Revista Statto

A EDUCAÇÃO PRECISA SER REINVENTADA

19/06/2019 às 09h23

Os desafios da educação brasileira são muitos. Engana-se que estes ficam restritos as escolas do Município ou do Estado, esta realidade também está presente nas Universidades públicas e privadas. Entre os problemas destaco, escolas sem estrutura física, professores despreparados, processos internos burocráticos, sistemas educacionais arcaicos, crianças e jovens desestimulados, administradores intransigentes e monocráticos.  Uma alternativa para estes gargalos está nas tecnologias educacionais. Se antes estudar significava passar horas sentado dentro da sala de aula, ouvindo o professor, hoje a experiência de aprender evoluiu com novos recursos. Os cursos online e o uso de jogos e materiais online aplicados ao ensino, por exemplo, já são uma realidade no cenário brasileiro e trazem novas opções para o processo de aprendizado. E esse é apenas o começo. A realidade virtual, a realidade aumentada e a inteligência artificial são as próximas a impactar profundamente este setor. Porém ressalto que o foco não deve ficar restrito ao aluno, mas também deve chegar ao professor. Alunos conectados são a maioria, mas e os professores?  Responder e-mail, atualizar a rede social, watts e Instagram não é suficiente (olha que muitos professores sequer têm rede social). Ressalto que ter pacote de dados em sua conta de celular não significa ser conectado. O professor terá que trabalhar cada vez mais para orientar a presença do aluno no meio digital e buscar o melhor aproveitamento das potencialidades do online. O professor precisa ter a experiência prática, ser tutor, fazer os links com a realidade, dizer onde estão os acertos, os erros e os caminhos que devemos seguir. Neste sentido, vamos a alguns exemplos que filtrei em centros de excelência criativos que oferecem experiência prática.

Exemplo1, “Práticas de negócios imobiliários”, atenderia a demanda de nossa cidade, realizar estudos voltados para a construção civil e para imobiliárias, como novas demandas dos consumidores.

Exemplo 2, “Práticas de varejo”, focado em pesquisa e inteligência para o desenvolvimento do setor varejista, sendo este um dos setores que mais cresce em volume velocidade de negócios.

Exemplo 3, “Economia e Finanças”, que através de softwares de análise econômicas pode sim delinear cenários futuros. O que precisamos para esta reestruturação é que ter uma certa dose de coragem e deixar de lado os pessimistas que não visualizam as potencialidades do digital. Na minha opinião, se a educação não se reinventar logo teremos o cenário mais defasado e com alunos que não conseguem se conectar com a didática e os conteúdos relevantes para a formação educacional.

VISÃO NO FUTURO, BARRIGA NO BALCÃO

29/04/2019 às 09h56

A frase que contempla o título deste artigo representa o gestor atual de toda pequena, média e grande empresa no Brasil. A conjuntura política e econômica está mudando o comportamento dos consumidores. Os novos compradores querem explorar e pensar sobre como os produtos podem melhorar suas vidas. Eles pesquisam para entender as suas necessidades e são motivados a se conectar com outras pessoas. Eles são movidos por um desejo de tomar conta de suas próprias identidades e do bem-estar de suas famílias e suas casas. Temos hoje, um consumidor mais maduro, mais racional e consciente do seu poder de escolha como cidadão. No meu entendimento, este é o novo consumidor brasileiro gerado pelo atual momento. Já o gestor deve ter como “mantra”, as palavras planejar, orçar e executar. Buscar a eficiência sem perder de vista as transformações geradas pela revolução digital cada vez mais presente e influente no dia a dia dos consumidores. Em recente pesquisa realizada pelo Google, uma pessoa em média acessa o celular 150 vezes por dia, totalizando 7 horas diárias, 49 horas semanais e 196 horas mensais.  Temos hoje um consumidor que exige mudanças constantes e rápidas. No mesmo estudo, 86% dos consumidores pesquisam antes de comprar algo, isso vale para o carro zero, cadeirinha do bebê, tênis ou a roupa de balada do final de semana. Em uma matéria da revista Pequenas Empresas Grandes Negócios, editora Globo, li sobre uma grande novidade do meio tecnológico recente. Um equipamento de reconhecimento facial do consumidor capaz de avaliar a satisfação do cliente em entrar e sair da loja. Imaginem esse aplicativo de satisfação no comercio de Santa Maria?

