Revista Statto

NA VIDA, QUEM PERDE O TELHADO, GANHA AS ESTRELAS…

17/08/2020 às 15h57

Dizem que quando a gente perde, às vezes, a gente ganha. Se pararmos para analisar, quando a gente perde também ganha, sempre. Mesmo que esse ganho seja “apenas” experiência, que é o que nos constrói e nos aprimora a todo instante.

Tudo na vida tem dois lados. Por mais negativa que possa parecer uma situação, há um lado positivo. Tentar enxergar o lado bom em tudo dá um pequeno trabalho, mas gera grandiosos resultados!

Todos nós passamos por dores, perdas, desamores… É natural. O que não é normal, mas se tornou um hábito, é a competição com a dor do outro. É importante para a saúde falar sobre nossos problemas, desabafar com amigos íntimos, com terapeutas, etc., mas é altamente prejudicial tornar a reclamação um vício, alimentando diariamente nossas próprias tristezas.

Naturalmente temos momentos de altos e baixos, mas os “baixos” só se tornam constantes quando cultivamos o hábito de reclamar. Já os momentos “altos” predominam na nossa vida quando passamos realmente a cultivar o tão divulgado hábito de agradecer. Pois assim, mesmo nos baixos não nos falta amparo. Por mais que passamos por um sufoco, o fôlego nunca acaba completamente antes de conseguirmos voltar à superfície.

Às vezes a gente perde o telhado mesmo, a nossa casa, mas como já aprendemos a “contemplar” as estrelas, elas nos guiam para outro lar ainda melhor que o anterior.

Às vezes, perdemos o trabalho e passamos dificuldade por um tempo, mas como já aprendemos a agradecer o pouco que possuímos, esse “pouco” nunca acaba devido a ajuda de generosos amigos e familiares.

Às vezes, perdemos a convivência com pessoas importantes para nós, e a vida nos ensina a enxergar o melhor de nós mesmos. Então passamos a conviver intimamente somente com aquelas que também se importam com a gente, que reconhecem nosso verdadeiro valor.

Realmente na vida, perder é apenas um mero ponto de vista. E ganhar pode ser a vista de vários pontos, principalmente quando se cultiva o hábito de agradecer!

NO DIA EM QUE EU PAREI DE RECLAMAR

14/06/2020 às 10h48

No dia em que eu parei de reclamar, a beleza de todas as coisas foi ressaltada e os problemas diminuíram. Então me dei conta que são meus pensamentos e gestos que atraem os acontecimentos ao meu redor. Assim como o sentimento de gratidão atrai mais circunstâncias para sermos gratos, o hábito da reclamação atrai constantemente circunstâncias que nos incomodam.

No dia em que eu parei de reclamar me senti mais leve, pois percebi que tudo depende da maneira como enxergamos as coisas, ou seja, do nosso ponto de vista. Podemos enxergar defeitos ou virtudes tanto em objetos ou ambientes quanto nas pessoas. Isso depende da programação da nossa mente sobre o que estamos mais habituados a perceber.

No dia em que eu parei de reclamar percebi que posso programar minha mente com a força do hábito da gratidão em refletir sobre tudo de bom que aconteceu e que deu certo durante o dia, ao invés de ruminar sobre tudo o que deu errado.

No dia em que eu parei de reclamar compreendi que todas as pessoas, talvez com raras exceções, têm o que chamamos de bem e mal dentro de si, o que prefiro chamar de sabedoria e ignorância, e que podemos optar em enxergar suas virtudes, ou forças de caráter, ao invés dos seus defeitos.

No dia em que eu parei de reclamar foi quando percebi que o estresse que esse hábito causa só faz mal para a minha própria saúde enquanto para os outros só posso causar no máximo uma sensação de inconveniência.

No dia em que eu parei de reclamar percebi que esse é um dos maiores desafios da humanidade para sintonizarmos com um mundo onde existe mais compreensão, gentileza, tolerância e compaixão.

No dia em que eu parei de reclamar foi quando percebi que esse mundo de graça, virtudes e bênçãos diárias sempre existiu, mas a minha expectativa de que as outras pessoas fossem diferentes do que eu esperava, não me deixava enxergar o melhor delas.

No dia em que eu parei de reclamar percebi que o problema não está em reclamar de pontuadas circunstâncias, afinal precisamos desabafar as vezes. O problema está em tornar a reclamação um hábito, ou o que é pior, um vício, do qual você não consegue passar nem um dia sem se incomodar com alguma coisa.

No dia em que eu parei de reclamar percebi que somente o hábito da gratidão pode me fazer sair do lugar e me tornar uma pessoa mais agradável, carismática e consciente. E que somente o contentamento e a resiliência podem estimular dentro de mim a paz que tanto almejo.

