Revista Statto

JÁ ENCONTROU O SEU SENTIDO DE VIDA?

29/10/2020 às 09h42

Percorremos o infinito da vida de mãos dadas com o desconhecido e muitas vezes sem perceber não paramos para pensar que o único “Ser” verdadeiramente conhecido neste grande mundo é o “Nosso Eu”… Atento aos outros, aos acontecimentos externos, às vezes deixamos de fazer em profundidade a viagem mais importante que aqui viemos buscar, a nossa viagem interior. E assim, a vida passa e muitas vezes o que se procura equivocadamente é o sentido da vida, sem parar para pensar que não há sentido maior nesta existência do que evoluirmos a nossa alma, lapidarmos o que temos para lapidar, crescermos no que temos para crescer.

E assim, ao invés de procurarmos seguidamente fazermos a nossa reforma interior, procurarmos melhorar cada emoção que nos traz dor, o que se faz, é ficarmos presos ao mundo a busca de uma missão, de encontrar algo por fazer que justifique o que na terra viemos realizar, e é aí que está o grande equívoco, tudo deixa de ter sentido quando damos mais ênfase a qualquer realização do que a nossa realização interior, do que o nosso crescimento.

Somos seres em abundância, somos seres em expansão, somos seres em ascensão contínua e quando deixamos de prestar a atenção em nós para construir algo em pró do outro ou da vida, muitas vezes o que acontece é estacionarmos a nossa evolução, porque buscar e muito fazer às vezes nos ausenta de nós mesmos, de nossa responsabilidade de olhar para dentro de nós, de forçar o crescimento e crescer dói, crescer exige mudanças, crescer exige muito e nem sempre este processo é fácil ou pelo amor como gostaríamos que fosse, às vezes são as próprias dores do caminho que forçam este crescimento, mas isso só acontece se estivermos verdadeiramente atentos.

O bom mesmo é quando assumimos o nosso “Crescimento interior” como principal missão de vida, quando o tempo todo olhamos dentro de nós e tentamos sanar as feridas do caminho da existência, quando olhamos o tempo todo para dentro de nós e tentamos entender qual emoção está menos saudável e qual ou quais são as repercussões desta ou destas emoções menos saudáveis em nossa vida. E de posse desta viagem em crescimento e atentos, encontramos outro sentido de vida.

Então, mergulhados no nosso crescimento, acabamos por nos tornar mais sensíveis para compreender que cada um nesta trajetória da vida está no seu ritmo de crescimento, está na sua velocidade de expansão e que os outros não são como nós e esperar que as pessoas do caminho vão agir como agimos, com a mesma força do sentir, com a mesma verdade e autenticidade, acaba por nos sentenciar a frustrações, a dores, a desilusões.

E neste sentido, a minha sugestão é que siga o seu caminho interior em busca de paz e amor, em busca do seu crescimento, em busca de continuar a expansão de sua consciência, em busca de realizar a sua missão de vida, se já encontrou o seu segundo sentido de vida. E se não encontrou siga em busca de encontrá-lo, mas sem deixar de lado o nosso principal sentido de vida que é de nos terapeutizarmos com ajuda profissional ou só, nesta grande viagem de crescimento interior.

E que quando estiver neste caminho, olhe para o outro ou para o seu semelhante como um ser igualmente imperfeito e em crescimento, com seu tempo, seu ritmo e ao invés de esperar que ele seja como você, faça tudo o que estiver ao seu alcance para bem viver, e se o outro não agir como gostaria que fosse, opte pela energia do amor, da aceitação e não da crítica, o outro está em seu ritmo de evolução e esperar que o outro seja como você é sentenciar-se a possíveis decepções. Podemos até não concordar com as ações do outro, até ter a certeza de que jamais faríamos algo semelhante, mas aceitar que diante de suas emoções e evolução de sua alma é o que consegue fazer é sabedoria, poupa-nos de sofrimento e capacita-nos a seguir voltados para o nosso crescimento com menos dor e mais amor.

Sugiro que cuide do seu ritmo de evolução, cuide dos seus passos, cuide da sua principal missão de vida que é o seu processo de evolução e assim, cada vez mais estará forte e com sabedoria para assumir a sua segunda missão de vida…. Seja ela qual for vai ser um complemento para a sua maior missão de vida, que é sua evolução, seu crescimento interior!

UMA REFLEXÃO NESTE MOMENTO DE INSTABILIDADE…

14/07/2020 às 10h59

No leito profundo da Alma há sempre um grito de esperança, desligar os ruídos da mente e ouvi-lo em momentos de dor, fortalece-nos para fazermos a travessia…

E é isso que precisamos fazer agora quando tudo lá fora vibra o caos da incerteza, depois de momentos difíceis, e que ainda se encontram difíceis e diante de uma visão que nos limita diante dos últimos acontecimentos no mundo.

