Revista Statto

HOUVE, HÁ E HAVERÁ UM TEMPO!

12/07/2020 às 18h26

Houve um tempo em que a única correria que existia era a de uma brincadeira de criança.

A tristeza era ter que parar de brincar para ir tomar banho.

A felicidade era sentar em frente à TV e assistir ao desenho animado favorito.

Chorar era por causa de um joelho ralado.

Esconderijo era atrás de uma árvore.

O medo era dos monstros que viviam debaixo da cama.

Os sonhos eram doces mesmo sem serem realizados.

Houve um tempo não muito tempo em que jamais imaginaríamos viver o agora de agora.

Há o tempo que a correria está no dia inteiro.

A tristeza predomina com os problemas.

A felicidade já não é da alma e sim do mundo externo.

Chorar é por decepção ou tristeza profunda.

Esconderijo é ficar off-line.

O medo está nos monstros que vivem dentro de cada um.

Os sonhos são doces, mas se não realizados torna a vida amarga.

Há o tempo em que não conseguimos viver o agora.

Haverá um tempo em que…

Ficará registrado o agora do futuro, pois não há como prever a próxima fase.

Por isso, não deixe de viver a vida intensamente. Viva em essência, com sabedoria, com amor, com paz, humildade e felicidade. O resto, você vai conquistando com esforço e dedicação. Não levamos nada dessa vida, mas podemos deixar uma boa lembrança. Viva e permita-se viver!

ACEITA UM PEDAÇO?

26/06/2020 às 09h15

Um dia assisti a uma palestra em que um professor contou uma história:

“Um senhor andava pelas ruas, um será peão, um mendigo, um andarilho? E em uma certa ocasião encontrou um amigo. Esse amigo era um cachorro. E ele chamava esse cachorro de malhado, porque ele era branco com manchas pretas. Será peão não bebia, ele era um eremita que estava pelas ruas.

Alguém querendo saber mais sobre ele, vai ao seu encontro e pergunta:

– Será peão, o que é a vida para você? E o será peão respondeu:

– A vida é viver cada momento…

E nesse cada momento, a conversa continuou, e em seguida, essa pessoa faz outra pergunta:

– Será peão, por que esse cachorro é seu amigo?

O será peão respondeu:

– Um dia eu estava caminhando e encontrei esse cachorro e ele queria que eu desse alguma coisa para ele. E eu dei um pedaço de pão, ele abanou o seu rabo e daquele dia em diante nunca mais saímos perto um do outro.

E nessa conversa com essa pessoa fez outra pergunta ao será peão:

– Será peão, qual o seu desejo de vida, o que você quer?

O será peão respondeu:

– Gostaria muito de comer um cachorro-quente daquela barraquinha da esquina.

Rapidamente essa pessoa vai até a barraquinha e compra o cachorro-quente e leva para o será peão. Ao receber, será peão pega a salsicha e joga para o cachorro. A pessoa atônica vendo aquilo diz:

– Por que o senhor fez isso? O melhor pedaço do cachorro-quente você deu para o seu animal!

O será peão respondeu:

– Sim, ele merece o melhor pedaço. O meu amigo merece o melhor pedaço.

A pessoa sai da beira e vai refletindo no que acabou de ver e diz para si mesmo:

– Na realidade, devemos dar o nosso melhor pedaço para o nosso amigo.”

Com essa história, que possamos levar esta reflexão para a vida. Precisamos como educadores pensar: Qual é o melhor pedaço que estou oferecendo para os meus alunos? É aquilo que oferecemos que transformará a vida do aluno. Ofereça o melhor pedaço e você contribuirá para uma educação que transformará pessoas e essas transformarão o mundo. Se você é professor, pergunte-se: Qual é o pedaço que estou oferecendo para o meu aluno? Se você pensa em ser professor: Qual é o pedaço que vou oferecer para o meu aluno?

Ainda há esperanças. O importante é não existir da educação.

Reflexão criada baseada na história contada pelo Professor Dr. Silvio Wonsovicz – Seminário CONAEDU 2020 (Congresso Nacional de Educação).

AH, O AMOR!