No dia em que eu parei de reclamar percebi o céu mais azul, a gostosa melodia do canto dos pássaros e a contagiante felicidade estampada nos sorrisos das pessoas. Então dei graças simplesmente por estar viva.

SEJA SUA MELHOR COMPANHIA!

11/06/2020 às 17h54

Seja sempre sua melhor companhia, assim hoje e para sempre, nunca se sentirá sozinha“. Liandra Morais.

Li uma postagem em uma rede social interessante de alguém desolado perguntando “O que fazer no dia dos namorados, se não tenho namorado”? A resposta foi “Nada. No dia dos finados você não precisa falecer”. Então por que você precisaria arrumar um namorado para passar o dia dos namorados?”

É comum e saudável apreciarmos uma boa companhia para aproveitarmos o dia, assistir um filme, comer uma comida gostosa junto com um bom vinho, etc. Isso é muito bom! Mas se não tivermos uma companhia, por que não fazermos isso sozinhos? Pode ser agradável também! Podemos ter ótimos momentos em nossa própria companhia. Podemos assistir aquele seriado ou filme bobo que já assistimos milhares de vezes, podemos comer nossa comida predileta, podemos beber nossa bebida predileta, podemos dançar loucamente e fazer tudo o que desejarmos. Basta conseguirmos “ficar” com nós mesmos.

Até na companhia dos outros, os momentos só se tornam plenos quando nos sentimos completos por dentro, quando temos a consciência que o outro nos acrescenta e não nos complementa. Somos seres completos e não metades de outros seres. Portanto, não devemos depender do outro para viver e sermos felizes. Devemos sim conviver com o outro para acrescentar e compartilhar momentos de felicidade e harmonia.

Quantas vezes já nos sentimos sozinhos, e até mesmo tristes e desamparados, na companhia de outra pessoa? Isso prova que os sentimentos vêm de dentro e que podemos nos sentir completos quando estamos isolados e nos sentir solitários mesmo quando estamos acompanhados. O que te faz sentir como se estivesse junto, em conjunto, com o Universo? Tente descobrir isso e não mais se sentirá só, pois terá encontrado o melhor que há em você.

Então seja na companhia de alguém ou na sua própria companhia, aproveite o dia, e seja feliz!

POR AMOR, FIQUE EM CASA

03/06/2020 às 13h24

Por amor, fique em casa. Essa mensagem é para os que podem obviamente. Aos que precisam sair para trabalhar, aos que não podem trabalhar de casa, fiquem em casa após o trabalho. É só uma fase. Daqui a pouco tudo vai passar…

Estamos entrando em uma nova Era, onde o caos está nos levando obrigatoriamente, mesmo que por um tempo, para um mundo mais solidário e mais humano. E, quem sabe, até para um Estado de Bem-estar social, a política ideal que poucos países conseguiram chegar até hoje.

Noruega, Suécia, Finlândia e Dinamarca são destaques na aplicação do Estado de Bem-Estar Social e são países que estão no topo do ranking de melhor Índice de Desenvolvimento Humano. Os direitos sociais conferem serviços de educação, saúde, seguridade e lazer, durante toda a vida.

“Esse modelo se baseia num forte Estado de bem-estar, que oferece elevados níveis de segurança para seus cidadãos, mas também é uma bem-sucedida economia de mercado com muita liberdade para você ir atrás dos seus sonhos e viver a sua vida como quiser.”

Infelizmente precisamos do caos para que ocorra transformação (o Universo se comporta assim). Por isso devemos nos UNIR. Ajudarmos uns aos outros e não termos vergonha de pedir ajuda nesse período, pois muitos estão sem emprego e o Governo ainda não está fazendo sua parte, usando sua reserva, que serve exatamente para estados de calamidade, como uma pandemia.

Devemos cuidar de nossa saúde e deixar de alimentar o ego “roubando” energia dos outros, através das discussões sobre quem está certo ou errado. O ego é naturalmente alimentado de forma saudável quando “roubamos” energia da natureza, quando fazemos um hobby, um exercício físico, etc… Portanto, ao invés de perdermos muito tempo nas redes sociais, é melhor ganharmos tempo fazendo mais o que gostamos, fazendo exercício físico (por enquanto dentro de casa ou próximo de casa), caminhando, correndo, dançando, namorando! (Casal que moram juntos). Enfim, gastando energia com o que realmente acrescenta.

Me sinto privilegiada, não por estar presenciando uma pandemia, mas por estar vivenciando a entrada em uma nova Era, onde a maioria está fazendo a sua parte. Seja trabalhando de casa, trabalhando na zona de perigo para salvar vidas, trabalhando para que não nos falte o essencial, sacrificando seus empregos por algum tempo, fazendo doações, fazendo orações, etc. Estamos conseguindo finalmente pensar como um Todo e não como um indivíduo separado de tudo.