Os resultados insatisfatórios não me surpreenderiam. A tecnologia e o digital tem impacto na divulgação e na venda, mas o gestor sempre deve investir na qualificação do colaborador. O gestor tem que ter discernimento que os períodos de grande crescimento que tivemos no passado não se repetirão mais. A expansão do consumo foi resultado de uma combinação única de elementos do cenário internacional e local como situação de pleno emprego, farto crédito, juros baixos, redução de impostos e exportações nunca antes vistas. Não há nenhuma perspectiva de que isso venha a se repetir. Da mesma maneira que a profundidade e a extensão da crise recente também não, assim espero! O termo “visão no futuro, barriga no balcão” representa continuidade e ao mesmo tempo mudança. A continuidade, pelo relacionamento e proximidade entre o consumidor e o gestor, pela atenção aos detalhes e a preocupação com a produtividade. Olhar para o futuro é ver as potencializadas das redes sociais, ser inovador e, acima de tudo, nunca parar de se qualificar. O gestor do futuro, é flexível e ativo. O gestor não pode ser acomodado, que reclama da carga tributária, do governo, dos juros, do aumento dos combustíveis e não muda de atitude e não fica no “balcão”. Atitude, por sinal, é o principal diferencial nos momentos de crise.

OS DEZ MOTIVOS QUE QUEBRAM AS EMPRESAS

28/02/2019 às 17h05

O fator crise econômica ainda é o principal motivo pelo fechamento de empresas. A queda da atividade econômica resulta em problemas nas empresas e com isso, aumentam as demandas por reestruturações. Um bom termômetro para entender esse momento é a crescente busca pela recuperação judicial por parte das empresas. De acordo com os dados do Serasa Experian, em 2010, foram requeridas 475 recuperações judiciais no Brasil. Em 2016, o total chegou a 1.863, num salto de 292%. No ano de 2017, o número caiu alcançando 1.420 casos. Infelizmente nem todas as empresas que tentam a recuperação judicial tem sucesso. Um estudo da mesma Serasa Experian, divulgado em 2016, acompanhou 3.522 empresas que entraram com processo desse tipo na justiça entre junho de 2005, o início da vigência da nova lei da recuperação judicial, e dezembro de 2014. Desse total, apenas 23% voltaram a ativa. O restante faliu.

Segundo levantamento da revista do Jornal Valor Econômico, temos hoje dez situações que levam uma empresa a uma recuperação judicial. A primeira refere-se ao caixa fraco, ou seja, a baixa significativa das vendas. A medida que as vendas caem, a empresa perde a capacidade de se manter, investir e de remunerar acionistas.  A segunda é a ausência de dados numéricos, com números estando errados, as previsões tendem a estar erradas, indicadores de desemprenho são fundamentais para um bom planejamento. A terceira indicada pela revista é sonhar errado, no sentido de ter a empresa comprometida por investimentos feitos na hora errada. A quarta refere-se a miopia de estratégia, ou seja, empresas que em condições desfavoráveis no mercado querem competir por custos com indústrias chinesas, por exemplo. O quinto apontamento é a falta de ambição, principalmente na sucessão de empresas familiares como sinal do início do declínio de um negócio. A sexta situação trata da defasagem tecnológica, um risco permanente para as empresas. A sétima, na minha opinião a mais importante, refere-se ao sentimento da negação, quando surge os primeiros problemas no balanço, os empresários ou executivos tendem a negá-los, acreditando que tudo vai melhorar. O oitavo ponto é a protelação, ou seja, a demora em reagir. O tempo é fator decisivo neste momento, a perda de capacidade de gerar valor inviabiliza o negócio. A nona, a chamada bola de neve, quando a empresa perde folego, precisa de socorros crescentes, a dívida aumenta, assim como as exigências de garantia em novos empréstimos. Por fim, a décima situação do porquê as empresas chegam a recuperação judicial, a tenda de milagres, quando os empresários já fragilizados são seduzidos por promessas de descontos mirabolantes sobre as suas dívidas e a captação de dinheiro fácil, mas atenção isso nada mais é que uma miragem financeira.

