fármaco, os mais recomendados são: vitaminas C, E, B12, B6, B9, selênio, zinco, cobre, coenzima Q10.

No fígado ocorrem os processos de renovação da energia do sistema metabólico. Este órgão tem a função de fábrica orgânica, onde se removem as toxinas enviadas pelo sistema circulatório, (sangue) e pelos alimentos enviados do intestino.

No fígado também se armazenam nutrientes e produzem-se as proteínas e as vitaminas essenciais para nossa saúde.

São os fatores alimentares os maiores responsáveis pelo equilíbrio metabólico de cada indivíduo, e que podem influenciar a nossa expressão genética. Se não cuidarmos da nossa saúde e do nosso bem-estar, todo o nosso fenótipo pode sofrer alterações.

Estas alterações explicam-se através da epigenética que é o estudo da modificação do genoma herdável durante a divisão da célula e que não envolve a mudança na sequência do DNA.

Por isso, desintoxicar ou fazer detox não pode ser feito só quando nos apetece, ou quando queremos emagrecer.

O detox deve ser um processo diário, tal como o banho e tudo aquilo que envolve o nosso bem-estar total. Faça uma alimentação equilibrada, (combine 1 elemento de cada, da lista de prebióticos e de probióticos), beba no mínimo 8 copos de água de boa qualidade, por dia, reduza o consumo de açúcar e de gorduras, aumente a ingestão de alimentos vivos, (crus), caminhe 45 minutos todos os dias, exponha-se 15 minutos ao sol entre às 09h e às 12h.

E seja sempre feliz, abrace, ame e sorria. Ser saudável, depende apenas de si…

Drª Paula Mouta (acordo ortográfico português lusitano)

A NOSSA IDENTIDADE E A NOSSA FELICIDADE

21/08/2020 às 16h18

Uma Visão de Saúde, Com Mais Equilíbrio e Sustentabilidade. Quando se pensa em “Beleza” normalmente a nossa mente imagina um rosto conhecido. Nenhuma parte do nosso corpo revela mais para o mundo do que o rosto. Ele identifica-nos e está retratado nos nossos documentos oficiais.

É também para o rosto que olhamos pela manhã ao espelho quando começamos o dia e é nele que nos fixamos quando nos comunicamos uns com os outros.

Quando dizemos a uma pessoa que ela é bonita, geralmente referimo-nos a fisionomia dos traços do rosto. É ainda nele que expressamos as emoções (alegria, tristeza, dor, raiva, frustração, depressão ou de euforia). As chamadas expressões emoções não verbais.

Também é no rosto que está caraterizada a nossa herança do “DNA Fenótipo” (as caraterísticas morfológicas como a cor e formato dos olhos, a forma do rosto e a forma dos lábios, consoante a nossa origem e raça e o tipo de fisiologia).

Por ser a parte do corpo mais exposta, ter uma pele bonita é uma das preocupações que nos acompanha como ser humano, desde a infância até ao envelhecer.

Tanto que é a parte do corpo mais decorada com maquilhagem e adornos desde a pré-história até aos dias atuais.

Nas sociedades modernas, ter acne, manchas na pele, cicatrizes, olheiras profundas ou qualquer outro tipo de alterações que modifiquem esta região do nosso corpo, acaba por perturbar as nossas emoções, modifica a autoestima e mexe com a nossa identidade.

Ter hábitos de vida saudáveis é importante para se ter um rosto são e bonito, porque a saúde e a beleza começam à mesa e a juventude biológica desenvolve-se com boa saúde.

Mas quando falamos de “Felicidade” e de qualidade de vida social, precisamos de fazer uma outra forma de avaliação.

Existem dois aspetos que determinam o nível de felicidade e de bem-estar do ser humano e que são os maiores fatores de influência na saúde e na qualidade de vida, das chamadas sociedades desenvolvidas. Estes devem ser levados em conta, ainda antes de se olhar a pessoa como um doente a precisar de ajuda.

São eles; a forma como encaram a relação com a comida e a maneira como gerem o seu nível de felicidade.

Enquanto profissional de saúde preventiva e sustentável, considero que partir do primeiro contato, é importante estabelecer uma harmoniosa comunicação em que não existe um doente ou paciente, mas sim um “SER HUMANO”, que pode começar um encontro com o seu Relógio Biológico em busca de um ciclo com mais qualidade de vida em todos os sentidos (social, cultural, emocional, familiar, profissional e na saúde metabólica).

Este tipo de atuação onde o ser é tratado de forma integral, do latim “integralis”, que significa, total, inteiro, completo, é feito considerando todos os fatores de influência epigenética, que alteram o DNA fenótipo da sequência não herdada.

Não existe doença, apenas doentes, inseridos num contexto geográfico com diversos tipos de hábitos enraizados, os quais precisam de ser considerados e ajustados ás necessidades de cada pessoa e ou sociedades.

Compreendido este aspeto, importa agora definir o caminho como é feito este encontro entre a vida e o equilíbrio com o corpo.

“A saúde é um estado de consciência, regional, profissional, social, cultural e pessoal”.

Para que esta afirmação seja tomada em conta, todos precisam de estar envolvidos numa visão de mudança do paradigma da saúde e da qualidade de vida das populações no mundo e nas sociedades.

É sabido que a boa nutrição, é a melhor escolha para preservar a saúde e juventude do corpo. Uma alimentação variada e um estilo de vida saudável são os conselhos de todos os profissionais de saúde das mais diversas áreas específicas.

Importa agora saber quais os passos a dar para poder beber da fonte da juventude, em busca do equilíbrio vital e da imunidade inata, tão importantes para a verdadeira qualidade de vida.

Os cuidados a ter para uma manutenção de vida com qualidade, devem começar por estar diariamente focados em 7 regras básicas:

Pele, rosto e corpo (cabelo e unhas)

São os mais expostos e a montra do corpo. A saúde do interior reflete-se no exterior.

Uma saúde frágil, manifesta-se num rosto com pele sem viço, olheiras, manchas ou acne, cabelo e unhas quebradiços. Ter uma boa aparência é o melhor incentivo para estar motivado para a vida. É importante consumir água de qualidade e de quantidade para a boa higiene e manutenção da hidratação da pele, do cabelo e das unhas. Além disso a água é um dos processos de limpeza e de eliminação das toxinas acumuladas. Água é vida.

Antioxidantes para reforço da imunidade

Os antioxidantes absorvem as moléculas instáveis e prejudiciais que resultam da invasão dos radicais livres (poluição, stress, tabagismo, radiações das frequências eletromagnéticas, maus hábitos respiratórios). Os alimentos nutracêuticos de reforço antioxidante, possibilitam que o sistema imunitário inato reaja de forma natural na produção de “Linfócitos T”, para reduzir as inflamações que geram em nós doenças e o envelhecimento precoce. As frutas, vegetais, nozes e cereais integrais possuem grandes quantidades de antioxidantes.

Desintoxicação natural

O sistema gastrointestinal (boca, estômago e intestinos) e de destoxificação (fígado, baço, pâncreas e rins) atuam em conjunto ao usarem os nutrientes dos alimentos que precisam, para eliminar do corpo todas as toxinas e bactérias nocivas e que podem reduzir a nossa energia, criar inchaço e estimular os processos inflamatórios degenerativos. Por isso é necessário manter uma alimentação de qualidade, reforçada em vitaminas, minerais, alimentos simbióticos, porque vai estimular as enzimas digestivas e a presença de bactérias probióticos no intestino.

