Revista Statto

TUDO VEM DE DENTRO

24/11/2020 às 18h53

Impressiona observar a humanidade sedenta por estímulos externos, achando sempre que seu bem-estar ou sucesso está em oportunidades que as outras pessoas podem lhe propiciar.  O grau de dependência das coisas que estão fora de cada um é um relevante fator negativo que aprisiona cada vez mais a humanidade.

A própria lei da natureza mostra que todas as coisas que dão vida, sempre estão no interior de cada essência no contexto vida.  A pérola está dentro da ostra, as sementes estão dentro da terra ou dentro dos frutos, o ser humano nasce dentro do útero, a fé que nos impulsiona está dentro de nossas crenças, nossos desejos estão dentro de nossa alma, nossa inteligência vige do interior de nossas construções mentais, o reino de Deus está dentro de cada um, nossas reações estão internamente habitadas no condomínio de nossos valores, nossas conquistas já existem e estão dentro do nosso “eu”, nosso amor não está fora de nossa essência , ele está dentro de nossas emoções que compões nossa essência, nosso orbe terrestre não está fora da galáxia, está contido no universo, cada animal, está dentro de seu habitat, todas as intensões estão dentro de nossas mentes, então porque buscar fora o que desejamos ?  É de dentro para fora que as realizações ganham forças motivadas pelas energias oriundas do poder interior de cada pessoa.  Quantas vezes retardamos nossa trajetória de sucesso por influência de crenças limitantes ou por não acreditarmos que somos capazes.  Cada um tem o tamanho de seus sonhos, a capacidade que acredita e o desejo que nutri em sua alma.

Tudo no universo conspira para nossas realizações, mais que uma afirmação aparentemente de motivação mediana, essa é uma comprovação científica, não só comprovada pela ciência clássica, mas por todas as correntes de estudos científicos como, física clássica, meta física, física quântica e tantas outras que foram divulgadas por gênios.

Quando Jesus falou que o reino estava próximo, ele não se referiu ao tempo, mas ao espaço, a proximidade era o interior de cada um, pois todos nós temos uma matriz que nos liga a poderes transformadores onde por falta de conhecimento chamamos de paranormalidade, o que na realidade não passa de naturalidade, é de nossa natureza essa energia, é só observar as pessoas parcialmente realizadas onde nitidamente constatamos que elas possuem objetivos definidos, um desejo acima da média, uma inquietação singular, um olhar arguto, uma motivação sempre acesa e uma atenção atroz.

Tudo vem de dentro, esse é não um segredo, mas uma revelação milenar que a humanidade insiste em não dar crédito.  Acredito que em um determinado momento o despertar para esse poder que cada um possui, ganhará um sentido mais amplo para ser explorado com vida plena em um mundo com mais amor, sabedoria e conhecimento.

A CONSCIÊNCIA DO HOJE DETERMINARÁ NOSSO AMANHÃ

08/11/2020 às 11h03

Aparenta inacreditável, porém em dias atuais existe uma grande parte da população que leva a vida em ritmo de turismo, ou sob os deleites do conformismo absoluto, também existem os que tornam a vida amarga e fatídica, ainda aqueles que revoltados por só ver coisas negativas em suas cercanias, outros investem todo o seu tempo na busca incessante pelo dinheiro e poder, mas finalmente onde estão aqueles que dignificam sua existência através da construção de um mundo melhor?  Onde estão os justos?  Os prudentes?  Os bem feitores da vigilância e conservação dos verdadeiros valores parecem cada dia em menor quantidade.

Parece desanimador, mas chegamos a dura realidade de uma humanidade desumana, apartada do senso coletivo, sem a menor preocupação se seus atos prejudicam alguém causando danos ao meio.  Isso se deve a falta do autoconhecimento, nunca o fundamento socrático “Conhece-te a ti mesmo” esteve tão afastado da consciência humana, pois um dos maiores desafios de cada ser humano em dias atuais é achar o endereço de seu próprio “Eu”, assim como seu papel no contexto vida.

