Revista Statto

PECUÁRIA X MEIO AMBIENTE

13/11/2020 às 12h55

A Pecuária tem gerado um grande impacto ambiental, movido pelo crescente aumento do rebanho bovino mundial que a cada vez precisa de mais áreas para a sua criação, juntamente com o consumo de grãos e água.

Para se ter uma ideia na média mundial, o volume de água necessário para produzir 01 quilo de carne bovina é de 15,4 mil litros. O cálculo para chegar nesse número é complexo, pois depende de vários fatores, como local de produção, tipo de animal, fertilizantes, medicamentos, água usada na produção da ração animal dentre outros.

A pecuária extensiva é ainda a maior culpada pela derrubada da floresta amazônica. Invadem as fronteiras protegidas, colocam fogo, matando assim inúmeros animais que habitam no local, derrubam as árvores e depois transformam tudo em pastos, isso tem se tornado um ciclo vicioso, pois quando o pasto atual se degrada há necessidade de outras derrubadas para a construção de novas pastagens.

Outro grande problema tem sido a demanda por grãos como a soja, que é utilizada para alimentar o rebanho, pois o boi, assim como nós, é um ser consumidor. Os animais como as vacas que naturalmente poderiam viver 25 anos, na pecuária chegam a viver de um a três anos de vida, tendo em sua alimentação um consumo excessivo de grãos para que as mesmas alcancem o peso ideal para corte. A quantidade de energia que o consumidor primário (animais da pecuária) passará para o próximo nível “consumidor secundário” é muito baixa, se perdendo com o metabolismo do boi em sua vivência, produzindo com isso uma competição de alimentos, pois a soja também serve de alimento para nós, seres humanos, sendo que nós como consumidores secundários absorvemos apenas uma fração da energia produzida pela soja que o boi se alimentou.

Fazer escolhas é a característica que nos difere dos outros animais. E nós, como seres sencientes e racionais, sabemos que impactaremos o nosso meio com as nossas decisões. Se abster de tais “alimentos” é a escolha mais ética, pois sabemos que estaríamos preservando assim a vida de nosso meio, dos animais e também desses grãos que seriam poupados poderiam ser usados para resolver uma grande parte do problema da fome mundial.

TORTA DE MAÇÃ

12/11/2020 às 10h57

 

Massa

80 g de farinha de aveia

200 g de farinha de arroz integral

120 g de farinha de amêndoas

8 colheres (sopa) de óleo de coco

120 ml de água

Gengibre

Canela em pó

Pitada de sal

Creme

800 ml de leite de soja

800 ml de leite de coco

110 g de farinha de arroz

200 g de açúcar demerara pulverizado

Baunilha

Canela

Noz-moscada

Cobertura

5 maçãs vermelhas

2 colheres (sopa) de óleo de chia

50 ml de água

1 1/2 xícara de açúcar mascavo

Canela

Noz-moscada

Cravo

Cardamomo

Modo de preparo

Massa

1) Misture todos os ingredientes secos.

2) Acrescente o óleo de coco e a água e incorpore até que a massa fique com textura de migalhas.

3) Molde a massa em uma forma com fundo removível. Leve ao freezer por 10 minutos.

4) Cubra a massa com papel-manteiga e coloque grãos de feijão para fazer peso.

5) Leve ao forno a asse por 20 minutos a 180 ºC. Reserve.

Creme

1) Em uma panela, misture todos os ingredientes.

2) Leve ao fogo baixo e mexa delicadamente até reduzir o creme.

3) Retire do fogo e coloque na geladeira por 4 horas.

Cobertura

1) Fatie as maçãs, retirando o miolo e as sementes.

2) Misture com o óleo de chia e coloque em uma frigideira. Refogue até que as maçãs estejam macias e a água tenha evaporado.

3) Adicione o açúcar, a canela, a noz-moscada, o cravo e o cardamomo. Misture até reduzir o caldo.