Mobilidade e força

Praticar exercícios físicos de manutenção para uma boa postura do sistema esquelético, previne o envelhecimento dos músculos, tendões, sistema   circulatório venoso e linfático e mantém o espírito jovem. Um corpo sem dor é um corpo que se mantém ativo. Diariamente ou três vezes por semana pratique exercícios ou caminhadas ao ar livre ou em circuitos adaptados para o efeito.

Saúde do coração

O coração é a bomba mecânica do corpo humano que bombeia o sangue e o faz circular por todos os sistemas, levando oxigénio e nutrientes a todas as células, para as renovar e rejuvenescer. Manter este órgão limpo, saudável, é manter a verdadeira juventude. Os alimentos ricos em antioxidantes e ómegas são os aliados certos para que tenhamos um coração bom e com longevidade.

Saúde do cérebro

Uma boa saúde mental mantém-nos motivados e ativos. Uma das melhores formas de prevenção para reduzir o burnout, a depressão e o stress, começa por termos de dormir 8 horas por noite. Esta prática estimula a produção de triptofano. Este aminoácido transforma-se em serotonina e está em melatonina. Por isso é que durante o dia temos mais serotonina na pituitária e ao chegar a noite produzimos mais melatonina, este é o processo que nos regula o relógio biológico do ciclo circadiano. O cérebro precisa de combustível e de bons nutrientes, para estar são e feliz.

Praticar o Amor e a Sustentabilidade

Todos nascemos dotados dessa capacidade humana inata que é o amor doação. Quando nos tornamos adultos e pais, somos capazes de forma natural e intuitiva de praticar a ação do amor doação, que cuida, protege e defende. São os pequenos gestos de valores humanos que geram á nossa volta uma onda de boas práticas, boas ações e sentimentos de altruísmo e de respeito.

Este é o alimento que nos torna fortes e resistentes em comunidade, quando somos assolados por catástrofes. Os laços humanos precisam de ser resgatados e multiplicados, por si, por nós e por todo o planeta. Só assim podemos ser sustentáveis e saudáveis. Temos de Ser Humanos Conscientes!

O ALIMENTO SAUDÁVEL GERA FELICIDADE

10/08/2020 às 11h03

Uma  alimentação adequada é a condição necessária para se ter um patrimônio genético, cultural e sócio econômico mais evoluído.

Para que um profissional de saúde cuide  de alguém deve ter em conta certos aspetos como o nível de felicidade, a sua alimentação e as influências epigenéticas, pois todos estes fatores influenciam a vida de todos nós.

Para  mim,  o que me inspira é a possibilidade de ajudar alguém a restabelecer o equilíbrio do corpo e a preservar a sua saúde.

Não existe doença, existem doentes, por isso uma alimentação focada numa nova abordagem nutricional deve ser o primeiro passo para qualquer mudança de comportamentos.

Este tipo de nutrição consiste na utilização dos alimentos de forma a podermos prevenir doenças e a restabelecer a saúde, onde os alimentos devem ser consumidos como uma forma de reforço, pelas suas propriedades nutracêuticas.

O que a nutrigenética propõe é também  a consideração dos conceitos sociais e ambientais que envolvem a produção e o consumo dos alimentos e do nosso cotidiano.

Desde a medicina de Hipócrates, já se concebe que o alimento possui papel decisivo no estado de saúde do organismo  e o mesmo pode ser utilizado de forma medicinal.

Aliás, está comprovado que melhora e prolonga a qualidade de vida. Lembre-se: você é o que come. Portanto, vamos prestar atenção ao que colocamos no nosso prato no dia a dia.

Trata-se de uma autoeducação diária com agradáveis compensações no futuro.

A elaboração de um receituário (planificação alimentar/dieta) saudável como meio de evitar doenças crônicas e degenerativas e deve ser apresentada de acordo com a estrutura metabólica e fisiológica de cada pessoa, de forma a estar compatível com as necessidades do seu biótipo.

Cada vez mais especialistas relacionam a qualidade da saúde à prevenção. É preciso ainda reafirmar que uma dieta antioxidante, rica em fibras e alimentos orgânicos, exercícios físicos, limpeza intestinal, pensamentos positivos, meditação e o respeito às características individuais de cada um ajuda-nos a conquistar uma vida com saúde, longevidade, felicidade e mais beleza.

Uma  alimentação adequada é a condição necessária para se ter um patrimônio genético, cultural e socioeconômico mais evoluído.

Para preservar o equilíbrio e a manutenção da sua imunidade inata (natural), comece por fazer um bom reforço de alimentos ricos em Vitamina E.

O seu efeito sobre o sistema imunitário é comprovado, pois aumenta a produção de células de defesa e a resposta celular perante qualquer infeção. Os alimentos ricos em vitamina E são, na sua maioria, alimentos de origem vegetal, como as sementes de girassol, óleo de gérmen de trigo, amêndoas ou legumes e frutas como os espinafres, abacate, espargos e kiwi.

É importante de introduzir nos seus hábitos diários 1 destes alimentos por dia ao longo dos 30 dias.

As vitaminas são fundamentais nas principais funções biológicas do nosso organismo. O seu poder antioxidante (previne a propagação dos radicais livres), estimula a expressão genética (crescimento de tecido), o processo enzimático (crescimento músculos),  a sinalização celular ao impedir a oxidação de ácidos gordos polinsaturados (metabolismo antioxidante) e  a função neurológica (inibição e de agregação de plaquetas).

Por exemplo:

  • Comece o seu    dia, com um sumo de limão e Kiwi, ou outro citrino à sua escolha e  prepare um abacate com mel, canela e sementes de girassol.
  • Ao lanche da manhã coma umas nozes e framboesas, e dois quadrados de cacau 70% ou se preferir uma tangerina com algumas amêndoas e castanhas de caju.
  • Ao almoço, dê preferência a uma boa salada de tomate bem maduro, com tiras de gengibre, cenoura crua ralada, algumas uvas pretas e fatias finas de berinjela com a casca, tempere com sal, oréganos, azeite, limão e ervas frescas. Coma com vontade e prazer, sentindo o sabor de cada alimento, pois eles estão vivos, cheios de energia.
  • Ao meio da tarde coma duas bananas e tome uma limonada com mel e hortelã triturado.
  • A caminho de casa, experimente comer mais 2 quadrados de cacau 70% e veja como o seu cansaço desaparece e o seu cérebro  fica mais  feliz.
  • Para o seu jantar dê preferência a sopas com alimentos tão coloridos quanto um arco íris e 2 a 3x por semana coma um ovo.

Uma alimentação equilibrada é considerada como a base da manutenção e da recuperação da saúde, sendo também olhada como tendo fortes implicações na ecologia do planeta.

SER FELIZ, SAUDÁVEL E REALIZADO

01/08/2020 às 17h30

Um dia disseram-me que estamos impregnados por toda a bagagem que carregamos, sendo ela feita de passado e presente.

É com essa visão que precisamos de pegar nessa mistura para aprendermos a separar as nossas ervas daninhas, perceber onde estão os espinhos e transformarmos o nosso jardim num belo roseiral.

Seja qual for o momento das nossas vidas, o importante é percebermos que não são as coisas novas que transformam a nossa jornada. Mas sim a forma como nós somos capazes de encarar as dificuldades, os obstáculos, os problemas e até mesmo as alegrias e as realizações.

Criar resiliência às circunstâncias da vida e usar as vivências como uma experiência que resulte em positividade, é algo que se traduz em ações construtivas.