O ser humano está se perdendo em meio a incontáveis questionamentos sobre si mesmo.  Dúvidas, incertezas, desconhecimentos, medo, revolta, decepções e tantos outros infortúnios que perturbam a psique onde através da psicossomática atinge e danifica a matéria orgânica, o que justifica tantas novas patologias surgidas nos últimos anos, pânico, TOC, depressão e tantas outras síndromes e transtornos.  Nesse contexto se firma o avassalador crescimento dos números estatísticos em casos de suicídio e violência de forma geral.

Atualmente estamos vivenciando um momento de pandemia mundial e o que deveria ser um oportuno ponto de reflexão, está sendo menosprezado e banalizado por boa parte da população a pesar das quase 1.260.000 mortes.

Não existe metodologia sistêmica para reversão do cenário atual, pois para o bom senso existe miríades de formas aplicáveis na construção do bem, se estamos vivenciando tantas situações caóticas é porque para cada motivo houve uma semente que um dia no passado foi plantada e por isso estamos colhendo os frutos de nossas próprias escolhas.

A consciência de si mesmo é um exercício que nos leva a entender nosso papel diante do atual cenário, afinal estarmos aqui pressupõe uma razão, pois nada é por acaso, logo o acaso nada produz nem propicia, é de natureza estéreo.

Uma vez consciente de nossa essência, natureza e papel a desempenhar, é chagado o momento de assumir o protagonismo de nossa história na construção das virtudes, onde naturalmente o meio será influenciado sofrendo transformações benéficas em uma propagação imensurável criando em seu mundo uma psicosfera mais leve e imune aos infortúnios da psique, nisso consiste a máxima que diz: “Faça você o mundo que você deseja”, só assim poderemos deixar esse mundo melhor que quando aqui chegamos.

O LEGADO

24/10/2020 às 10h21

Questionamentos que valem a pena nos defrontarmos.

Seu nome será lembrado por muito ou pouco tempo após o encerramento de sua vida na atual existência?

Como você será lembrado após sua volta a vida espiritual?

O que você deixará de marcante e ensinamento para seus familiares quando partir para vida espiritual?

Se você partisse hoje para a espiritualidade, algum trabalho ficaria incompleto?

Quanto tempo você ainda precisa para terminar a construção e conclusão de seus objetivos?

Se você tivesse o hoje como último dia de sua existência humana, qual o seu maior desejo?

De que você se arrependeria de não ter feito caso fosse sua última hora nessa existência?

Até hoje qual foi sua prioridade?  Trabalho, família ou projeção pessoal?

Qual a motivação de ter chegado até o dia de hoje?  Qualitativa ou quantitativa? Ou seja, você tem dado mais atenção ao ser ou ter?

Se tivesse a chance de fazer seu último pedido antes de partir dessa existência, qual seria esse pedido?

São perguntas de efeito reflexivo que remetem o pensamento a pontos que dificilmente abordamos quando estamos em dias com a saúde, em situações de bonança ou em paz com nosso sucesso pessoal, daí nasce o fundamento da máxima que cita; “A dor é o melhor remédio”.

Nada traduz melhor a essência de uma pessoa que suas atitudes, sejam elas exemplares ou desastrosas esse é a construção do que deixaremos como legado, ou o exemplo a ser seguido, ou o ensinamento do que não se deve seguir.

Muitas pessoas levam a vida sem se importar na influência de suas atitudes.  Pequenos gestos desencadeiam grandes transformações, influenciando outros comportamentos em pessoas que de alguma forma absorvem energias que moldam e determinam novas atitudes.  Quando se trata de influências edificantes e benfeitoras a propagação é bálsamo para o meio, enquanto na versão contrária a proliferação tende a ir mais longe influenciando mais pessoas, isso em função da natureza humana que tende a potencializar o culto a situações de contextos maléficos, portanto o bem que fazemos só pode ser vencido se a ele não for sistematizada para dentro do desejo de tornar melhor o ambiente junto as pessoas que estão presentes em nossa cercania através do exemplo, pois em outra máxima é mencionado um mantra que diz: “As palavras encantam, mas só os exemplos arrastam”.