NA BUSCA PELO CLIENTE

18/12/2018 às 10h38

As compras online definitivamente mudaram o comportamento do consumidor. O comércio eletrônico vive momento de franca expansão no Brasil.

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), somente no ano de 2017, as vendas pela internet geraram um faturamento de R$ 59,9 bilhões em nível nacional, crescendo 12% em relação a 2016. Se olharmos para o Rio Grande do Sul, o Estado ficou em quarto no ranking dos principais destinos das vendas pela internet em 2017, representando 32% do total, de acordo com a Pesquisa Nacional de Varejo Online, realizada pelo Sebrae.

Também em recente pesquisa a Google Analytics que é sistema gratuito de monitoramento de tráfego que pode ser instalado em qualquer site, loja virtual ou blog, as pessoas acessam o celular em média 150 vezes por dia, num total de 7 horas, sendo 49 horas por semana e 196 horas por mês.
Na mesma pesquisa foi constado que 86% das pessoas pesquisam na internet antes de comprar, isso vale para o carro zero quilômetro, a cadeirinha do bebê e a camiseta da balada do final de semana. Podemos trazer como exemplo duas “gigantes” do varejo tradicional que também estão vendo online.

As lojas Colombo, com um e-commerce que surgiu da necessidade de um catálogo online para auxiliar na verificação do estoque, com vendas pela internet que representam 25% da origem das vendas de todo o grupo. No caso da marca de calçados Arezzo, a loja online, além das vendas, faz do online espaço para o relacionamento com o cliente, com respostas rápidas e ofertas de produtos recheadas de conteúdo.

Mas atenção, ainda que não tenha custos com ponto de venda físico, o investimento no canal online requer planejamento estratégico, que envolve áreas como logística, marketing e atendimento. É preciso que a empresa avalie seu diferencial de mercado, e num cenário cada vez mais competitivo, a atuação em nichos, com foco em produtos segmentados, pode ser uma vantagem. É preciso saber se comunicar de forma eficiente. Todos estes dados, pesquisas e exemplos querem nos dizer algo.

Precisamos urgente nos remodelar, buscar alternativas de investimentos, estar presente no ambiente físico e virtual, nos adaptar ao novo, a este novo consumidor que tem acesso a informação de forma instantânea, que é mais exigente e impaciente com os eventuais erros cometidos, atentar para a velocidade que a mudança está acontecendo. Aquela empresa que subestimar a força da internet, que não estiver presente e online podem estar fora do mercado de consumo antes do fim desta década.

Modelos e consumidores tradicionais não existem mais.

Assim, devemos nos antecipar a mudança, caso contrário seremos consumidos por ela.

PACTO CONTRA A MEDIOCRIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

31/10/2018 às 11h34

Sim! Ainda existe um pacto da mediocridade que ainda prevalece nas organizações. Refiro-me à burocracia, aos manuais e a tão imponente hierarquia. Os cargos, os carimbos, as placas na porta, o acúmulo de funções. A criatividade e a motivação não são apreciadas. Ter um pensamento crítico é, muitas vezes, visto como uma ameaça por aquele empregador que prefere não mudar e que busca um funcionário, sobretudo, dócil. Aquele de fala mansa e sorriso falso. Aquele que sempre concorda com tudo e com todos.

Dessa maneira, pensar de forma diferente, “fora da caixa”, ser mais livre e conectado às nossas intuições, às vezes, é mais um problema do que uma vantagem em um ambiente de trabalho. Uma empresa pode ser uma ilha, eu prefiro utilizar o termo feudo. Nesse caso, o gestor ou o encarregado age semelhante a um senhor feudal que viveu na época da Idade Média. Um senhor feudal, remodelado nas organizações atuais, é aquele que comanda, a partir de uma dinâmica própria, com suas políticas e seus climas internos.