É claro que é fácil dizer, o difícil é ser capaz de realizar, sobretudo se sentirmos que o mundo ao nosso redor se desmorona, se o nosso ânimo estiver desnutrido de bons pensamentos e sentimentos. Se o amor próprio estiver ausente e a nutrição física estiver carente. Como fazer então essa transformação?

Nada se consegue sem darmos o primeiro passo e esse deve ser feito com segurança assumida de que se quer mudar algo em nós.

Basta por isso, escolher de todos os nossos desequilíbrios aquele que é o menor… resolvendo dia a dia pequenos desconfortos e fazer deles pequenas vitórias, leva-nos a concretizar algo positivo.

Pode começar por adotar sete pequenas conquistas diárias, aquelas que eu sei serem as que mais nos preocupam:

Dinheiro: de todos os seus rendimentos, separe uma quinta parte para uma poupança. Mesmo que seja muito pouco, sabermos que temos uma reserva dá-nos algum conforto.

Peso Corporal: mesmo que o seu esteja acima da tabela de IMC recomendada, lembre-se: você é um ser único, com formato único e estrutura única, não pode ser medido igual aos outros.

Preocupe-se com qualidade de vida e com estado de saúde metabólica.

Geralmente cada um de nós carrega a mais cerca de 5 Kg de retenção líquida.

Comece por melhorar o seu consumo de água, para reduzir essa inflamação e com esse passo mudará o peso corporal e o volume visceral e abdominal. Em 30 dias irá dar-se conta de ter alterado bastante o seu estado corporal.

Relações: A pessoa mais importante da sua vida é você! Se não estiver bem consigo, não conseguirá estar bem com os outros. Para poder receber precisa de se expor e para isso precisa se doar primeiro. Experimente oferecer um abraço todos os dias, ou apenas ajudar de forma desinteressada alguém próximo de si. O amor, é um remédio que cura!

Trabalho: Se trabalha, mas está insatisfeito e frustrado, faça uma lista e adote novos comportamentos. Altere devagar a cada semana uma dessas situações.

Caso esteja desempregado(a), busque por algo que seja capaz de realizar sem depender de uma entidade patronal, veja-se como seu próprio patrão e assuma o comando da sua vida. Não precisa de nada muito elaborado, basta apenas começar por fazer aquilo que gosta e que sabe ser capaz de realizar.

Saúde: Verifique anualmente, sobretudo no começo de cada ano, o seu estado de saúde geral. Marque uma consulta no seu médico de família. Mais vale prevenir do que mais tarde remediar.

Formação: Porque somos seres em transformação e crescimento, também se torna importante que a nossa formação não seja estática. Todos os anos faça algo novo, diferente, atualize o seu saber. Além de poder conhecer outras pessoas, adquirir novos conhecimentos transforma o nosso bem-estar e faz-nos sentir mais seguros em todos os campos da nossa vida.

Lazer: Também é importante e faz parte do bem-estar geral de todos nós. Muda o foco do dia a dia e torna-nos mais felizes. Não precisa de ser nada rebuscado, caro ou complicado. Basta apenas que nos faça bem.

Por vezes olhar a natureza e poder disfrutar dela, pode acender em nós a magia que procuramos.

Como vê, tudo se conquista e tudo se torna possível se soubermos usar de paciência, calma e acima de tudo determinação e persistência. Mudar a nossa vida é algo possível, basta assumir para si esse poder…

O APELO AOS SENTIDOS E AO PODER DA VIDA

26/06/2020 às 08h55

A Medicina em todas as suas vertentes é a união de culturas, experimentos científicos e empíricos, religiosidade e acima de tudo valor humano.

É nesta força que temos de acreditar, num tempo em que as fronteiras já não seguram as populações a um lugar só, facilitando a mistura e a propagação de doenças, mas também de interação de saberes.  Onde evoluir é mais fácil, porque os recursos hoje são maiores.

Hipócrates via a Medicina como uma forma suprema de arte, porque exige o conhecimento e a capacidade de aperfeiçoar o corpo humano.

Da medicina hipocrática houve outra área, que progrediu ao longo dos dois mil anos, assente na definição “Vis Medicatrix Naturae”, onde o conceito articulador é o do corpo (physis) em harmonia com a natureza (naturae) que tem a força intrínseca de curar (vis – curativa).

A medicina hipocrática defende que, sem esquecermos a dimensão universal, a natureza individual de cada ser humano, explicada a partir da combinação dos quatro humores terá a capacidade de se auto regenerar.

Atualmente quase toda a farmacopeia moderna utiliza plantas com poder medicinal.

As plantas usadas há séculos na cozinha de todos nós, são parte do valor social, emocional, cultural e pessoal dos povos do mundo.

Elas são a alma da cozinha e convertem um simples prato num alimento gourmet que estimula os sentidos.

Numa avaliação antropológica da cultura alimentar, algumas ervas ou temperos em pó, quando misturados, são verdadeiros tesouros familiares, que perduram na tradição de cada lugar. Por exemplo, o “Garam (quente) Masala (mistura)”, é uma combinação exótica da cultura Indiana e Africana, utilizada nas diversas receitas para cozinhar frango, camarão e galinha com arroz. Considera-se uma verdadeira poção mágica com segredos guardados a sete chaves.

Esta mistura olfativa, o “Caril” (designação inventada pelos ingleses depois de perderem o império do oriente), resulta de uma sábia combinação com; canela, gengibre, noz moscada, cardamomo, sementes de coentros, sementes de mostarda, anis, louro, cravinho, piripiri em pó, funcho, açafrão e pimenta preta.

Atrevo-me até a comparar o “Garam Masala” com uma orquestra sinfônica!

É um poderoso estimulante para os sentidos do ser humano. O seu sabor é acentuado por um destes ingredientes, consoante as castas e a cultura de cada lugar e depois preparado com cebola, alho e leite de coco.

A sua utilização é considerada afrodisíaca, numa simbólica ponte entre a gula e a luxúria.  Uma forma de compensar, saciar e estimular as emoções. É uma verdadeira oferenda ao corpo… E tal como o vinho, também nos deixa inebriados…

O estudo das virtudes estimulantes dos alimentos é antigo.  Se bem observado, podemos interpretar várias caraterísticas em cada pessoa que nutre uma certa preferência por combinações de refeições, onde o aroma e o sabor são intensos e coloridos.

Sendo investigadora sobre observação da saúde dos povos, fico atenta ás preferência de quem me procura no consultório.

Se o doente não foi influenciado por este tipo de cultura alimentar, mas adota esta escolha com frequência, pode-se perceber que parte do seu metabolismo, precisa de aumentar a temperatura do corpo, tonificando a energia do rim ou do baço e pâncreas, onde transformamos os alimentos.  Uma espécie de abraço sentido onde o calor conforta e o cheiro acalenta ou liberta!

Do ponto de vista emocional, o pâncreas é afetado pelo excesso de trabalho e por demasiada atividade intelectual. Estas desarmonias podem levar-nos a ter propensão para diabetes e obesidade, quando envelhecemos.

Afrodite a Deusa do Amor, considerada a mulher mais bela do mundo, encantava o seu amado com os poderes exercidos através dos temperos da comida… Com a ajuda das especiarias ou plantas afrodisíacas subtis, o amor, tem um auxiliar discreto e de longo prazo.

O mesmo acontece com a organização dos nossos processos gastrointestinais, emocionais e cognitivos.

Uma erva (planta) que vai ao nosso prato, antes de ser colhida é um ser dotado de vida própria. Vai além da utilidade doméstica. Ela trata do corpo devido ás suas propriedades fitoterápicas, estimula os sentidos e atua na prevenção e no equilíbrio da saúde alimentar. A maior parte das ervas aromáticas tem ação nutracêutica.