Montagem

Com a massa assada, adicione o creme e finalize com o caramelo de maçã. Sirva gelada.

MITO DA PROTEÍNA ANIMAL

11/10/2020 às 18h28

Mudar hábitos alimentares nem sempre é fácil para algumas pessoas, ou por questão de falta de informações, pressão familiar, social ou enraizamento de alguns mitos seculares.

Muitos procuram ajuda de profissionais da área pretendendo encontrar informações e ajuda sobre o assunto e como proceder, onde podem se frustrar ou até mesmo não mudar seus hábitos caso não encontrem profissionais aptos, pois infelizmente alguns estacionaram no tempo e não se atualizaram. Uma sugestão para quem for procurar ajuda de profissionais é na hora do agendamento da consulta fazer perguntas se o profissional tem experiência nessa área, pois além de economizar dinheiro não precisará procurar outro. Poupará tempo e não sairá frustrado da consulta.

O fato é que o mito da necessidade de ingerir proteína animal foi derrubado há muitos anos pela ciência.

Devemos focar em uma alimentação ética e saudável, mas não somente nessa questão, pois devemos nos importar e respeitar o direito de viver dos animais.

Podemos encontrar páginas nas redes sociais de médicos veganos e aptos para atender de forma correta pessoas que procuram excluir todo tipo de “alimentos” de origem animal.

Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio“. – Hipócrates

A seguir um texto da Dra. Karla Santone (mastologista) elucidando sobre o mito da proteína animal:

Derrubando o Mito das Proteínas: Conheça os 5 mitos mais comuns.

Muitas pessoas não sabem quanto de proteína precisam ou quanto estão obtendo. As pessoas que seguem uma dieta ocidental – carregada de carne e produtos lácteos – consomem cerca de duas vezes a quantidade de proteína necessária, bem como quantidades excessivas de gordura saturada e colesterol. Enquanto aquelas em dietas à base de vegetais – ricas em feijão e verduras – consomem fontes de proteína que fornecem nutrientes benéficos que ajudam a construir, manter e reparar tecidos no corpo.

Médicos e Nutricionistas do PCRM.org derrubam cinco dos mitos mais comuns sobre a proteína:

Mito 1: Proteína tem apenas na carne.

Verdade: legumes, grãos integrais e leguminosas são excelentes fontes de proteína sem os riscos para a saúde da carne e outros produtos animais. Uma meia xícara de tofu firme contém 13 gramas de proteína e não está ligada ao diabetes. Uma xícara de lentilhas tem 16 gramas de proteína e não tem colesterol. As ervilhas partidas têm 16 gramas de proteína por xícara e são livres de colesterol. Apenas um talo de brócolis tem mais de 4 gramas de proteína e é pobre em calorias. A lista continua.

Mito 2: Você precisa de uma tonelada de proteína – e você não está obtendo.

Verdade: Se você segue a dieta ocidental tradicional- carne e produtos lácteos – você provavelmente obtém duas vezes mais proteínas que você realmente precisa e isso pode prejudicar o seu corpo. Um estudo descobriu que aqueles que consomem mais proteína animal aumentaram seu risco de diabetes em 22%. O consumo excessivo de proteínas também está associado à osteoporose, câncer, insuficiência renal e doenças cardíacas.

Alguém que pesa 70 quilos só precisa de 56 gramas de proteína por dia. A quantidade recomendada (RDA) de proteína para o adulto médio é 0,8 gramas por quilograma de peso corporal.

Mito 3: A proteína é boa; Carboidratos são ruins.

Verdade: proteínas e carboidratos fazem parte de uma dieta nutricionalmente equilibrada. Os carboidratos são a principal fonte de energia do corpo e devem ocupar a maior parte do seu prato. Grãos, frutas, legumes e feijão são considerados carboidratos. Eles também são excelentes fontes de proteína, fibra e outros nutrientes essenciais. A deficiência de carboidratos resulta em cetose, um estado onde o corpo passa a queimar gordura, à custa de efeitos colaterais, incluindo mau hálito, problemas gastrointestinais, fadiga e possível dano aos órgãos, entre outros sintomas.

