Revista Statto

SOBRE DEIXAR IR

13/01/2021 às 08h25

Com quem passamos o tempo evolui ao longo de nossas vidas. Na adolescência, passamos a maior parte do tempo com nossos pais, irmãos e amigos; à medida que entramos na idade adulta, passamos mais tempo com nossos colegas de trabalho, parceiros e filhos; e em nossos últimos anos passamos cada vez mais tempo sozinhos. Mas isso não significa necessariamente que sejamos solitários; em vez disso, ajuda a revelar a natureza complexa das conexões sociais e seu impacto em nosso bem-estar.

Ao longo da vida, construímos relacionamentos pessoais com pessoas diferentes – família, amigos, colegas de trabalho, parceiros. Esses relacionamentos, que são profundamente importantes para todos nós, evoluem com o tempo. À medida que envelhecemos, construímos novos relacionamentos, enquanto outros se transformam ou desaparecem, e no final da vida muitos de nós passam muito tempo sozinhos.

Analisando todo o curso de vida: com quem realmente passamos nosso tempo?

Ao ler este artigo da www.ourworldindata.org fiquei reflexiva sobre a necessidade de deixarmos relações interpessoais que já não tem mais razão de se encerrarem e deixarmos as pessoas irem. Sei que não é fácil principalmente quando existe sentimento, mas por muitas vezes nos agarramos a situações e pessoas por medo da nossa própria companhia ou por não saber como lidar com nossas questões e as relações acabam se tornando bengalas emocionais. Ainda que desgastados, permanecemos forçando relações pois mesmo sofrendo acabamos transformando essas dinâmicas relacionais em uma zona de conforto então por que trocar o certo pelo duvidoso?

Esse texto é um convite à reflexão, você está preparado para ficar sozinho?

Fonte: https://ourworldindata.org/time-with-others-lifetime