Apesar de lermos isso constantemente é sempre bom repetir: nós não estamos isolados em casa e sim protegidos em casa. Isolamento é o que todos os doentes graves estão vivendo. Tudo que essas pessoas mais querem é melhorar e voltar para casa, para perto de seus familiares.

Então ao invés de ficarmos entendidos por não podermos ir ao cinema, à praia, fazer viagens, sair para trabalhar e estudar, etc., vamos agradecer por termos uma casa para ficar. Com emprego ou sem emprego, estamos no melhor lugar que poderíamos estar, no nosso LAR. Então vamos transformar nossa casa num lugar mais gostoso, de paz e não de guerra, de acolhimento e não de prisão. Só precisamos ter uma nova visão de tudo que estamos vivendo.

Vai passar… e o mundo estará melhor, a maioria das pessoas estarão melhores. Então veremos que terá valido a pena os sacrifícios de agora.

RESSURREIÇÃO EM VIDA

12/04/2020 às 09h58

Essa vida vai passar rápido. Não brigue com as pessoas. Não critique tanto seu corpo. Não reclame tanto…. Não deixe de beijar seus amores…

Nesse período de celebração das renovações, nada melhor do que renovar pensamentos e ações, além de comer chocolate sem culpa.

Lemos, relemos e refletimos na importância do momento presente, mas será que realmente estamos conseguindo viver o agora? Ou estamos ainda esperando por algo, o momento perfeito, as pessoas perfeitas, para darmos o melhor de nós mesmos?

Se essa espera procede, é em vão, pois não existe ninguém perfeito. Se você conhece algum ser humano que se considera perfeito, cuidado, pode ser que esteja convivendo com alguém de outro planeta e não saiba. O mundo em que vivemos é como uma grande escola, onde até os grandes mestres estão, também, na condição de aprendizes e não na perfeição idealizada, mesmo que já possuam um aprendizado infinito para nos passar e exemplificar.

Portanto, coloque um sorriso no rosto mesmo que seja 6h da manhã e seu dia não pareça estar tão bom quanto o da pessoa ao lado que te deu “bom dia”. Sempre que lembrar sorria na intenção apenas de arrancar outros sorrisos. Esse gesto tem o poder de iluminar todo o seu dia, mesmo que te cause rubor por um tempo (caso você seja uma pessoa introvertida). Quando for fazer uma refeição, coma pelo menos uma coisa que goste muito e saboreie a comida ao invés de apenas mastigar e engolir, sentindo gratidão. Não há melhor oração do que essa. Observe mais os pássaros, a natureza…. Observe as outras pessoas sem medo de enxergá-las, perceba como despertam curiosidade, simpatia e uma imensa vontade de entrar no mundo delas, quando conseguimos por um momento nos desprender do nosso.

Leve a vida de forma mais leve. O mal vai continuar existindo, não há muita coisa que possa fazer além de reformar intimamente a si mesmo a cada dia.

Pessoas vão continuar puxando seu tapete, vão tentar te fazer sofrer e, eventualmente, vão tentar tirar tudo de você. Mas não deixe que roubem sua paz, sua felicidade e sua gratidão por existir. Pois viver no amor, relevando tudo o que machuca o coração, é consentir sua própria ressurreição em vida.

Ame mais, perdoe mais, abrace mais, viva mais intensamente e deixe o resto nas mãos de Deus“.

PODEMOS NOS TORNAR PESSOAS MELHORES, INFINITAMENTE MELHORES.

16/03/2020 às 08h43

Nunca é tarde para aprender, para ter novas experiências. Porque o aprendizado é infinito, assim como o universo.

Somos todos aprendizes nesse planeta chamado Terra. Todos nós temos qualidades e defeitos. Que me desculpem os que se consideram seres superiores, mas não existe ninguém perfeito. Por isso não temos moral para cobrar perfeição no outro e nem uma idealização. E se for para idealizar alguém, que esse alguém seja nós mesmos, através do esforço diário que fazemos para controlar nossas más tendências.

A psicologia diz que o que nos incomoda nos outros pode ter relação com uma característica que nós também possuímos, mas não aceitamos e, muitas vezes, nem enxergamos. O que não tem a ver com nossas dificuldades não incomoda, por isso nem percebemos.

Projetamos no outro aquilo que está em nós. Por isso “ao falarmos dos outros, revelamos muito sobre nós mesmos.”

O “não aceitar o outro como ele é” muitas vezes está relacionado à falta de autoconhecimento e autoaceitação. Por isso a grande importância de educar as crianças para se aceitarem exatamente como são e não se tornarem adultos doentes psicologicamente, que querem controlar no outro o que não conseguem controlar em si mesmas. Um mundo com mais educação e autoaceitação forma pessoas do bem, confortáveis e felizes consigo mesmas, ao invés de revoltadas pela ignorância. O que salva é o autoconhecimento.