Mito 4: A combinação de proteínas é uma necessidade absoluta.

Verdade: Não há necessidade de planejar refeições em torno de proteínas complementares. Em 2009, a “Academia de Nutrição e Dietética” (AND) divulgou um artigo afirmando que comer uma variedade de alimentos vegetais ao longo do dia fornece todos os aminoácidos necessários. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças concordam com a AND e desacreditam o boato de que os seres humanos precisam comer certas proteínas em conjunto para receber uma nutrição adequada.

Mito 5: Dietas ricas em proteínas ajudam a perder peso.

Verdade: As calorias são calorias, sejam de carboidratos ou proteínas. Excesso de calorias de proteína não irá magicamente se transformar em músculo. Para perder peso de forma saudável, é importante ter uma dieta equilibrada com foco em todos os nutrientes necessários. Em vez de seguir a moda das proteínas, muitas pessoas poderiam se beneficiar encontrando formas de incorporar fontes de proteína de origem vegetal em suas refeições.

Como Ter a Quantidade Certa de Proteína?

Os blocos de construção da vida

A proteína é um nutriente importante e necessário para a construção, manutenção e reparo de tecidos no corpo. Os aminoácidos, os blocos de construção da proteína, podem ser sintetizados pelo corpo ou ingeridos dos alimentos. Existem 20 aminoácidos diferentes nos alimentos que comemos, mas o nosso corpo só pode fazer 11 deles. Os nove aminoácidos essenciais, que não podem ser produzidos pelo corpo, devem ser obtidos a partir da dieta.

Uma variedade de grãos, leguminosas e vegetais pode fornecer todos os aminoácidos essenciais que nossos corpos exigem. Já se pensou que vários alimentos vegetais precisavam ser comidos juntos para alcançar todo o seu valor proteico, porém, sabemos hoje que a combinação intencional não é necessária para obter todos os aminoácidos essenciais [1]. Enquanto a dieta possuir uma variedade de grãos, leguminosas e vegetais, as necessidades de proteína serão facilmente atendidas.

Necessidades de proteína

Com a dieta ocidental tradicional, o americano médio consome o dobro da proteína que seu corpo precisa. Além disso, as principais fontes de proteína consumida tendem a ser de produtos animais, que também são ricos em gorduras e gordura saturada. A maioria das pessoas se surpreende ao saber que as necessidades de proteína são, na verdade, muito menores do que o que têm consumido. Para determinar a sua necessidade individual média, basta multiplicar seu peso por 0,8. A ingestão de proteínas recomendada (RDA) para o adulto médio é de 0,8 gramas por quilo de peso corporal. Em gramas) [2].

No entanto, mesmo este valor tem uma grande margem de segurança, e a verdadeira necessidade do corpo pode ser menor para a maioria das pessoas. Necessidades de proteínas são aumentadas para mulheres que estão grávidas ou amamentando. Além disso, as necessidades são também mais elevadas para pessoas muito ativas. Como esses grupos necessitam de calorias adicionais, as necessidades aumentadas de proteína podem ser facilmente atendidas através da maior ingestão de alimentos consumidos diariamente. Uma porção extra de leguminosas, tofu, substitutos de carne ou outras fontes de alta proteína pode ajudar a atender às necessidades que vão além da RDA atual.

Os problemas com dietas de alta proteína

Dietas ricas em proteínas para perda de peso, prevenção de doenças e desempenho atlético têm sido amplamente divulgadas nos últimos anos. No entanto, essas dietas são apoiadas por poucas pesquisas científicas. Estudos mostram que a dieta mais saudável é aquela que é rica em carboidratos, pobre em gordura e adequada em proteínas. Recomenda-se o aumento da ingestão de grãos integrais, frutas e vegetais para controle do peso e prevenção de doenças como câncer [3] e doenças cardíacas [4]. Dietas ricas em carboidratos, com baixo teor de gordura e moderadas em proteínas também são recomendadas para um desempenho atlético ótimo [5]. Ao contrario das Informações sobre as dietas da moda atualmente promovidas por alguns livros populares, uma dieta que é rica em proteínas pode realmente contribuir para a doença e outros problemas de saúde.