É chegado agora o momento de explicar a ação deste poderoso “Caril”, afinal o ser humano vive na constante descoberta pelo elixir da vida;

  • Canela; termogênica e cardiotônica
  • Gengibre; digestivo, analgésico e anticoagulante
  • Noz moscada; antioxidante, antimicrobiana e digestiva
  • Cardamomo; analgésica, antisséptica e purgativa.
  • Sementes de coentros; antioxidante, anti-inflamatório, hipotensor
  • Sementes de mostarda; cardiotônica e protetora do sistema respiratório
  • Anis; anti-flatulência, expetorante, antiespasmódica, diurética e fungicida
  • Louro; digestivo, adstringente e diurético.
  • Cravinho; relaxante muscular e analgésico, anti-histamínico
  • Malagueta em pó; acelera o metabolismo e reforça a imunidade inata
  • Funcho; vermífugo, diurético, carminativo e expectorante
  • Açafrão; anticancerígena e antitrombótica
  • Pimenta preta; estimulação cognitiva e aumento da serotonina.

Em Portugal, o médico e cientista Garcia da Orta, foi o primeiro a mostrar que a Medicina Científica e a Fitoterapia podiam conviver e atuar no tratamento de doentes.

Em 1563, Orta publica, em Goa a sua obra, “Colóquios dos Simples e Drogas e Cousas da Índia”, traduzida para latim, pelo botânico Charles de L’ Écluse, onde Luís Vaz de Camões, inclui a título de presente pelo feito, um poema.

ORTA «Cantado por Camões»

Favorecei a antiga

Ciência que já Aquiles estimou;

Olhai que vos obriga,

Verdes que em vosso tempo se mostrou

O fruto daquela Orta onde florescem

Plantas novas, que os doutos não conhecem…

… E vede carregado

De anos, letras, e longa experiência,

Um Velho que ensinado

Das gangéticas Musas na ciência

Podalíria subtil, e arte silvestre,

Vence o velho Quíron de Aquiles mestre.

O qual está pedindo

Vosso favor e ajuda ao grão volume,

Dará na Medicina um novo lume,

E descobrindo irá segredos certos

A todos os antigos

O ALIMENTO DA IMUNIDADE INATA – PÓS QUARENTENA COVID-19

15/06/2020 às 20h30

Atualmente fala-se cada vez mais sobre medidas de saúde preventiva e são muitas, as informações disponíveis onde podemos ler, que os fatores ambientais (epigenética) afetam a fisiologia, a biofísica e a bioquímica do corpo humano, modificando a sua capacidade de recuperação energética (microbiologia e imunidade).

Esse tipo de desarmonia conduz-nos a uma debilidade que permite a entrada oportunista de fungos, bactérias e vírus, originando todo um ambiente inflamatório que nos leva à perda do bem-estar geral e nos conduz ao estado de doença.

Entender isto, permite-nos caminhar para uma atuação coletiva e social de responsabilidade sustentável pela nossa qualidade de vida, bem-estar e preservação do ambiente.

Após a quarentena que o mundo atravessou devido ao Vírus Covid-19, estamos todos em fase de alerta e mais conscientes de que precisamos proteger as vias respiratórias e todo o nosso metabolismo imunológico contra a possibilidade de contrair o vírus.

Grande parte da população mundial, já tem acesso à informação de que o alimento é o melhor agente de prevenção em saúde. Somos o que comemos e como vivemos, dizem os vários artigos dos especialistas em saúde pública.

Mas antes de prosseguir para a informação sobre a abordagem nutricional e mais natural é importante que vos possa explicar esta realidade através de três estudos realizados num contexto de avaliação de imunidade respiratória (pneumologia).

Os estudos referenciados abaixo na bibliografia de suporte e que foram realizados em ambientes diferentes e períodos distintos são;

  • O Papel da Dieta na Prevenção Primária e Secundária de Alergias, Asma e Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica, Imperiall College London, Dra. Vanessa Garcia Larsen;
  • Clínica Geral, Prevenção das Doenças Alérgicas em Saúde Perinatal, UC de Lisboa, Dra. Ana Rita Cunha.
  • Doenças do Interstício Pulmonar, do Fenótipo ao Genótipo, Faculdade de Medicina da U. Porto, Dr. António Morais.

Permitem-nos compreender como as influências do meio ambiente (epigenéticas) modificam a forma como os genes não herdados, se expressam e mudam a nossa capacidade de resposta à imunidade biológica (inata).

O trabalho destes três autores, facilita-nos a conclusão de que, o alimento pode ser o melhor tratamento para o restauro da energia vital e como principal medida da saúde para todos nós.

Sem esquecer que deve estar sempre associado a uma mudança do estilo de vida.

Importa destacar as quantidades de nutracêuticos-alimentos que tratam, ingeridas por dia. Estas devem estar adequadas ao bom funcionamento do corpo para que na sua interação exista uma boa absorção e um bom aproveitamento pelas células.

Qual é afinal a fórmula certa para alcançar a “Imunidade Inata” e o que devemos comer?

Na verdade, o menos e o moderado são a equação do equilíbrio e deve ser tido sempre em conta, o seu perfil individual (região geográfica de nascimento e de crescimento, idade, peso, estilo de vida pessoal, profissional e social).

O primeiro passo deve ser uma abordagem feita desde o nascimento, com a opção, sempre que possível, pelo leite materno e até ao mínimo de 6 meses de idade, sem suporte de qualquer outro tipo de alimentação.

Depois desse período, é necessário criar hábitos diários de maior ingestão de; Frutas variadas (3 a 5 peças por dia), para reforço antioxidante e das vitaminas, A, C, E, B e D, legumes de folha verde escuro, para maior ingestão de minerais essenciais (2vezes por dia), fibras leguminosas (feijão, grão, ervilhas e lentilhas), fibras oleaginosas (noz, amêndoa, avelã, castanha de caju, amendoim), por restaurarem os ácidos graxos essenciais(ALA, EPA e DHA), legumes de cor laranja e roxa (abóbora, cenoura, batata doce, nabo, beterraba), por possuírem carotenoides e licopeno de proteção.

Falta aqui referir neste alicerce nutricional o célebre chocolate negro (cacau, 3 a 4 quadrados por dia), tão poderoso como nutriente simbiótico e de proteção da microbiota bucal, da pele, digestiva e intestinal, além de ser um energético de excelência, devidos ás suas propriedades em teobromina. O cacau, contribui para a saúde da mente, do coração e do pulmão.

Estas escolhas devem ser o pilar diário de manutenção alimentar que permite a todos, um bom suporte de nutrientes e de reforço alimentar eficiente, eficaz e seguro.

Só depois poderá associar ao seu prato de refeição (qualquer idade), as proteínas animais e os hidratos de carbono complexos, estes sempre em proporção menor que os enunciados anteriormente e os alimentos processados.

Evite o açúcar e o sal refinado.

Não esqueça que deve anualmente fazer uma revisão geral à sua saúde, procurando o seu médico de família e praticar diariamente atividades de lazer, de exercício físico e sobretudo de função e boas práticas respiratórias ao ar livre.

Nunca é demais lembrar que a automedicação ou ingestão de suplementos alimentares de apoio, só podem ser feitas por recomendação de um profissional de saúde qualificado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

2012, Dra. Vanessa Garcia Larsen, Professora Assistente em Nutrição Humana na Escola de Saúde Pública e Professora no Imperial College London.