Por conta da mania de idealizar no outro o que não conseguimos ser ou fazer, muitos pais têm uma certa tendência a considerar seus filhos seres especiais. Vivemos na era das crianças índigos e cristais, por exemplo. Então a criança cresce com aquela cobrança indireta que precisa ser perfeita porque é especial. Que precisa ser melhor e mais inteligente do que todos ao seu redor. Ela cresce com medo de errar, de contrariar seus afetos. Se torna sistemática e se cobra em demasia. E essa criança quando se torna adulta pode acabar atraindo namorados que também a idealizam, assim como seus pais. Talvez por isso hoje vivemos uma epidemia de depressão e ansiedade generalizada. Além de carregarmos essa doença no DNA, também somos a frustação do outro refletida em nós mesmos. Portanto, pais deixem seus filhos serem crianças e adolescentes normais, por favor! Não cobre demais deles. São seres humanos que também possuem defeitos como vocês. E eles precisam saber que cometer um erro não os tornam menos especiais para vocês, mesmo que os decepcionem. Mesmo que mostrem um lado que vocês não gostariam que existisse. Lembrem-se que eles não são suas idealizações porque idealizações não existem! São apenas fantasias que criamos. Não cobre para que trilhem um caminho, profissional por exemplo, que vocês não conseguiram trilhar porque eles não são uma extensão de vocês! São pessoas com seus próprios sonhos e personalidade. Precisamos “acordar” para a realidade do autoconhecimento para que possamos realmente conhecer nossos afetos, sem os rótulos de seres especiais que costumamos colocar. Isso é um peso muito grande que a maioria dos jovens, e até adultos, costumam carregar.

A felicidade e aceitação de cada um com relação ao que realmente são é o ponto de partida para um mundo melhor e mais evoluído. Tudo começa de dentro para fora. Viva o conhecimento, nossa mais potente arma contra o que chamamos de mal. Porque o que importa é a consciência de que podemos e devemos nos tornar pessoas melhores, infinitamente melhores.

Como disse o grande mestre Jesus: “…podeis fazer tudo o que faço e muito mais”

Na melhor das hipóteses eu sou a sucessão de erros tentando acertar. Então, não procure perfeição em mim. Não me faça cobranças. Se há algo a olhar, as cicatrizes representam as minhas sinceras tentativas para tornar-me melhor.” Ita Portugal

POR UM MUNDO COM MAIS GENTE “DOIDA” E MENOS GENTE MALDOSA

29/02/2020 às 18h45

Gente “doida” é gente feliz, alegre, que tem sempre uma palavra de otimismo e uma boa gargalhada a oferecer, mesmo em situações que geram preocupação e pessimismo.

São pessoas espontâneas e autênticas, que não têm medo de expor o que sentem, nem expor limites e pontos de vista. São pessoas que não estão preocupadas em tentar agradar a todos, embora exalem carisma e gentileza.

Gente “doida” é gente divertida, que está sempre de bem com a vida. Mesmo nos momentos de tristeza, elas se agarram ao otimismo dentro de si, pois sabem que tudo passa.

Gente “doida” é gente que vive, que não espera uma data específica para beber um bom vinho ou usar a roupa mais bonita do guarda-roupa. Elas não esperam as ocasiões especiais, elas fazem de todas as ocasiões especiais.

Gente “doida” é gente que saboreia a comida, mesmo em um almoço de 15 minutos, e que consegue parar para sentir o aroma do café ao invés de apenas ingerir cafeína para manter-se de pé.

Gente “doida” conversa sozinha, em silêncio ou em voz alta e está sempre rindo de si mesma. É gente que não se importa com defeitos nem com decepções, apenas com os aprendizados retirados de todas as experiências. Pois troca a reclamação pela gratidão por tudo o que há na vida.

Gente “doida” é gente sincera, em quem podemos confiar e confidenciar o que há de mais íntimo, pois temos certeza que elas não farão a “doideira” de espalhar por aí.

Gente “doida” não é perversa, como muitos costumam confundir. Gente perversa é gente maldosa, incapaz de sentir empatia, e que se faz de doida para, na verdade, causar transtornos psicológicos aos que estão ao seu redor.

Gente “doida” é gente do bem, mesmo quando a doideira se trata de alguma patologia. Mas se for uma doideira saudável, de pessoas que apenas fogem de uma sociedade doente de pessoas “normais” e egocêntricas, nada melhor do que sermos os estranhos que conseguem pensar e agir “fora da caixa”.

Gente “doida” é gente leve. Sou eu e é você que me lê, quando conseguimos relaxar e viver o momento, principalmente com aqueles que nos amam e a quem amamos, sem nos preocupar com o que não podemos controlar.

Por um mundo com mais gente “doida” e menos gente maldosa!