Osteoporose. O consumo elevado de proteína é conhecido por estimular as perdas urinárias de cálcio. Dietas baseadas em vegetais, que fornecem proteínas adequadas, podem ajudar a proteger contra a osteoporose. Alimentos ricos em cálcio incluem verduras verdes, feijão e algumas nozes e sementes, bem como sumos de frutas fortificados, cereais e leites não-lácteos.

Câncer. Embora a gordura seja a substância dietética mais frequentemente apontada para aumentar seu risco de câncer, a proteína animal também desempenha o seu papel. Especificamente, verificou-se que certas proteínas presentes na carne, peixe e aves, cozidas a altas temperaturas, especialmente grelhar e fritar, produzem compostos chamados aminas heterocíclicas. Essas substâncias têm sido associadas a vários tipos de câncer, incluindo cólon e mama [6-8].

A ingestão prolongada de longa duração de carne, particularmente carne vermelha, está associada a um aumento significativo do risco de câncer colorretal. O relatório de 2007 do Fundo Mundial para a Investigação do Câncer e do Instituto Americano de Investigação do Câncer, Alimentação, Nutrição e Prevenção do Câncer relatou que, com base nas evidências disponíveis, as dietas ricas em carne vermelha eram consideradas contribuintes para o risco de câncer colorretal. Além disso, dietas ricas em proteínas são tipicamente baixas em fibra dietética. A fibra parece ser protetora contra o câncer [3]. Uma dieta rica em grãos integrais, frutas e vegetais é importante para diminuir o risco de câncer, [3] para não mencionar a adição de mais fontes saudáveis de proteína na dieta.

Função renal comprometida. Quando as pessoas comem muita proteína, isso libera nitrogênio no sangue ou o nitrogênio é digerido e metabolizado. Isso coloca uma pressão sobre os rins, que devem expulsar os resíduos através da urina. Dietas ricas em proteínas estão associadas com a redução da função renal. Ao longo do tempo, os indivíduos que consomem quantidades muito grandes de proteína, particularmente a proteína animal, correm o risco de perda permanente da função renal. Pesquisadores de Harvard relataram que dietas ricas em proteínas estavam associadas a um declínio significativo na função renal, com base em observações em 1.624 mulheres que participaram do “Nurses ‘Health Study”. A boa notícia é que o dano foi encontrado apenas naqueles que já tinham reduzida função renal no início do estudo. A má notícia é que até um em cada quatro adultos nos Estados Unidos já pode ter reduzida a função renal, sugerindo que a maioria das pessoas que têm problemas renais não sabem disso e não percebem que dietas ricas em proteínas podem colocá-los em risco de deterioração. O efeito prejudicial ao rim foi observado apenas com a proteína animal. A proteína vegetal não teve efeito nocivo [9].

A Academia Americana de Médicos de Família observa que a alta ingestão de proteína animal é em parte responsável pela alta prevalência de cálculos renais nos Estados Unidos e outros países desenvolvidos e recomenda restrição de proteínas para a prevenção de cálculos renais recorrentes [10].

Doença cardíaca. Típicas dietas ricas em proteínas são extremamente elevadas em colesterol dietético e gordura saturada.

O efeito de tais dietas sobre os níveis de colesterol no sangue é uma questão de pesquisa contínua. No entanto, tais dietas representam riscos adicionais para o coração, incluindo o aumento do risco de problemas cardíacos imediatamente após uma refeição. Evidências indicam que as refeições ricas em gordura saturada afetam negativamente a adesão das artérias, aumentando o risco de ataques cardíacos [11]. Uma proteína adequada pode ser consumida através de uma variedade de produtos vegetais isentos de colesterol e contendo apenas pequenas quantidades de gordura.