Algumas pessoas passam por nossa vida de maneira efêmera e despercebida, outras passam e não deixam boas lembranças, ainda existem aquelas que marcam por um tempo e depois desaparecem, algumas conquistaram um afeto duradouro, outras um afeto pincelado apenas para fazer parte de um rabisco na tela pintada em um quadro pouco admirado.  Assim é desenhada a realidade da relação entre nós e as outras pessoas.   Mas o que dizer da forma com que elas nos veem?  Muitos dizem que não se importarem, e que não é problema seu se preocupar com o que elas pensam e acham de nós, “Sou quem eu sou, goste quem quiser”.

Sabemos que não se trata da pretensão  de agradar a todos, porém despertar uma antipatia predominante e ainda ser um influenciador de maus hábitos também está forra da proposta da abordagem do referido contexto, ou ainda menos formatar um padrão de comportamento, o bom senso é o princípio ativo de uma fórmula que se adequa a realidade de cada pessoa, afinal somos únicos em muitas coisas, porém os valores calcados no terreno da realidade pacífica, inteligente e transparente, pressupões uma sabedoria inerente a todos que se modificam ou se moldam de acordo com os valores de cada um.

Como ponto de reflexão cabe uma análise que sintetiza a razão de nossa existência: Qual o legado que irei deixar para tornar-se um mundo melhor que quando aqui cheguei?

CONSCIÊNCIA COMO URNA – O QUE VOCÊ TEM DEPOSITADO NELA?

19/10/2020 às 17h55

Em véspera de mais uma eleição, será que o cenário e clima se voltam para as mesmices de eleições anteriores? Ou como seres pensantes estamos mais reflexivos?

Há quem afirme que o voto é um ato de democracia, porém nós podemos ter todas as opções, só não, a de não votar.

Nós votamos em quem realmente acreditamos ser a melhor opção? Ou votamos em quem os partidos elegeram segundo seus interesses políticos?

Já chamou atenção de que o executivo e o legislativo são eleitos pelo voto popular, mas o judiciário não, porém os três são manchados pela corrupção, logo não é o voto popular que vai banir a sujeira do contexto político, isso porque o sistema está corrompido, sistematizado, articulado, estruturado e interligado fazendo conexões com desvios patrocinados pelos altíssimos e extorsivos impostos que pagamos.

A consciência é o templo onde prestamos contas de nossas ações, por isso vale refletir sobre o que fazer nessas eleições, diferente das eleições passadas, pois fatos relevantes que atingem nossas vidas aconteciam a cada 500 anos, hoje a cada 5 minutos algum fato nos exige mudanças seja na forma de pensar ou agir.

Adaptações a curto prazo tem sido um dos grandes desafios para nossa sobrevivência.  Muita sujeira está saindo debaixo do tapete para debaixo da luz que foi acesa, e isso demonstra que alguma evolução vem ocorrendo no sentido da moral e da ética, porém é fato que não se concerta uma nação da magnitude nas dimensões do Brasil em um curto espaço de tempo, até porque ainda vamos ver muita lama jorrar do esgoto nutrido pela corrupção.

Podemos contribuir de forma mais significativa qualificando nossa atuação por uma sociedade menos injusta, pois a maior arma de vingança contra o governo é o estudo e o esclarecimento.  Conhecimento é poder, por isso a educação é tão perseguida e massacrada pelo poder público.

Quem almeja liberdade tem que eliminar os vícios, aguçar o senso crítico, potencializar o sentimento de coletividade, melhorar os questionamentos, duvidar do óbvio, não aceitar a facilidade, ser mais seletivo na convivência e buscar experiências transformadoras na leitura e informação.

Muito cuidado, atenção e cautela com as promessas para um futuro melhor, o futuro não existe, logo é insano determina-lo, tendo como embasamento promessas recheadas de ilusões.  Como se pode desenhar um futuro onde a única certeza que temos é que tudo e todos são definitivamente provisórios, inconstantes e efêmeros?