O seu estudo aborda, “O Papel da Dieta na Prevenção Primária e Secundária de Alergias, Asma e Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica”.

Neste trabalho é-nos demonstrado que aos 30 anos, atingimos a nossa capacidade pulmonar máxima. A partir daí entramos em declínio, na qualidade da função do pulmão.

https://www.imperial.ac.uk/people/vgla/publications.html?limit=30&id=00516536&person=true&respub-action=search.html&page=2

2015, Dra. Ana Rita Cunha, tese de doutoramento sobre “Clínica Geral, Prevenção das Doenças Alérgicas em Saúde Perinatal”, U. Católica de Lisboa.

A Dra. Ana Rita Cunha demonstra-nos que o ambiente materno durante a gestação e depois no decorrer da primeira infância, pode determinar o desenvolvimento fisiológico, estrutural, imunológico e metabólico da criança, modificando os padrões de resposta do organismo. Estes fatores de modificação e influência epigenética, reforçam a suscetibilidade de doenças no futuro. Explica a especialista que, “O facto de as doenças alérgicas se manifestarem tendencialmente em idade precoce indicia também que o período ideal para se atuar na sua prevenção corresponde aos primeiros tempos de vida, propondo-se que a mesma se inicie com a saúde materna, antes da concepção…”

https://eg.uc.pt/bitstream/10316/31100/2/Ana%20Rita%20Cunha%20-%20TESE.pdf

2015, Dr. António Morais, tese de doutoramento, U. Porto, “As Doenças do Interstício Pulmonar, do Fenótipo ao Genótipo”, designadas igualmente por doenças pulmonares difusas (uma parte do estudo, apresenta-nos dados relativos à doença pulmonar multissistémica, designada por sarcoidose, no

3ºgrupo avaliado). O Dr. António Morais, explica na sua apresentação que; “..a sua causa mantém-se desconhecida, sendo a ocorrência da doença provavelmente devida à exposição a agente(s) do meio ambiente, ainda por isolar, por parte de um indivíduo com predisposição genética para a doença…

Embora com uma distribuição global, a sarcoidose apresenta uma incidência e uma apresentação clínica variáveis segundo diferentes raças e áreas geográficas, sendo mais prevalente nos países nórdicos e nos Afro-Americanos…e nos países da Europa Ocidental, com prevalência predominante em Mulheres entre os 20 e 40 anos.

sigarra.up.pt ›fmup›pub_geral.show_file

Paula Mouta – Diretora da USPE do Hospital St Louis de Lisboa

A DIETA ARCO-ÍRIS DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

03/06/2020 às 10h25

Ao criarmos uma dieta arco-íris estamos a regular o ciclo diário de todo o nosso sistema imunológico, emocional e intelectual.

A alimentação e todas as formas preventivas de proteção ao equilíbrio do ser humano podem ser o medicamento mais poderoso para  reduzir o risco de doenças.

Podemos através de novos comportamentos, modificar a expressão dos nossos genes e evoluirmos num caminho de sabedoria e de paz entre nós e o meio onde vivemos». Esta é a proposta de uma prática sustentável de atuação em saúde, tendo em consideração o estudo através dos fatores epigenéticos, na ‘Observação da Saúde dos Povos.

O arco íris é um  fenómeno de ilusão de ótica que surge após a queda de chuva em conjunto com os raios solares que iluminam a humidade suspensa no ar. A luz branca do sol é desviada e decompõe-se nas setes cores que compõem o seu espectro, formando as sete cores e um arco no céu.

Nos alimentos acontece algo semelhante, mas de forma diferente. A vibração da cor de cada alimento é também composta pela absorção dos raios solares e isso influencia o metabolismo humano na forma como os alimentos vão atuar no nosso estado de saúde e de bem-estar.

O cientista Gabriel Cousens, fundador da Tree of Life Foundation, no seu livro sobre a Nutrição Evolutiva defende que devemos praticar a dieta do arco-íris. Através do seu conceito, explica-nos que todos os alimentos têm um alinhamento de vibrações com os sete chacras principais e que as suas cores refletem o espectro do arco íris.

Sir Gabriel considera que a cor e a combinação da preparação dos alimentos são primeiro absorvidas visualmente, ou seja, explica-nos literalmente que primeiro “comemos com os olhos”. Desta forma assumimos          mental e fisiologicamente a vibração da cor e que, consoante a sua intensidade, nos faz alterar o estímulo das glândulas salivares.

Este efeito acontece pelas nossas reações conscientes ao sabor e aromas da comida.

Ora, se o alimento é energia na sua forma material, a sua cor é a sua assinatura e consoante a sua cor externa este pode ser relacionado com a energia específica de cada chacra.

Através deste conceito, podemos compreender que a composição de uma refeição colorida nos ajuda a equilibrar a mensagem de cura ao corpo, que limpa, constrói, reequilibra as glândulas, os órgãos           e os centros nervosos associados aos chacras.

Ao criarmos uma dieta arco-íris estamos a regular o ciclo diário de todo o nosso sistema imunológico, emocional e intelectual.

Pela manhã, deve começar por estimular os três primeiros chacras; vermelho, laranja e amarelo dourado (banana, laranja, maçã, grãos dourados, como o milho, o trigo sarraceno, as castanhas e sementes, como o gergelim, girassol e abóbora).

Ao meio dia, deve comer alimentos de estímulo do terceiro, quarto e quinto chacra;  Amarelo dourado, verde e azul (saladas e outros vegetais verdes, abacate, cenouras, melancia, maçã verde, brotos e rebentos).

No fim do dia (noite) deve estimular o         equilíbrio do quinto, sexto e sétimo chacra com os        alimentos azul índigo,  roxo e dourado (alga vermelha, beterraba, repolho roxo, berinjela, trigo, painço, aveia, sementes de abóbora,     castanhas de caju crua, sementes de gergelim e amêndoas e abacaxi ou ananás).

Este tipo de orientação alimentar permite que seja praticada por todas as pessoas, numa abordagem simples e natural, porque acompanha o ciclo circadiano das 24 horas de organização do biorritmo. A recomendação gera para uma alimentação de manutenção da saúde e vitalidade emocional deve ser composta por 60% de alimentos vivos (bioativos), 20% de alimentos germinados (biogênicos) e 20% de alimentos cozinhados bioestaticos). Um corpo bem nutrido também proporciona um indivíduo equilibrado e saudável.

Sir Gabriel Cousens explica-nos também que os nossos genes não criam propriamente a doença, ela só surge quando o nosso estilo de vida é modificado pelo tipo de alimentação errada e carente, sobrecarregada de alimentos processados (biocídicos), demasiado stress mental e físico,  e com esta chave ativamos a expressão genética do envelhecimento…

Toda a nossa vida tem o seu sistema de harmonia e vibração entre o corpo e o meio onde estamos inseridos, por isso, comer deve ser feito como um ato de amor… porque só o amor nos pode salvar!.

COVID 19, MEDIDAS QUE REDUZEM O IMPACTO DE COMPLICAÇÕES; O QUE FAZER?

23/05/2020 às 19h59

Precisamos pensar “Educar em Saúde” para uma cidadania consciente, sustentável, preventiva e ativa, através de medidas que reduzam o impacto de complicações.

Tratar e avaliar o paciente de maneira integral e personalizada, implantando ações de atenção primária em saúde, doenças respiratórias e fatores de risco.

Os vírus são vermes parasitários que não possuem organização metabólica. E, como qualquer tipo de parasitas, precisam de um organismo vivo para se desenvolverem. Na sua constituição acelular, apenas possuem DNA ou RNA, envolvido por um invólucro proteico em forma de cápsula (gordura). Evoluem, através do seu hospedeiro, por reprodução e propagação, daí serem considerados parasitas intracelulares.