02/06/2020 às 09h31

Em um dia desses qualquer, não me recordo a data, não me recordo o mês, nem o dia da semana. Só me recordo o fato mais marcante daquele simples dia. Sai para resolver algumas coisas de rotina e como a tarde estava ensolarada, resolvi sentar em um banco no jardim da minha cidade para descansar e apreciar a paisagem. Há tempos não parava para olhar para o nada.

De repente, vejo uma criança brincando no jardim. Sua mãe conversava com outra pessoa, enquanto está criança estava se divertindo. Fiquei observando a criança, mas sabe aquele momento em que você olha para algo e pensa em outra coisa. Estava assim. E do nada aquela criança começou a me encarar. Ficava me olhando, e em seguida, foi se aproximando de mim. Sentou do meu lado.

Era uma linda garotinha, com seus cinco anos de idade. Com seu cabelo loiro que nem a Cachinhos Dourados do desenho animado e seus olhos azuis, que pareciam de anjo. Sentou do meu lado e não parava de olhar para mim. Eu que tinha que ficar olhando para ela, porque ela parecia uma boneca. E falando em boneca, ela segurava uma. Sua boneca de pano estava com a roupa toda rasgada, o cabelo despenteado e toda manchada de tinta. E ela abraçava a boneca.

Do nada ela me pergunta:

– Moça, o que é o amor?

Eu fiquei olhando aquela criança atentamente por longos trinta segundos sem dizer nada. E tentando me perguntar o que eu escutei. Olhei para um lado, não havia ninguém. Olhei para o outro, não havia ninguém. E essa menina olhava para mim esperando uma resposta. Eu ficava imaginando por que tal curiosidade estava presente nos seus pensamentos. Em trinta pausados segundos me veio à cabeça definições aleatórias de toda a minha experiência do que é o amor. Eu sabia que existiam vários tipos de amores, mas qual definição explicar a uma criança para que ela entendesse? Sendo mais direta, como explicar a uma criança o que é o amor?

Naquele momento eu gostaria de pegar uma caneta e um papel e começar a escrever, assim como faço. Parece que desenhar palavras no papel é mais fácil do que tocar o coração de alguém apenas falando. Nesse caso, eu estava conversando com uma criança.

Percebendo que eu não falava nada, ela me perguntou:

– Você também não sabe o que é o amor?

Respirei fundo, não querendo decepcionar aquele pequeno ser humano com uma imaginação bem avançada para a idade, perguntei a ela:

– Bem mocinha, eu vou lhe falar o que é o amor.

Afirmei de tom confiante, como se eu entendesse tudo do amor.  E na hora, olhei para aquela boneca que ela segurava e aí encontrei a definição do amor. E perguntei:

– Mas antes me responda: Você parece gostar muito dessa boneca, não é?

Ela olhou para mim, olhou para a boneca e disse:

– Sim, ela já está com a roupa toda rasgada, com o cabelo todo despenteado e eu risquei ela com canetinha, agora não consigo mais limpá-la. Mas eu gosto muito dela. Tenho várias bonecas novas, mas eu gosto dessa. Aonde eu vou, ela vai comigo.

Ouvi aquelas palavras vindo da voz e do coração de uma criança, foi algo muito lindo, pois consegui ver a sinceridade e a simplicidade no fundo dos seus olhos.

Então completei:

– Isso que você sente pela sua boneca é amor. Sabia? Amor é a vontade que você tem de cuidar dela, não importa a roupa rasgada, o cabelo despenteado e o quanto você já a riscou. Mesmo assim, ela está com você e você está com ela.

Aquela garotinha me olhou e sorriu. O sorriso mais sorridente que eu havia visto em alguém. E ela disse:

– Agora eu sei o que é o amor. Eu nunca vou desgrudar dessa boneca, nem quando eu crescer.

Eu acrescentei:

– Nunca deixe de amá-la. Às vezes pode aparecer um risco no amor, como na sua boneca, mas se é amor de verdade, não se torna mancha nunca. Só o amor limpa qualquer rabisco.