Nunca o refletir foi tão exigido em nossas consciências, já não cabe diante das miríades de mudanças, insistir em tontos que prometem as mesmas tolices que nunca foram e jamais serão de seu interesse.  Vamos desarticular a indústria da alienação, pois o seu voto pode ser o maior sócio de dias piores.  As vezes mesmo fazendo parte de um contexto é melhor não participar da contextualização, assim como um significante rompe com seu significado, principalmente quando a realidade se traduz em falta de opção.

 

A ESCUTA COMO QUINTA ESSÊNCIA DA NECESSIDADE HUMANA

14/10/2020 às 21h25

O atual cenário da vivência humana chega a causar perplexidade quando se faz uma parada estratégica para observar o comportamento das pessoas.  Não incomum encontrar alguém falando sozinho em meio a multidão nas grandes metrópoles, a intolerância e impaciência nas escolas, no trânsito, nas reuniões, nos eventos, na família, no trabalho, nas práticas religiosas, enfim, seja qual for a situação de qualquer interação social ou mesmo quando em trato consigo mesmo, é notório e evidente um estado emocional alterado, perturbado, psicótico e desconexo com o equilíbrio funcional na relação mente e corpo.  O ser humano fala excessivamente, impõe forçosamente suas razões demarcando território no terreno de seus argumentos sob a motivação da intolerância, achismo e vaidade.  A palavra diálogo já não se traduz na prática esmagada pela disputa da voz e vez avassaladora que por consequência também destrói o verdadeiro conceito de escuta.

Parece paradoxal diálogo e escuta fora do contexto chamado convivência.  O ser humano está tão necessitado de ser ouvido que já não percebe sua agressividade na forma de se expressar, que se manifesta como mecanismo de defesa de sua psique, que traz a reboque as consequência de surgimento da síndromes como: Burnout (Esgotamento físico e mental oriundo das pressões do ambiente de trabalho), síndrome de borderline (constante atingimento de picos de estados extremos de humor), síndrome do pânico (ataques psíquicos de medos inesperados e sem razões relevantes) e tantas outras que veem surgindo criando uma demanda impulsionada pelas perturbações psíquicas que de alguma forma  se faz presente na grande maioria das pessoas.

A escuta nesse cenário pode ser contextualizada como um ansiolítico natural, tão simples quanto eficaz, porém não é percebido em função do atropelamento emocional a que está submetido os integrantes de uma sociedade neurótica.  A escuta gera sensação de acolhimento e atenção, justamente os pontos mais vulneráveis da psique humana.  A escuta quando flutuante (sem objetivo específico, sendo total e incondicional), sem julgamento ou censura, quando embasada no apoio emocional, ela promove um resgate do falante com seu ego, um encontro dele com suas razões dentro de um processo catártico (Sensação de alívio, purificação).

Fica uma reflexão: será que quando falamos que são quatro os elementos da natureza para a existência da vida (água, ar, terra e fogo), não é coerente afirmar que em dias atuais a escuta pode ser considerada a quinta essência da necessidade humana?

CIÊNCIA, RELIGIÃO E FILOSOFIA – ARGAMASSA DA EVOLUÇÃO HUMANA

02/10/2020 às 16h10

Uma tríade que forma o princípio ativo de um composto com imensurável efeito transformador capaz de transcender a percepção ótica através da matéria.

Ciência, religião e filosofia, sempre foram a combinação mor da necessidade humana no caminhar rumo a evolução existencial, cada uma exerce um papel bem definido que trabalha a condição atual frente aos desafios da vida presente, daí a máxima que valoriza o presente como o melhor momento e o agora como a ocasião ideal, já que o passado não volta e o futuro é incerto.

O ser humano conquistou avanços significativos na ciência e tecnologia, porém continua pré-histórico quanto a seu papel no contexto vida, através das atitudes e pensamentos presentes nas asperezas de caráter, onde desencadeiam guerras, destruição, opressão, ganância, vaidade, orgulho e egoísmo e etc…

Em um passado remoto ciência e religião se separaram motivados pela incoerência quanto a impossibilidade de diálogo e divergência nos propósitos voltados para um benefício coletivo, as ideias não se uniam e davam voltas nas cercanias da razão como um espiral que completa seus ciclos voltando ao mesmo ponto só que um andar mais acima, isso tudo separadamente ciência e religião.