Então se um vírus é um parasita, porque se torna tão difícil eliminá-lo e controlar a sua propagação?

Quando usamos o termo “Vírus”, estamos a fazer referência à forma como se dá o processo de instalação e infeção, à qual é diferente dos restantes tipos de vermes parasitários. Esta é a razão porque este tipo de invasor se torna tão perigoso para nós. Há dados científicos que classificam cerca de 3.600 espécies diferentes, que podem desenvolver-se em animais, plantas e em nós, seres humanos.

Nesta classificação já é do conhecimento público e acessível a qualquer cidadão, que as doenças viróticas registadas historicamente e que mais se propagam ao homem são: gripe, varicela, varíola, sarampo, dengue e paludismo, febre amarela, hepatite, rubéola, poliomielite, herpes simples, raiva e o HIV. Este último (HIV), é o mais recente e danoso exemplar com invólucro!

Creio que, a partir daqui, já todos os leitores serão capazes de perceber o que estamos mundialmente a enfrentar.

Se pensarmos na comparação e aproximação com o HIV temos de ficar preocupados, pois todos ainda devem lembrar-se do número de anos necessários para o vencermos e tratarmos.

Até porque a forma de transmissão do Covid-19 é mais eficiente e, por atacar rapidamente as vias respiratórias, pode causar a falência dos pulmões e de outros órgãos vitais.

Até ao momento a comunidade médica e científica não sabe como tratar e combater o nosso perigoso “verme parasitário…”

Mas, ainda assim, eu atrevo-me a dizer que sendo nós humanos dotados de inteligência, também havemos de conseguir. Mas essa é uma tarefa que pertence aos cientistas, médicos e outros profissionais de saúde. Só precisamos de estudar e a nós, cabe aprender a conviver até que esse dia chegue. É sabido que os parasitas só podem multiplicar-se com maior facilidade num corpo com imunidade debilitada.

Agora todos os cidadãos precisam de focar e concentrar os seus esforços e conhecimentos na resiliência humana, que é a tal capacidade inata de cada um em se superar perante as adversidades! Ou seja, vamos usar de todo o equilíbrio homeostático 3do corpo para nos mantermos com saúde imunológica equilibrada. Esta é a nossa responsabilidade enquanto seres comunitários de uma sociedade. Temos de reagir…precisamos de nos proteger. Isto porque, naturalmente, a nossa inteligência imunológica ao sentir-se invadida, produz anticorpos.

O que são a homeostasia e a saúde imunológica e como devemos proceder para que elas se preservem?

A partir daqui é preciso aprender a utilizar toda a capacidade deste poder. Ele poderá ser a espada da força invisível que cada um de vós pode usar. É com ela que vão conquistar a Saúde Total e o Bem-Estar Sustentável, que está nos escritos da O.M.S. sobre saúde e bem-estar. Esta é fonte da qual precisamos beber para que possamos sentir e conhecer a verdadeira “Paz”. Só assim podemos agir para nos defendermos das doenças, sejam elas quais forem.

Homeostasia, o que é?

A Homeostasia do corpo, explicada biologicamente, consiste no processo de regulação e no seu equilíbrio entre o ambiente interno e o externo. A “homeostase”, é explicada pelos fisiologistas Claude Bernard e Walter Cannon como a capacidade do organismo em regular o seu equilíbrio entre os meios fisiológico e metabólico (temperatura e pressão).

Em nós podemos identificar vários tipos diferentes: homeostasia hídrica (rins), que regula a água do corpo; homeostasia da glicose (fígado e pâncreas), regula o nível de segregação de insulina; a homeostasia térmica (pele e circulação), no controle da temperatura do corpo; homeostasia psicológica (comportamental), que equilibra o estado emocional na gestão das suas necessidades e reações ás mudanças.

Inteligência Imunológica, o que é?

O sistema imunológico ou imunitário do ser humano, é estudado pela biologia e consiste na sua capacidade em produzir defesas contra organismos infeciosos que nos possam causar doenças.

Se o corpo estiver em equilíbrio homeostático e não houverem alteração genéticas herdadas, naturalmente somos capazes de combater os vírus e outras espécies de invasores.

Na sua composição existe uma vasta rede de órgãos, tecidos e células. Estas últimas produzem os glóbulos brancos ou leucócitos, que nos servem de barreira protetora.

Esta barreira é produzida pela glândula thymus5, baço e medula óssea (órgãos linfoides), onde fabricamos os leucócitos, mas ainda contamos com o auxílio dos grupos de tecidos linfoide, constituídos pelos gânglios linfáticos que abrigam os leucócitos.

A produção leucocitária divide-se em fagócitos (células que nos protegem através da digestão) e linfócitos (células que nos permitem reconhecer os invasores para os destruirmos).

Os linfócitos que representam a nossa espada invisível, são chamados de Linfócitos- B (medula óssea), semelhantes aos militares do sistema de inteligência, aqueles que desenvolvem a estratégia de segurança. Os Linfócitos-T(thymus), são os soldados que atacam os inimigos.

Importa compreender que no ser humano se formam três tipos de imunidade

Imunidade inata: é aquela que trazemos à nascença, representa a nossa proteção geral, a qual vos referi acima, e que inclui as barreiras do corpo, (pele mucosas, garganta e sistema gastrointestinal), como primeira barreira de defesa do organismo.

Imunidade adaptável: é aquela que se desenvolve e se adapta ao longo da vida, sendo influenciada pelos fatores epigenéticos. Neste tipo de resposta imunológica do corpo, os linfócitos adaptam-se consoante o ambiente a que estamos expostos, ou através do recurso de anticorpos induzidos pelas vacinas.

Imunidade Passiva: é aquela que vem de outra fonte e permanece por pouco tempo. Um exemplo natural é o leite materno, durante o período desde o nascimento até às primeiras papas. Os anticorpos a que a mãe está exposta, são assimilados também pela criança. Isso protegenos durante a infância (fatores epigenéticos).

Mas sendo nós seres únicos, somos diferentes em cada sistema imunológico, mesmo quando se tratam de gémeos univitelinos.

Quando alcançamos os 70 anos de idade, a produção dos linfócitos T, reduz drasticamente porque a glândula thymus deixa de ser capaz de se regenerar.

A não ser que, durante a vida adulta, tenhamos tido um comportamento de vida equilibrado e saudável. E aqui que precisamos de ajudar o corpo a criar imunidade adaptável (vacinação, suplementação e alimentação nutracêutica7, ou outras formas profiláticas de reforço).

Influência Epigenética Mundial

A influência mundial registada pela propagação do Coronavírus Covid -198, tem desencadeado no planeta e nas populações, alterações epigenéticas significativas com efeitos marcantes por diversos anos.

Mas até neste raciocínio existe o lado positivo e o negativo.

O Positivo é que todo o planeta está favorecido, porque sendo nós o seu agressor principal, ele usou o vírus como um militar de estratégia e colocou-nos em casa. Parou as empresas, eliminou parte da poluição e com isso respira melhor.

A exemplo disso, podemos ver várias imagens que nos mostram os animais a circularem livremente, recuperando o seu habitat, com iguais benefícios para algumas espécies marinhas.

A vegetação está mais exuberante e o ar mais limpo, o buraco da camada de ozono está menor e podemos, através de imagens do espaço, ver que o nosso planeta está feliz.