A garotinha sorriu novamente, e saiu correndo em direção a sua mãe, que segurou sua mão e foi caminhando para fora do jardim. A garotinha ficou me olhando enquanto caminhava. E eu a observava se distanciando cada vez mais.

Naquele dia, não só defini o amor para aquela criança, como defini o que era o amor para a minha vida.

Ah, o amor!

10 MANDAMENTOS PARA A QUARENTENA

28/05/2020 às 18h11

Ore

Independente de sua religião ou crença conecte-se com seu interior e tire alguns minutos de qualquer hora do dia para aumentar a sua fé. Isso é importante para enfrentar momentos difíceis.

Você não está no BBB, mas esteja confinado.

Saia de casa em caso de extrema necessidade, principalmente se estiver no grupo de risco. Se possível, peça ajuda a alguém que não esteja no grupo de risco.

Lave as mãos sempre e higienize a maioria dos materiais que utilizar.

É importante manter uma boa higiene mesmo após a quarentena. Assim evitará outras doenças.

Hidrate seu corpo e sua mente.

Beba no mínimo 2 litros de água por dia e relaxe a sua mente ouvindo uma música que você curte ou lendo um livro que você gosta. Aproveite o tempo para sair da rotina agitada do dia-a-dia.

Alongue o corpo e a alma.

Faça alongamentos ao acordar e exercícios na frente de um espelho. Isso contribuirá para aumentar a sua autoestima.

Abrace-se.

Você não pode abraçar as pessoas que gostaria, aproveite esse tempo para dar um abraço em você mesmo e sentir a sua própria energia. Quando tudo isso passar, perceberá que os abraços dados serão mais calorosos e poderão ser mais sentidos e valorizados.

Arrume-se para assistir TV ou filme.

Esteja na sua melhor versão em casa mesmo. Arrume-se para você. Eleve sua autoestima. Mulheres façam uma maquiagem, homens aquele topete para assistir um filme ou programa que tanto gostam. Você pode apostar em sua própria produção numa segunda à noite, por exemplo.

Estude o real e o imaginário.

Estar atento às informações atuais sobre a pandemia é importante para sabermos os meios de prevenção e o que acontece em nossa região. Não podemos fechar os olhos para a realidade. Porém, acompanhe o essencial. Não passe o dia vendo apenas isso.  Assista algo, pesquise sobre coisas que acha interessante, adquira conhecimentos sobre várias áreas que sempre teve curiosidade, mas nunca teve tempo.

Seja você, mesmo virtual.

O diálogo é importante em qualquer situação. Uma boa comunicação faz a diferença. E agora, só podemos utilizar os meios virtuais. Cuidado ao expor sua opinião sobre algo, uma mensagem pode ser mal interpretada e causar um ruído na comunicação. Seja autêntico e transparente, sem ofensas ou críticas desrespeitosas ao próximo.

Use a matemática: (negativo) x (negativo) = positivo.

Vamos pensar positivo e tentar tirar algo bom de tudo o que está acontecendo. Isso facilitará daqui para frente nossas decisões. Não foque somente nas consequências. Veja o que pode ser melhorado daqui em diante.

O QUE NOS TORNA IGUAIS SÃO AS DIFERENÇAS

26/05/2020 às 09h14

Somos seres humanos, temos qualidades e defeitos. Sabemos que não somos perfeitos e que não iremos agradar a todos, pois somos diferentes.

Passamos por altos e baixos, por momentos difíceis, tristes, alegres, vivemos e vencemos os medos, as inseguranças, e cada um vai agir do seu jeito. O sentido da vida encontra-se nessas diversidades. Afinal, que graça seria se todos nós fossemos iguais? O verbo viver perderia o seu sentido quando conjugado.

Mesmo sabendo dessa teoria clichê, muitas vezes é complicado convivermos com essas diferenças. E buscamos sempre ter equilíbrio no dia-a-dia para lidar com as diferentes personalidades.

Dizemos que sabemos que somos diferentes, mas não entendemos o real significado disso e nos machucamos. Nos machucamos por não sabermos receber a opinião do outro, por interpretarmos uma situação de forma errônea, por não estarmos preparados muitas vezes para ouvir a verdade naquele momento. Isso nos faz sofrer e nos culparmos por algo desnecessário.