Quando alimentamos o medo e fazemos dele desespero, estamos presos aos ruídos da mente, e sem perceber, acabamos por divagarmos no futuro e na prisão da incerteza, fazemos do momento grande tormento, massacrando cada segundo tempo.

Sei que é muito difícil perder uma pessoa querida devido a um vírus que chegou de repente, que perder o emprego é assustador, que passar necessidades financeiras desestabiliza qualquer um, que todos estes cuidados de higienizaçao, álcool, lavagens das mãos, máscaras e fuga de toques e abraços não é fácil. Sei que de repente ficarmos num mundo cuja à economia apresenta instabilidade assusta, mas naquilo que não podemos mudar, só nos resta uma opção, fazer movimentos em pro da construção. Porquê se ficarmos em desespero, o que poderemos fazer? Que estratégias poderemos criar? Que direção vamos escolher com sabedoria para minimizar os impactos dos acontecimentos?

Sendo assim, afastar todos os barulhos da mente, os pensamentos tóxicos e negativos, possui a capacidade de ativar uma via cerebral importante, que de posse da cognição, do raciocínio lógico, acaba por encontrar alternativas para reconstruir, criar, transformar. Mas nada disso pode acontecer se o medo for o foco, se a ansiedade crescer, se os pensamentos criados forem tóxicos e destrutivos.

Mas como posso afastar os pensamentos que insistem e que estão presos ao medo?

Não esqueça jamais, desde quando nascemos, nosso cérebro é “plástico”, molda-se, portanto, sugestione-se de forma positiva. “Está tudo bem, está tudo certo, nasci para vencer, vou encontrar a saída, nada vai me impedir de vencer”… Faça exercícios de respiração consciente quando se sentir amedrontado e em stress, é comprovado cientificamente que diminui a ansiedade. Respire bem fundo contando até 05, prenda a respiração contando até 05 (tentando respeitar o tempo de 05 segundos) e depois solte bem devagar pela boca contando até 07, respeitando o tempo de 07 segundos. E enquanto respira, vá contrariando os pensamentos negativos com afirmações positivas.

Somos aquilo que pensamos, somos aquilo que vibramos, e em época de dificuldade não podemos ficar presos às emoções negativas, e até o medo, que por vezes protege, se em demasia e desmedido, acaba por se transformar numa emoção negativa com poder destrutivo.

A grande força da vida está nos contínuos movimentos que fazemos em pró de nós mesmos, do nosso bem-estar, porquê somente quando estamos bem, temos a capacidade para seguirmos, criarmos, amarmos… E nada, nada, pode destruir o crescimento de uma alma, que tem um corpo preparado anatomicamente e fisiologicamente para intensas e constantes transformações emocionais, neste grande laboratório de emoção que é a vida…

EM MOMENTOS DIFÍCEIS COMO OS ATUAIS, ABRACE A ESPERANÇA….

14/06/2020 às 15h05

Todo o céu da esperança acalenta o coração com o azul da paz. Sim, estamos todos a caminhar por momentos difíceis, há alguns meses tudo mudou, sonhos provisoriamente defeitos, outros adiados, outros exterminados…. Vidas que se foram, dor que nos corações ficou, fomos impostos de repente a uma forma diferente de caminhar, e inevitavelmente o desespero acabou por tomar conta de alguns corações. Como somos seres de emoções, uns sentiram mais, outros menos, uns valorizaram mais as circunstâncias e os sofrimentos, outros menos. Uns estão mais serenos, mais tranquilos a fazerem a sua parte, outros menos. Sim, é na diferença que habita a singularidade humana. E cada uma de nossas emoções, no grande laboratório de emoções humanas que é a vida, é o que determina como vamos sentir e como vamos reagir diante de tudo o que está a acontecer.

E a sugestão que dou a todos é que tente preencher o coração de esperança, de crença positiva, de fé, de certeza de que tudo, tudo a seu tempo reorganizar-se-á. Por que se assim fazermos, se assim seguirmos, inevitavelmente seguimos com uma força que resplandece da alma e capacita-nos a agir rumo a construção. Evitando que a dor dos acontecimentos, o medo do que possa acontecer no futuro limite os nossos passos, ou paralise-os ao ponto de impedir nossa caminhada rumo às nossas aspirações.

