Revista Statto

A MENTIRA

04/06/2019 às 10h21

Olive leva a vida de uma adolescente normal, vai à escola, conversa com os amigos, tem o menino mais bonito da escola como crush. Quando sua melhor amiga Rhiannon a convida para ir a um acampamento ao qual ela não quer ir (e ela teve boas razões para isso), resolve contar uma mentira sobre encontrar-se com alguém no final de semana.

Ao ser questionada como foi o encontro, Olive começa a inventar uma história de como perdeu a virgindade com o tal namorado imaginário. O que ela não contava era que Marianne Bryant, a crente maluca da escola, ouvisse toda a conversa e espalhasse por todos os alunos.

Então, a aluna que era invisível nos corredores da escola torna-se o assunto principal entre os intervalos da aula.

A fama de Prostituta aumenta ao ajudar meninos não considerados populares, espalhando encontros falsos com eles.

O filme protagonizado por Emma Stone, não é um filme Teen comum que tem a velha história da garota nerd que é apaixonada pelo bonitão da escola e no final descobre que quem ela gosta mesmo era do melhor amigo dela.

Will Gluck vai muito além dos romances adolescentes e põe em xeque assuntos que devem ser discutidos. Fazendo uma decupagem nos fatos que ocorridos na história que acontece como um efeito dominó, há várias atitudes dos personagens que nos fazem refletir sobre sociedade em que vivemos:

A MENTIRA DE OLIVE

Toda a confusão acontece justamente porque Olive mentiu. Inventou uma história para a sua amiga em vez de ser sincera. Claro, a intenção dela não era enganar por prazer e sim omitir algo para que alguém que ela gostava não ficasse magoada.

O fato é: Mentira não é bom em nenhuma situação. Se Olive tivesse sido sincera naquele momento, a vida dela seguiria normal e ela não teria que fazer um vídeo online para explicar toda a confusão e não teria sua amizade de anos balançada.

Por mais que Olive não tivesse tido a intenção, o que ela fez foi errado e não prejudicou apenas a vida dela e sim de várias outras ao redor.

O INSTRUMENTO DO DIABO

Sim, como eu acabei de dizer, Olive errou ao mentir para a amiga, entretanto, todavia, mas, porém, um elemento pequeno chamado língua foi o que levou aquela conversa íntima no banheiro para os corredores da escola com um instrumento maligno inventado pelo Diabo: Fofoca

Esse instrumento maligno é tão perigoso que nem quem o usa tem controle sobre ele. Uma vez usado não tem como parar, apenas vai aumentando como uma bola de neve. É incontrolável E por conta disso deve ser guardado a sete chaves e enterrado para que não dê chances de escapar.

A grande necessidade de falar sobre a vida alheia existe desde o começo das civilizações. Com o advento dos meios de comunicação e agora, das redes sociais, saber da vida de todos virou algo comum, porém não menos perigoso do que antes. Julgar as pessoas a partir do que ouviu de terceiros não é bom.

Como dito no final do filme, o fato de Olive perder a virgindade ou não, o problema era dela não é da conta dos outros. Se ela transa com quem quiser ou se guarda para depois do casamento é escolha dela e ninguém tem direito de dar opinião sobre isso.

Marianne Bryant ouviu uma conversa alheia, tirou suas próprias conclusões e espalhou para os amigos. E como quem conta um conto aumenta um ponto, rumores inverossímeis sobre Olive começaram a se espalhar e ficar fora do controle. Começou a rolar algo que hoje nós chamamos de Fake News.

Sim, Olive foi vítima de Fake News e o que é mostrado no filme é o que nos preocupa na realidade de hoje. Algo falso é compartilhado, comentado, várias vezes, que acaba sendo verdade e ninguém mais consegue desmentir. Não é muito diferente do áudio ou de textos gigantescos que chegam até você no WhatsApp e que te impressionam e é obrigado a compartilhar com outras pessoas sem se preocupar se aquilo era verdade ou não.

A protagonista já havia sido marcada como “A VAGABUNDA” da escola e ninguém conseguiria tirar esse título dela, não queriam saber se todas aquelas histórias eram verdadeiras ou não, elas queriam apenas comentar.

Esse tipo de atitude é muito perigoso, muitas dessas fofocas, que são chamadas de Fake News podem controlar a opinião da massa ou acabar literalmente com vida de uma pessoa. É necessário ter cuidado ao compartilhar qualquer informação seja pela internet, seja por boca a boca para não soltarmos sem querer o instrumento maligno.

OS PRECONCEITOS

Vida na escola nem sempre é fácil. Ainda mais se o indivíduo não está de acordo com os padrões impostos. Analisando as pessoas que iam procurar a ajuda de Olive percebe-se que são pessoas excluídas que não vão de acordo com o que admitem.

A primeira pessoa que ela ajuda é um gay que quer manter sua orientação sexual escondida, por isso ele finge transar com Olive em uma festa. Depois disso, ela recebe muitos clientes: Gordinhos, imigrantes indianos, nerds…

Todos eles desesperados para ter uma chance de serem notados e uma chance com ela era o passe para a aceitação na sociedade escolar.

O MACHISMO

Se você assistiu “A Mentira” em algum lugar diga-me se percebeu algo de estranho no comportamento das pessoas (sem ser os pais da Olive, cara aqueles pais não existem nem em Marte…) não? Vou lhes dar um exemplo:

Na cena da festa em que Olive e Brandon saem do quarto após “transarem” na festa, são recebidos de maneiras diferentes: Ele, é recebido como um herói de guerra já ela encontra olhares de julgamento em todo canto.

Olive tem fama de Prostituta por supostamente dormir com vários homens, é apontada, comentada e excluída em razão disso.

Você já parou para pensar se Olive fosse um homem receberia um tratamento diferente? Se ela fosse um menino transar com várias pessoas seria um máximo, ela seria uma das pessoas mais populares da escola e mesmo que fossem só rumores iriam vê-la de uma forma positiva e não negativa.

Não iriam excluí-la, muito pelo contrário, iriam querer almoçar na mesma mesa que ela. Sim, pode parecer seguir uma cartilha, mas, tudo que Olive sofreu pode vir do fato da imagem que se tem da mulher na sociedade.

O fato que a visão patriarcal ainda reina e dita o nosso modo de pensar. Ao descobrirem que Olive perde a virgindade, ela é vista como uma mulher fácil, os meninos começam a paquerá-la querendo algo mais (o único que salva é o fofo do Todd que não acreditou em nenhum boato desde o início…) em razão do ponto de vista de que a mulher tem o dever de se guardar, enquanto que, em muitos lugares os próprios pais levam os filhos homens em prostíbulos para a sua primeira vez.

Enfim, este filme tem muito o que se discutir. Tendo como base a Letra Escarlate, escrito por Nathaniel Hawthorne, que disserta sobre essa mesma discussão. A mulher que vive em uma sociedade puritana é acusada de adultério e é obrigada ter uma marca na roupa o “A” de Adúltera em vermelho para que todos vejam, a mulher também é exilada da comunidade por causa do crime.

Há muitas referências sobre o livro no filme, além de que, a própria personagem comenta e usa a letra “A” vermelha tal qual a personagem do romance. As duas sofrem acusações sobre o seu suposto comportamento e são excluídas do convívio.

Mas eu vou deixar aqui um pensamento se essas duas personagens fossem homens será que elas sofreriam tanto?

O filme pode ser encontrado online, confira umas das melhores atuações de Emma Stone em um romance adolescente nada superficial.