Mas, então você deve estar se perguntando: “Devo aceitar tudo o que o outro diz”? Não! Devemos aprender a entender o que o outro está querendo dizer naquele momento, aprender a respeitar, a ser educado ao intervir sobre a opinião alheia. Tendo esse equilíbrio conseguiremos manter a calma e o controle sobre os nossos sentimentos para tomarmos as melhores decisões.

O respeito, a educação, a paciência não deve ser apenas com o próximo, mas com nós mesmos. Respeitar o que o outro pensa, é respeitar a maneira como eu penso. Ser educado ao conversar com alguém é estar sendo educado comigo mesmo. Ter paciência ao escutar o outro e a lidar com os sentimentos dele, é ser paciente e cultivar a paz interior.

A vida nos dá um manual com todos os elementos que precisamos para viver. Esses elementos são iguais para todos. Isso não nos torna diferente de ninguém, mas a forma como cada um seguirá as instruções desse manual é que faz a diferença. Pense nisso!

O JOGO DA VIDA

01/05/2020 às 17h53

Parece clichê a frase “A vida é um jogo”, mas ela realmente é. E que jogo!

Nesse jogo da vida cada um é o protagonista que vive lutando para passar sempre para uma fase melhor, mas não existe a fase melhor ou perfeita. Todas as fases têm desafios, têm decepções, têm prêmios, você ganha imunidade e você vai somando pontos. Você só não ganha vidas, pois você tem apenas uma e deve cuidar dela, porque é única.

Os desafios de cada fase são os momentos em que se devem tomar as mais difíceis decisões da vida, são os dias ruins que nada parece estar ao seu favor, mas você luta e vai enfrentando, porque esse túnel cheio de monstros que você encontra pelo caminho tem fim, você a derrota e passa para outro nível.

Opa! Nesse nível parece que tudo está mais claro para você conseguir caminhar mais tranquilamente, e os prêmios que você encontra são os amigos que lhe fazem bem, as conquistas que você tanto almejava em conseguir, são os momentos alegres, o estar perto da família, fazer algo que gosta. Isso tudo você vai colhendo e enchendo sua vida de gratidão e mais motivação para seguir os próximos níveis e enfrentar novos monstrinhos que vierem a surgir.

E aí em diante você vai somando pontos para sua vida. E por incrível que pareça as situações mais difíceis, os níveis mais complicados de vencer, são os que valem mais pontos. Esses pontos irão servir para jogar o nível mais fácil e somar mais e mais pontos para enfrentar novamente os níveis mais difíceis.

Aproveite cada fase desse jogo! Pegue, agarre tudo o que tiver à sua frente. Seja um monstro ou um prêmio, use tudo a seu favor. Mas vá sempre com cuidado, não esqueça que você só tem uma vida, não se sabe quantos níveis existem, só a certeza que o final é game over.

VOCÊ É UM SUCESSO! ACREDITE!

26/02/2020 às 08h53

Engana-se quem pensa que o sucesso vem quando você é bem remunerado. O sucesso vem todos os dias, com uma simples conquista durante o dia, seja onde você estiver independente do que estiver fazendo.

Sucesso é você reconhecer que você fez o seu melhor com esforço e muita dedicação. É você reconhecer que você pode ir além do que já foi feito.

Cair e levantar quantas vezes for preciso? É sucesso! Só acertar depois que errou várias vezes? É sucesso! Passar em uma prova depois de várias tentativas? É sucesso! Acordar todos os dias? É sucesso! Ler algo durante cinco minutos no dia? Isso é sucesso! Cuidar da saúde física e mental? Isso é sucesso! Passar um tempo com a família? Isso é sucesso!

Conquista o sucesso quem é humilde, perseverante, quem reconhece os seus valores e principalmente os seus defeitos e usa tudo ao seu favor. O sucesso pode chegar até nós todos os dias, basta enxergarmos e vibrarmos pelas nossas conquistas. O sucesso está até nos lugares onde ninguém vê. Mas você o está praticando. E o mais importante: Não desistir jamais! Isso é sucesso!