O Negativo: representa todo o estrago causado à saúde daqueles que contraíram o vírus, as mortes em grande número e em pouco tempo, o trabalho até à exaustão dos profissionais de saúde e outros que garantem os serviços mínimos. As empresas que tiveram de parar e todo o impacto económico, emocional e social causado por todas estas transformações.

Vamos levar muito tempo a reerguer-nos, mas é caso para refletirmos e perguntar, há quanto tempo o planeta está em estado de alerta climático?

Mas agora, acima de tudo importa acautelar a qualidade imunológica das populações mundiais. E como podemos fazer isso?

A partir da compreensão simples de como nós seres humanos funcionamos e nos defendemos dos vermes parasitários, podemos criar e desenvolver hábitos de vida saudáveis, para que as nossas defesas estejam a postos entre a ajuda dos militares, estratégias do corpo e o plantão de soldados que nos defendem.

“A alimentação e todas as formas preventivas de proteção ao equilíbrio do ser humano, podem ser o medicamento mais poderoso para reduzir o risco de doenças…podemos através de novos comportamentos, modificar a expressão dos nossos genes (fenótipo) e evoluirmos num caminho de sabedoria entre nós e o meio onde vivemos”!

Esta é a proposta de uma prática sustentável de atuação em saúde, tendo em consideração o estudo através dos Fatores Epigenéticos9, na “Observação da Saúde dos Povos”.

O nosso sistema vivo só pode ser saudável se não acumularmos toxinas. Para que isso se torne possível, precisamos de praticar um comportamento de vida focado no respeito do nosso Relógio Biológico. Este é o software de antivírus mais eficaz e já explicado cientificamente pelos vencedores do prémio Nobel da Medicina em 2017.

Com 7 passos básicos podemos promover em cada um de nós essa mudança tão importante neste momento:

Hidratação: Não se esqueça de que precisa de fazer todos os dias um bom consumo de água, pois a hidratação é fundamental para preservar a sua homeostasia. Somos constituídos por cerca de 70% de estado líquido. Imagine se o oceano do seu corpo seca?

Alimentação Saudável: Existem muitos estudos científicos que nos mostram a importância de uma alimentação rica em antioxidantes12. Alguns destes alimentos possuem propriedades protetoras como antioxidantes, Vit. C e Ómegas 3 ALA e Zinco.

Estas propriedades favorecem a proteção cardiovascular e o equilíbrio das funções gastrointestinais, além de aumentarem o aporte de oxigénio no sangue.

Comece por pequenas mudanças, feitas diariamente, tais como: ter hábitos de higiene alimentar, onde todas as semanas escolhe um dia de “detoxificação”, sem ingestão de proteínas animais e onde os alimentos verdes, sobretudo crucíferas, serão a base principal das suas refeições.

Respirar Ar Puro: As atividades ao ar livre, favorecem o a boa manutenção da pele, dos pulmões e de todo o aparelho Cardio respiratório.

Reforçar a Luz Solar: A Vitamina D é essencial à sua imunidade, exponha-se 30 minutos por dia ao sol. Observe os animais e siga o seu exemplo.

Exercício Físico: Uma atividade física regular, durante 1 hora por dia, favorece o equilíbrio do sistema linfático, circulatório, ósseo e intestinal e reduz o impacto do stress.

Repouso: O ciclo de sono ao fim de um período de 24 horas, é a chave de ouro que vai fechar o cofre da vida e guardar o segredo da juventude. Levantar cedo e cedo erguer é um ditado que os sábios usam há muito tempo.

Mente e Espírito São: Não representa ter de praticar qualquer tipo de religião. A crença no poder da vida, começa por respeitar o seu corpo e ser capaz de observar o universo ao seu redor. Evolua através desta prática. Desenvolva atividades de leitura, reflexão e de silêncio.

Estas ações permitem-lhe preservar a sua sanidade emocional e de comunhão com o Planeta que o acolhe. Após este período de contenção social e quarentena, conviva com aqueles que ama. Abrace, emocione-se, perdoe-se, dance e pratique o bem e respeite o seu semelhante.

Esta é a Paz Celular14, aquela que representa o “Graal da Vida”.

Com todos estes itens comtemplados, consulte uma vez em cada três meses um profissional de saúde preventiva, um médico ou outro especialista do seu agrado de forma a poder ter uma orientação adequada para si e para o seu biótipo.

Olhe para este conceito como a sua nova forma de viver e ser capaz de fazer um novo percurso para uma vida com cuidados de atenção primária à saúde com mais sustentabilidade.

Coloque em prática os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável do Milénio, para preservar e manter a casa que habitamos, o Planeta Terra.

O Amor não tem Fronteiras e só ele nos pode salvar!

TER SAÚDE É SER SUSTENTÁVEL

03/04/2020 às 11h04

Está cada vez mais provado pelos processos científicos que a causa do estado de doença é o tipo de alimentação que se pratica de forma desordenada, sem consciência dos efeitos adversos e mórbidos que ela irá causar na saúde e no equilíbrio do corpo vivo que somos.

O nosso sistema vivo só pode ser saudável se não acumularmos toxinas. Para que isso seja possível, precisamos de pensar em termos um comportamento alimentar e de vida de forma a construirmos um caminho novo.

Todas as substâncias tóxicas que nos adoecem formam-se no intestino, o nosso segundo cérebro, devido aos seres microbianos que nele existem e onde se multiplicam, sustentando-se pelas matérias azotadas e pelas proteínas animais.

Como nenhum processo do nosso metabolismo se faz de forma isolada, o fígado, que é fisiologicamente o mais completo de todos os órgãos, tem numerosas funções, sendo a “função antitóxica” a mais importante de todas. Mas até esta eliminação não é completa e o intestino, os rins e a pele expulsarão, caso se encontrem em equilíbrio, todas as restantes “morbidades” nocivas ao nosso sistema metabólico.

Desta análise, podemos entender que o nosso sistema vivo só pode ser saudável se não acumularmos toxinas. Para que isso seja possível, precisamos de pensar em termos um comportamento alimentar e de vida de forma a construirmos um caminho novo, onde ser saudável deve ser considerado como ter “saúde sustentável”.

Comece por pequenas mudanças, feitas diariamente, como por exemplo: ter hábitos de higiene alimentar, onde todas as semanas escolhe um dia de “detox”, sem ingestão de proteínas animais e onde os alimentos verdes e sobretudo crucíferos serão a base principal das suas refeições.

Um estudo do “European Prospective Study Into Cancer”, realizado em 500 mil pessoas em mais de 10 países europeus, mostra-nos que os alimentos verdes reduzem e minimizam o risco de cancro. Alguns destes alimentos, como por exemplo o abacate, a couve de Bruxelas, o kiwi, as algas verdes, o feijão verde (vagem) e os espinafres, possuem propriedades protetoras como antioxidantes, Vit C, Ómegas 3 Ala. Estas propriedades favorecem a proteção cardiovascular, a função intestinal e estimulam a função cognitiva porque aumentam o aporte de oxigénio no sangue.

Nos outros 4 dias da sua semana, comece por considerar o consumo de mais alimentos funcionais em cada refeição. Por exemplo, batata doce, cogumelos, frutos de baga, tomate, cebola, alhos, mel de qualidade, canela e maçãs.

Ao fim de semana permita-se ser feliz e deixe o seu corpo ir ao sabor das suas necessidades. Precisa de aprender a escutar os avisos e as suas carências, pois estas mostram-lhe os caminhos a fazer. Não se esqueça de que precisa de fazer todos os dias um bom consumo de água, pois a hidratação é fundamental para preservar a sua homeostasia.