Apartadas cada uma avançando em níveis diferentes, a necessidade de uma união surge como fator primordial dentro de um contexto que se fez indispensável somar experiências para multiplicar resultados, deixando de ser agora um crescimento para definitivamente concretizar uma evolução. Muitas são as experiências compartilhadas entre ciência e religião em busca de respostas para questões sobre a existência macro no cenário universal.

Muitas também foram as conquistas de conhecimentos que modificaram a forma de enxergar a vida, o universo, a criação e sua origem, a natureza e a relação do homem com o todo de que quase nada ainda se sabe.

A ciência avançou com o auxílio do desenvolvimento tecnológico, a religião lapidou um pouco mais sua metodologia de imposição ideológica através de uma fé mais lógica e raciocinada permitindo maior acesso ao conhecimento não apenas do alto clero mas também dos seguidores comuns, com isso uma nova e promissora perspectiva deu vez a esperança de conquistas mais expressivas, podemos observar e constatar que antes eventos considerados fenômenos, hoje se consolidam como fatos de uma natureza explicável e compreensível.

Mas a filosofia, que relação tem com a ciência e a religião?  

Ora, a religião traz ao homem o caminho para não se distanciar da fonte criadora justa e perfeita no exercício da crença concreta, lógica e racional.   A ciência por sua vez tem o papel das comprovações, justificando os fins por seus métodos, testes e experimentos, afinal ciência sem a submissão de experimentos é ficção.   Quanto a filosofia, mãe de todos os conhecimentos traz a irretocável condução do olhar mais alargado de uma compreensão mais refinada e qualitativa, desprendida das limitações inerentes ao pouco adiantar da relação entre o homem e a razão.   Não obstante a filosofia ser alvo de perseguição de alguns governos que inviabilizam o acesso de seu povo ao contato com a filosofia na vivência acadêmica, pois ela esclarece, liberta, transcende, evolui, constrói, aguça, desperta, motiva, incentiva, instrui, inspira, sugere, educa, disciplina, abre horizontes no mundo das possibilidades.

Na trajetória que conduz a humanidade ao mundo da evolução, quiçá o homem fazer da religião seu arca bolso de valores e crenças sem preconceitos e jugos, da ciência o amor pelo conhecimento e a filosofia o trono onde assenta a moral.

O DESBASTAR DA PEDRA BRUTA

25/09/2020 às 09h35

A self made man (homem feito por si mesmo) é uma estátua de um homem se esculpindo que transmite uma reflexão onde as pessoas agraciadas da bem-aventurança, possuem o sucesso dentro de si sem depender das condições externas, ou seja, é se despojando das asperezas de caráter que o homem lapida em seu próprio ser, o desbastar da pedra bruta.

Esse exercício não é tão simples, porém as dificuldades determinam o mérito pelo esforço que alicerça as colunas da disciplina e determinação (força e beleza).   É peculiar que em um determinado momento na vida a abóboda celeste da consciência cobre inexoravelmente uma evolução comportamental dos valores formatados pelas experiências acumuladas ao longo da jornada onde uma câmara de reflexão nos coloca a analisar se estamos caminhando junto com a construção dos degraus onde deveríamos estar, se nosso déficit é maior que percebemos ou se ainda podemos recuperar maturidade nos pressupostos da vontade em evoluir.   Nunca é tarde para se lançar aos influxos do desejo em ver a luz e renascer para o oriente da prosperidade, assim como os elementos da natureza, a quinta essência está na verdadeira moral onde cava-se masmorras aos vícios e erguem-se templos as virtudes, só assim se conquista degraus mais acima na escada que transcende a aparente realidade material.   É necessário está sempre de pé e a ordem para com os esforços em melhorarmos sistematicamente.