Sabotagem da perda de peso. Muitos indivíduos veem perda de peso quase imediata como resultado de seguir uma dieta rica em proteínas. Na verdade, a perda de peso não é um resultado de consumir mais proteína, mas simplesmente por consumir menos calorias. A longo prazo, o consumo deste tipo de dieta não é prático, pois pode resultar nos problemas de saúde acima mencionados. Como com qualquer dieta temporária, o ganho de peso é frequentemente visto quando os hábitos alimentares anteriores são retomados. Para alcançar a perda de peso permanente, promovendo a saúde óptima, a melhor estratégia envolve mudanças de estilo de vida, incluindo uma dieta de baixo teor de gordura de grãos, legumes, frutas e legumes combinada com a atividade física regular.

Lista de Proteínas

Dietas ricas em proteínas são nocivas. Contudo, quantidades adequadas, mas não excessivas de proteína para manter os tecidos do corpo, incluindo o músculo, são ainda importantes e podem ser facilmente alcançadas numa dieta à base de vegetais. Embora todas as necessidades de proteínas sejam individuais, as seguintes diretrizes podem ajudá-lo a atender, mas não exceder, suas necessidades.

Procure cinco ou mais porções de grãos por dia. Isso pode incluir 1/2 xícara de cereais quentes, 30g de cereais secos, ou uma fatia de pão. Cada porção contém cerca de 3 gramas de proteína.

Coma três ou mais porções de vegetais por dia. Isso pode incluir 1 xícara de vegetais crus, 1/2 xícara de legumes cozidos ou 1/2 xícara de suco de vegetais. Cada porção contém cerca de 2 gramas de proteína, fibras

Coma 2 a 3 porções de leguminosas por dia. Isso pode incluir 1/2 xícara de feijão cozido, 100g de tofu ou tempeh, 200ml de leite de soja, e 30g de nozes. O conteúdo de proteína pode variar significativamente, particularmente com leite de soja e arroz, por isso certifique-se de verificar os rótulos. Cada porção pode conter cerca de 4 gramas a 10 gramas de proteína. Os análogos e substitutos da carne são também grandes fontes de proteína que podem ser adicionados à sua dieta diária.

Fontes saudáveis de proteínas (em gramas)

Feijão preto, fervido (1 xícara) ……………. 15.2

Brócolis (1 xícara) ……………………………….. 4,6

Bulgur, cozido (1 xícara) ………………………. 5,6

Grão-de-bico, cozido (1 xícara) …………….. 14.5

Lentilhas, cozidas (1 xícara) ………………….. 17,9

Manteiga de amendoim (2 col. de sopa) …… 8,0

Quinoa, cozida (1 xícara) ……………………….. 11,0

Espinafre, cozido (1 xícara) ……………………. 5.4

Tempeh (1/2 xícara) ………………………………. 15,7

Tofu, empresa (1/2 xícara) …………………….. 19.9

Pão de trigo integral (uma fatia) ……………… 2.7

Referências

https://www.karlasantone.com.br/derrubando-o-mito-das-proteinas-conheca-os-5-mitos-mais-comuns/

No facebook podemos encontrar a página médicos vegetarianos com valiosas dicas:

https://www.facebook.com/medicosvegetarianos

BOLO DE SORVETE MÁGICO

09/10/2020 às 14h30

Para a camada do sorvete

  • 1¼ xícara de castanha-de-caju
  • ¾ de xícara de leite vegetal (soja, caju ou amêndoas)
  • ½ xícara de água filtrada
  • 1 pitada de sal
  • 1 xícara de leite de coco (gordo)
  • Suco de 1 limão siciliano
  • Raspas de 1 limão siciliano
  • ½ xícara de xarope de bordo (ou melado de cana)
  • 2 colheres (sopa) rasas de óleo de coco
  • 1 colher (sopa) de extrato de baunilha
  • 1 colher (chá) bem cheia de canela
  • ½ colher (chá) de noz-moscada
  • ½ colher (chá) de cravo em pó