Consulte 1 vez a cada 3 meses um profissional de nutrição funcional, de forma a poder ter uma orientação adequada para si e para o seu biótipo. Olhe para este conceito como a sua nova forma de saber viver e ser capaz de fazer um novo percurso para uma vida mais saudável e mais sustentável.

Observe os objetivos do milénio que a ONU tem disponível e faça a sua parte, começando por si e ao seu redor.

REDUZIR O IMPACTO DE UM VÍRUS

16/03/2020 às 09h36

O Estudo da Epigenética, deu-nos a conhecer que a “predisposição genética” pode ser alterada através de novos mecanismos de influência alimentar e de hábitos de vida.

O nosso DNA, é composto por genoma herdado, o qual representa apenas 2% dos genes e a epigenética os restantes 98% do nosso fenótipo.

O “Epigenoma” é sensível e moldável ao nosso ambiente.

(Manel Esteller, Espanha, Michel Meaney, Canadá 2005, Gonzalez Peribanez Alberto, Brasil 2019).

A Epigenética funciona como uma antena universal que sintoniza o que acontece no mundo externo e comunica esses sinais ao nosso corpo, o qual gera mudanças do comportamento metabólico na expressão do DNA, causando alterações expressivas de reações fisiológicas e de adaptação aos fatores de influência climática e sócio humanitários.

A partir desta compreensão, podemos perceber que grande percentagem do estado da nossa saúde está literalmente nas nossas ações e comportamentos.

Os alimentos processados, a baixa ingestão de nutrientes, toxinas e substâncias químicas, campos eletromagnéticos e influências de frequências extremamente baixas são responsáveis por uma quebra nas funções naturais do corpo no dia a dia.

Atualmente todo o planeta foi invadido pelo ataque de um vírus avassalador, o COVID 19, que tem dizimado uma boa parte da população acima dos 65 anos, maioritariamente masculina e, com patologias diversas, que afetam a sua resistência imunológica.

Todos os especialistas de saúde, sabem que a fisiologia humana tem comportamentos de adaptação e de proteção perante os agressores externos. Sempre que fazemos uma ferida em qualquer parte do corpo, este regenera-se em pouco tempo e cicatriza.

Isto significa que de forma inteligente, o corpo humano está adaptado para resistir aos ataques de vírus, bactérias, fungos, parasitas e outros bolores e mofos.

De entre esta lista de invasores cada um de nós, consoante, idade, hábitos alimentares e de higiene estamos aptos a ter capacidade de resposta autoimune, por vezes demorada, mas se estimulados, somos capazes de nos defender e recuperar.

Quando nascemos, vimos munidos de defesas e assimilamos através do leite materno, os fatores de transferência que este nos transmite através do colostro. Esta proteção faz com que, a nossa Glândula Thyimus, seja capaz de produzir Linfócitos- T, resistentes e em quantidade suficiente para que possamos crescer e evoluir sem doenças.

Ao longo da idade adulta, esta tarefa da Glândula Thymus, vai modificando o seu árduo trabalho de antivírus de plantão.

Sempre que sofremos ataques diversos, quer do foro emocional, ou com stress, ansiedade, depressão, tristeza, medo, estamos a retrair o Thymus e este reduz a produção dos Linfócitos – T.

Se o nosso corpo estiver emocionalmente equilibrado, descansado, feliz e nutricionalmente reforçado, a glândula expande-se e aumenta a produção do controle imunitário.

Como podemos reduzir o impacto tão agressivo do Coronavírus?

Sabendo que a forma mais eficaz de manutenção da saúde, começa pelos hábitos alimentares, é a partir destes que temos de criar os reforços adequados para combater estados virais.

O corpo possui sistemas que são projetados para expelir o lixo acumulado e reduzir a oxidação e acidificação.

Coma alimentos que auxiliem à desintoxicação, porque podem apoiar os sistemas que realizam esta função e garantem que estes não fiquem sobrecarregados, precisa de todos os dias ingerir nutrientes de apoio, como a;

  • Beterraba, Batata doce, Limão, Vegetais de Folhas Verdes, Maçã, Alho, Cebola Nozes e Sementes e Probióticos.

Para manter a resistência fortalecida o seu sistema exige a ingestão de nutrientes de forma global e equilibrada para apoiá-lo e manter todos os aspetos da defesa e combater os estados virais, por isso coma duas a três vezes ao dia;

  • Alho, Gengibre, Ananás ou abacaxi, Sabugueiro, Óleo de Côco, Cebola, Sementes de Abóbora e Brócolis.

Um probiótico natural ajudará na quebra e absorção de nutrientes do alimento que   ingere, garantindo que as necessidades nutricionais diárias do corpo sejam supridas.

O próximo passo é garantir a qualidade da água para apoiar as suas necessidades de hidratação, remoção de resíduos e comunicação celular. Certifique-se que tenha uma fonte regular de água potável de boa qualidade e beba de 1,5 -2 litros/dia.

Se achar difícil adicionar os alimentos sugeridos na sua dieta, então poderá optar por complementar com suplementos nutricionais. A suplementação não é um substituto de uma dieta equilibrada e saudável, mas pode ser uma maneira de ajudar a aumentar a ingestão de nutrientes específicos (ou grupos de nutrientes).

A SAÚDE E A BELEZA COMEÇAM À MESA

23/02/2020 às 10h49

Esta é a melhor definição daquilo que podemos considerar o caminho para se viver a plenitude de um comportamento de verdadeira sustentabilidade, na saúde e em sociedade.

Uma alimentação adequada é a condição necessária para se ter um património genético, cultural e socioeconómico mais evoluído.

Este conceito precisa de ser considerado desde o ensino básico e chegar a cada núcleo familiar. O alimento pode ser a sua melhor forma de tratamento e está sempre ligado ao prazer individual e ao convívio familiar e social.

Vários artigos sobre antropologia alimentar, mostram-nos que o alimento está sempre associado à celebração em atos culturais, religiosos e até em negociações políticas pela Paz, ao longo dos marcos históricos.

Por exemplo, nos registos históricos o cacau tem desde há 4000 mil anos o papel de alimento dos reis. É consumido até aos dias atuais como um alimento rico em nutrientes e aceite por todas as religiões e sociedades ao longo dos tempos.

Considero que uma das melhores formas de preservar a nossa juventude metabólica e a vitalidade física, é comer três quadrados de chocolate negro por dia, após as principais refeições.

O cacau atua como antioxidante, energético, estimula as endorfinas de prazer e reduz o colesterol. Melhora a elasticidade da pele e preserva a saúde das enzimas gastrointestinais.

Atualmente estamos todos mais atentos á preservação do planeta e à forma como gerimos a nossa qualidade de vida. Por isso eu afirmo que ter saúde com sustentabilidade, significa fazer um caminho de respeito pelo nosso corpo e pela nossa vida.

A palavra Sustentável, deriva do latim “Sustentare”, que significa; defender, apoiara, cuidar e conservar.

Esta forma de abordar a saúde, abre o caminho para uma nova realidade, o alimento e todas as formas preventivas de proteção ao equilíbrio do ser humano, podem ser o “medicamento” mais poderoso para reduzir o risco de doenças.

Ser saudável, é estar em paz com as nossas células, o nosso corpo e com o meio ambiente. Ao pensarmos e agirmos desta forma, torna-se fácil conjugar a beleza interior com o bem-estar exterior que emana de um corpo em perfeita harmonia com a vida e com a natureza.

Obs: A autora escreve pelo acordo ortográfico Lusitano.