Sendo a moral um conjunto de valores edificantes que molda nossa verdadeira essência não poderia se apartar de nossa visão em relação ao outro como semelhante que integra um meio o qual é salutar também introspectar o fundamento socrático quando relembramos o conhece-te a si mesmo, pois a partir do autoconhecimento nos tornamos hábeis a estabelecer comunhão com o Grande Arquiteto do Universo, pois ninguém chega ao criador contornando o semelhante, nisso consiste a certeza de que somos capazes de reerguer nosso mundo a cada vez que pensamos antes de falar, arquitetamos nosso agir em benfeitoria espiritual,  alicerçado por uma nova forma de melhor compreender nosso papel no contexto vida, pois não apenas em uma visão planetária, mas partindo de uma imersão universal, faremos melhor cada vez que lapidarmos nossas asperezas de caráter.

Todo o universo nos penhora condições para conquistas mais expressivas que a ilusão do plano material nos induz a acreditar.   Não somos seres humanos que tem espírito, somos espíritos vivenciando uma experiência humana, portanto melhor compreendendo nossas essências e as leis naturais que nos favorece, teremos todas as compreensões para remover do estado latente nossos esforços em nos tornarmos verdadeiramente melhores a bem da ordem na eterna condição de aprendizes.

ONDE HOUVER DEMANDA PELA VIDA HUMANA, A PSICANÁLISE FARÁ ECOAR SUA VOZ DE AUXÍLIO

19/09/2020 às 13h24

A psicanálise apesar de pouco difundida e compreendida no meio social, já se apresenta com uma visibilidade bem mais expressiva em dias atuais.   O número de pessoas que despertam seus interesses em entender academicamente ou no próprio desenvolvimento como profissional da área, cresce acentuadamente, pois sua popularização é fruto de um conhecimento com valor imensurável em dias atuais onde o processo de adaptação as novas realidades exigem do ser humano uma imersão no autoconhecimento e um preparo mais qualitativo nos ambientes e pessoas que influenciam nosso comportamento.

A psicanálise partiu das análise e experiências do austríaco Sigmund Freud, neurologista radicado em Viena.   Freud trouxe para a ciência uma abordagem da psique humana estruturada de uma maneira a dar vida e forma a questões que em estado latente não despertaram até então estudiosos de sua época.

Freud afirmava que outros pensadores já haviam descoberto a psicanálise, ele apenas encontrou uma maneira lógica de estuda-la.

Com apenas aproximadamente 130 anos de existência a psicanálise ainda é pouco compreendida, até por sua formação autônoma, livre e de uma dinâmica como poucas áreas que integram o estudo da mente humana, o que faz da psicanálise uma seara com inúmeras possibilidades, descobertas e atualizações que necessariamente se faz presente no avançar desse campo fértil e promissor.

Polêmico, odiado e admirado, Freud é daqueles personagens da história que despertou controvérsias, fracassou em experiências, caiu em descrédito na comunidade científica, porém todos os estudos com base no que ele abordou, tem como início suas colocações, suas premissas, o que lhe deixa sempre como referência evidenciando seu trabalho e legado.

A psicanálise é uma área do saber que atende aos que despertam em eu “eu” a necessidade de ajuda, como dizia Freud a cura pelo amor.   Na psicanálise a dinâmica de construção de um atendimento está em investigar imergindo no inconsciente do paciente, pontos recalcados e trazer para o consciente onde será tratado.

O que abrilhanta o ofício da psicanálise é a reciprocidade de ora está paciente, ora está analista, pois todo psicanalista tem que regularmente buscar ser analisado por outro mais experiente, isso exercita pontos complexos da psique humana como, humildade, receptividade e aceitação.

A psicanálise em sua formação prepara seus futuros psicanalistas para lidar com as mais diversas patologias mentais, isso requer uma disposição incondicional de entendimento com o exercício da empatia, uma atividade humana para seres humanos, considerando como foco a pessoa e a cura como resultado de um trabalho onde na pessoa do analista ouvir e ouro e falar é prata, pois a interpretação está sempre por trás do que o inconsciente esconde, embora muita das atitudes e comportamento são reflexos das influências dos recalques fixados no inconsciente.

Na percepção e compreensão do papel da psicanálise, o analisando é o foco, por isso onde houver demanda pela vida humana, a psicanálise fará ecoar sua voz de auxílio.