Revista Statto

NESSA TERRA, A GENTE PECA SIM

29/07/2020 às 13h42

Vivemos em guerra com nosso próprio coração.

Nem a amizade mais sincera te livra da solidão, pois, é cercado de paranoias que testam tua consciência. Você liga a televisão, lê os jornais sai para se distrair em festas, descansar em parques…. Nessa terra nenhum lugar te tranquilizará, só te satisfará por alguns instantes.

A gente insiste em provocar o julgamento ao mesmo instante em que somos julgados, provocamos as desavenças por pequenos sentimentos desacreditados. Alguém tem poder sobre algo maior? Não, ninguém tem, muitas vezes nem pela própria voz.

Nessa terra somos marinheiros sem oceanos, distantes embarcamos uns nos outros afogados em nós.

Você pode viver 50, 60, 100 anos, nessa terra ninguém terá piedade por tua mente não permitir livrar de teus próprios medos, ninguém te idolatrará só por quem quer ser.

Nessa terra vive bem quem entende que o presente maior não está aonde começou nossa história, mas quando ganhamos a caderneta para sermos os roteiristas dela o que adotamos para nós?

Nessa terra ninguém tem a obrigação de nada, mas, há um dever a cumprir, talvez o mais difícil. Conhecer-se a si mesmo!

QUANDO VI CONQUISTEI O MUNDO

17/07/2020 às 10h14

Quando vi conquistei me

Quando vi já tinha desvencilhado de tudo

Tudo que não me fazia sentir

Removi do peito as palavras de ódio

Gritei aos quatro ventos as palavras que somam

Somam a algo que não compreendo

Sendo pequeno ser humano

Egoísta, hostil impermanente

Me torno

Não de todo

Nem do nada

Do outro

E de todo sentido

Que me une

Não me divide

Ao que sou não quando ando bem vestido

Quando despido

Vivo.

DESSA CHUVA

07/07/2020 às 17h40

Quando chover quero estar preparada

Com olhos e mãos secas

De tanto procurar meu farol

A chuva que chega me leva

Refaz

Os deuses que de outro mundo choram as lágrimas

As lágrimas que vêm dos poetas

Descem sobre o céu

E assinalam no meu peito calmaria

Assim, acidentalmente escrevo

Sobre a chuva que da janela caída

Escorre pelas beiradas

Desdobra meu ventre

Como se quisesse dar à luz

Ao novo dia

Dentro de mim derrama

Escorre

Deita e esfria o que queima

Acalma

O que incendeia

Apaga

Assim, tenho um coração inteiro

A paz das nuvens e um novo recomeço

Feito de sombra

Feito de luz

E das gotas de horas

Que um dia foram

Poetas sólidos

procurando o amor

Chove, derrama

E quando parar algo modifica

A semente germina.

VOCÊ É REAL?

25/06/2020 às 21h15

VOCÊ tem que ter uma roupa bonita, um rosto bonito ou têm que falar aquilo que os outros falam?

PORQUE se não nunca vai ser amado.

FAZ uma paleta de cor decente, posta uma foto da tua vida maravilhosa de como está contente.

Porque se não nunca vai ser notado!!

MOSTRA VAI! PROVA no teu Twitter como foi teu dia.

Mostra como você têm amizades virtuais maravilhosas e como você se importa com os outros …

OSTENTA. da liberdade vai, cospe toda a hipocrisia do teu mundo real.

AH, eu sou Indie, agora eu sou pop, agora sou hippie….

Tenho que ser alguma coisa …

VOCÊ É REAL? ou é cópia de tudo aquilo que dizem que é?

O que você é real ou uma mera reprodução da vida superficial?

UNIVERSO VIL

16/06/2020 às 15h19

Dentre meus dedos

E as palavras que se fecham

Diante a indecisão das coisas e a colisão dos passos.

Quando digo

Que mudei o endereço

Ou digo que mudei meu jeito

Não amarguei meu coração

Ao contrário compreendi meus passos

Entendo que na escuridão não há passos

Na sombra da laranjeira eu descanso

Até mesmo quando corroído pela luz ardente do sol eu me desloco

Vou limpando meus trajes superficiais

E tornando-se

Quem sou

A vida.

A vida que tenho dentro de mim

Não tem conceito

Nem senso

Nem trajeto

Ela não molda.

Ela existe.

Existe tanto que

Não sou

Eu vejo me tornar

Fonte

Que reluz

Entre as paredes

Espalhando ao redor de mim.

Do universo um frasco.

VOCÊ ESCUTA ENQUANTO EU EMUDEÇO

10/06/2020 às 08h29

Já ouvi falar de mantras, de carmas, já tentei dogmas e cartas que me mostrassem o caminho no vazio do infinito.

Procurei aos quatro cantos do mundo endereço e adereços, referências e linguagens de fala que mostrassem meu o valor de cada instante do meu ser

Procurei tudo, procurei luz no infinito de outros olhos, procurei luz

Duvidei do que sou.

Acordo, assim com meus olhos brilhantes estridentes comovendo diante a reflexão.

Procurei em tudo em todos.

Culpei tudo e todos e a luz estava ali naquele quarto junto as paredes a solidão.

Por acaso, ou fato.

Acordei deitado de meus pensamentos atordoados para então ouvir meu coração.

Procurei a luz em todos os cantos do mundo

A encontrei

Perdido

Em um pedido

Dentro de mim.

E AGORA?

02/06/2020 às 11h59

 

Da janela eu vejo o dia passar o canto dos pássaros nos carros que passam com uma energia dispersadora de solidão.

Nos cantos, nas paredes nos jornais as notícias que não falham que falam do mundo real.

Nas noites que acordo nos dias que me desperto depreendendo-me do vazio ou na multidão que cega os olhos diante a disputa por poder.

Avassalador as palavras que não falam, só repetem.

Os dias que não mudam só descrevem a dor e escrevo não para que a multidão escute, não para que uma lágrima derrame antes do entardecer. Escrevo para que as janelas que se abrem, não se assustem. Para que olhos que nascem para a realidade não temam.

Que o poeta renasça sobre a luz das sombras, o artista floresça de suas raízes a essência prevaleça além da aparência e rasgue toda alma tatuada de resquícios cruéis de realidade.

A EXISTÊNCIA mórbida do sangue que escorre nas escamas de um coração ferido de realidade move e distingue uma sociedade que crê mais no desamor no que na cor dos olhos de outrora.

Da janela aqui onde estou ainda quase que descansando minhas vistas observo. Você vê o mundo ou finge que vê

Adormeço aqui mesmo enquanto descanso ainda lembro que estive tanto tempo comigo que não sei nem mais o que o outro sente.