Para a base

  • 1 xícara de tâmaras
  • 1 pitada de sal
  • 1 colher (chá) de extrato de baunilha
  • 1½ xícara de coco ralado
  • 1½ colher (sopa) de óleo de coco

Modo de preparo

  1. Em uma tigela grande, adicione as castanhas-de-caju, o leite vegetal, a água e o sal.
  2. Cubra e leve à geladeira para descansar por no mínimo 4 horas ou por uma noite.
  3. Forre o fundo e os lados de uma forma desmontável com papel-manteiga. Quando as castanhas-de-caju estiverem prontas, comece preparando a base.
  4. Em um processador de alimentos, adicione todos os ingredientes necessários para a base. Processe em velocidade alta até atingir uma mistura homogênea.
  5. Pressione os ingredientes da base, forrando a forma, e leve ao congelador.
  6. Lave o processador, pois agora vamos preparar a camada do sorvete.
  7. Adicione no processador as castanhas-de-caju (junto com o líquido), o leite de coco, o suco e as raspas de limão, o xarope de bordo, o óleo de coco e as especiarias. Processe tudo sob velocidade alta até atingir uma mistura lisa e homogênea.
  8. Leve a camada do sorvete na forma, cobrindo a base e de novo leve ao congelador até ficar bem congelado.
  9. Retire da forma e decore com amêndoas torradas, raspas de coco e granola – ou qualquer outra delícia que tiver em casa.

Sirva gelado direto do congelador! Para cortar perfeitas fatias, esquente a faca embaixo de água quente.

O QUE VEM A SER VEGANISMO

14/09/2020 às 21h40

O termo vegan foi usado pela primeira vez na década de 40 por Donald Whatson, professor de marcenaria, na época secretário da sociedade vegetariana de Leicester. Donald se incomodava com o fato de vegetarianos consumirem derivados de origem animal, como leite e ovos.

Ele queria algo maior em defesa dos animais, criando assim um boletim informativo com o nome de Vegan News, tendo como co-fundadora Elsie Shrigley, dando origem assim ao veganismo, sendo sua data mundial comemorada no dia primeiro de novembro. Donald enfrentou forte oposição, mas perseverou.

O veganismo é uma filosofia de vida de não violência para com os animais  que luta pela abolição em todos os aspectos: alimentícios (leites e seus derivados, ovos, mel, própolis, carmim…), vestimentas (couro, lã, seda, peles, caxemira…), entretenimento (rodeios, vaquejadas, touradas, farra do boi, circos com animais, aquários, rinhas, pescas desportivas, hipismo, corridas, zoológicos, oceanários, uso de animais para fins turísticos, entre outros), empresas que realizam testes em animais e/ou que estejam envolvidas com patrocínios que envolvam a exploração deles, compra e venda de animais, veículos com tração animal, enfim, tudo que gera exploração, humilhação, tortura e na maioria das vezes causa a morte desses animais.

Lutamos pela libertação animal

Devemos partir do seguinte princípio: o que não queremos para nós não devemos causar aos outros. Podemos ter uma vida ética e saudável sem humilhar, torturar ou matar animais inocentes, construindo assim um mundo de paz e harmonia entre todos os seres habitantes do planeta.

Nenhum coração precisa parar de bater para que o seu/meu continue batendo“.

Faça a diferença, mude hábitos.

Definição de veganismo segundo a instituição que cunhou o termo:

O veganismo é uma forma de viver que busca excluir, na medida do possível e do praticável, todas as formas de exploração e de crueldade com animais, seja para alimentação, vestuário ou qualquer outra finalidade“.

Definiçãocriada pela The Vegan Society, da Inglaterra, mais antiga entidade vegana do mundo.