Vejo que esse movimento ocorre nas organizações, porque os gestores continuam a temer as novas ideias. Porque as empresas continuam a se basear em escopo restrito, em um esquema vertical de administração, em que a autoridade exerce um controle voraz. O ambiente controlado gera colegas de trabalho que tendem a ver com desconfiança a voz que traz ideias e, portanto, coloca-as como fatores negativos por falta de entendimento com as capacidades que elas próprias não têm.

O que se nota é que, aquele que firma a voz, traz à tona os predadores, colegas menos interessados, menos motivados e menos brilhantes, que logo pedirão para silenciar novamente o feudo. Reconhecer onde está e onde quer chegar, é princípio básico para o sucesso. O empreendedor, inquieto por ideias criativas, deve sim buscar quebrar a “cadeia de ferro da montagem” baseada, muitas vezes, na perpetuação da mediocridade.
Para assumir riscos e sair desses ciclos, as empresas devem fomentar novas ideias e ofertar serviços inovadores para uma sociedade cada vez mais exigente.

As grandes mudanças não vêm de um dia para o outro. Elas dependem de um movimento cotidiano, com um impulso em câmera lenta, mas constante.

PARA O FUTURO: TRABALHE

12/09/2018 às 22h26

A frase que contempla o título deste artigo representa o gestor atual de toda pequena, média e grande empresa no Brasil. A conjuntura política e econômica está mudando o comportamento dos consumidores. Os novos compradores querem explorar e pensar sobre como os produtos podem melhorar suas vidas. Eles pesquisam para entender as suas necessidades e são motivados a se conectar com outras pessoas. Eles são movidos por um desejo de tomar conta de suas próprias identidades e do bem-estar de suas famílias e suas casas.

Temos hoje, um consumidor mais maduro, mais racional e consciente do seu poder de escolha como cidadão. No meu entendimento, este é o novo consumidor brasileiro gerado pelo atual momento.

Já o gestor deve ter como “mantra”, as palavras planejar, orçar e executar. Buscar a eficiência sem perder de vista as transformações geradas pela revolução digital cada vez mais presente e influente no dia a dia dos consumidores.

Em recente pesquisa realizada pelo Google, uma pessoa em média acessa o celular 150 vezes por dia, totalizando 7 horas diárias, 49 horas semanais e 196 horas mensais. Temos hoje um consumidor que exige mudanças constantes e rápidas. No mesmo estudo, 86% dos consumidores pesquisam antes de comprar algo, isso vale para o carro zero, cadeirinha do bebê, tênis ou a roupa de balada do final de semana.

Em uma matéria da revista Pequenas Empresas Grandes Negócios, editora Globo, li sobre uma grande novidade do meio tecnológico recente. Um equipamento de reconhecimento facial do consumidor capaz de avaliar a satisfação do cliente em entrar e sair da loja. Imaginem esse aplicativo de satisfação no comércio de Santa Maria?

Os resultados insatisfatórios não me surpreenderiam.

A tecnologia e o digital têm impacto na divulgação e na venda, mas o gestor sempre deve investir na qualificação do colaborador. O gestor tem que ter discernimento que os períodos de grande crescimento que tivemos no passado não se repetirão mais.

A expansão do consumo foi resultado de uma combinação única de elementos do cenário internacional e local como situação de pleno emprego, farto crédito, juros baixos, redução de impostos e exportações nunca antes vistas. Não há nenhuma perspectiva de que isso venha a se repetir.

Da mesma maneira que a profundidade e a extensão da crise recente também não, assim espero!

O termo “Para o futuro. Trabalhe” representa continuidade e ao mesmo tempo mudança. A continuidade, pelo relacionamento e proximidade entre o consumidor e o gestor, pela atenção aos detalhes e a preocupação com a produtividade.

Olhar para o futuro é ver as potencializadas das redes sociais, ser inovador e, acima de tudo, nunca parar de se qualificar. O gestor do futuro, é flexível e ativo. O gestor não pode ser acomodado, que reclama da carga tributária, do governo, dos juros, do aumento dos combustíveis e não muda de atitude e não fica no “balcão”. Atitude, por sinal, é o principal diferencial nos momentos de crise.