Sugiro que todos os dias, desde cedo até a noite tente contrariar os seus pensamentos negativos, tente afastar o medo com afirmações positivas, “tudo ficará bem, logo terei um novo emprego (para aqueles que perderam), logo poderei realizar meus projetos, agora é apenas uma pausa, logo poderei voltar a realizar, construir, abraçar”. E para aqueles que perderam alguém querido sugiro que tente pensar nas coisas boas vividas, em tudo de bom que na memória ficou, na essência da vida que permitiu que aquela pessoa querida enquanto aqui ficou pode o presentear com a sua vida de amor, aceitando inevitavelmente aquilo que não podemos mudar, a despedida…

Aprendi no decorrer da vida, que quando algo é inevitável e não podemos alterar, a única expressão que nos resta, é pararmos e agradecermos, pelos aprendizados gerados, pelas descobertas que tivemos, ou pelos momentos que vivemos. Sim, sei que dói, por vezes fere, dilacera a alma e aparentemente nos joga ao chão, mas também sei que cada um de nós é guerreiro pela própria natureza, sendo assim, cedo ou tarde a força brota da alma e cresce o suficiente para nos capacitar a vibrarmos rumo ao crescimento e a superação.

Só não podemos deixar de acreditar, só não podemos deixar de vibrar na direção certa, só não podemos deixar que os pensamentos negativos se apoderem da mente, porquê se assim fazemos, ocorre um grande desequilíbrio. E tomados por este desequilibro perdemos a capacidade de criarmos estratégias para sairmos das situações que estamos a viver.

Somos aquilo que vibramos, somos aquilo que pensamos, somos aquilo que expressamos. Portanto, expresse vida, expresse amor, expresse esperança, e quando tudo parecer perdido, no céu da vida brilhará a estrela da vitória e da paz… E prontos estaremos para um novo recomeço!

O PODER DE CONSTRUÇÃO QUE EXISTE POR DETRÁS DE UM ADVERSIDADE

20/03/2020 às 14h31

O maior impacto de toda e qualquer adversidade deve ser o seu poder de construção. Que aprendizado está a ter agora?

É certo de que num momento como este que assola o mundo, por vezes, esquecemos de voltarmos os nossos pensamentos para a reflexão, para o aprimoramento, para o nosso crescimento. Temos toda a força de uma consciência coletiva que está presa ao medo, ao pavor, que está presa as preocupações quanto ao desconhecido e o que será do mundo e de cada um de nós depois que tudo isso passar. E quando isso tudo passará? O que acontecerá? O que será da minha vida financeira e pessoal depois disso tudo? O que será do mundo depois disso tudo?

E assim, envoltos em todas estas informações, envoltos em todos estes acontecimentos, acabamos, por vezes, de nos distanciar da nossa viagem interior, desta reflexão importante que diante de uma adversidade de grande impacto, pode nos ajudar a crescermos, fortalecermo-nos, porquê tudo, tudo na vida, pode ter um poder construtivo, não há nada, absolutamente nada que não tenha poder de construção.

Se olharmos atentamente nos piores momentos podemos crescer, evoluir e nos fortalecer. O que eu poderia ter feito diferente para que hoje estivesse mais sereno diante do impacto disso tudo? O que posso fazer para trabalhar minhas emoções para diante de algo de tamanho impacto não fique assim em tão grande desespero? Abstrair todo o crescimento que a adversidade está a gerar e de seguida, voltar ao tempo presente, e ficar no tempo presente, sem ficar assolado por culpas, arrependimentos, que devem ficar no passado. Sem ficar preso ao futuro, em pânico, com medo em demasia, se vai se contaminar, se vai morrer, se vai perder alguém, se amanhã ou depois ficará sem dinheiro. O tempo que importa é o agora, e o agora nos convida a reflexão e a ações em pró da nossa construção, da nossa proteção. Convida-nos a fazer a nossa parte para nós e para o mundo para que tudo isso passe logo. Respeitar os conselhos das autoridades de saúde, da organização mundial de saúde, ficar atento as nossas responsabilidades como cidadãos e como “SERES HUMANOS”, com grande potencial de construção, de superação. Somos energia de força, temos uma força infinita dentro de nós, e ninguém é mais forte ou melhor do que ninguém, apenas alguns de nós estão mais atentos a sua consciência, ao seu crescimento, a sua força, trazendo-a a superfície para fazer das dificuldades oportunidade de crescimento.

Sendo assim, convido-o a abstrair-se da dor, do medo, do desespero. Convido-o a usar um grande potencial construtivo a seu favor, convido-a alimentar emoções positivas e a contribuir para a consciência coletiva, com uma consciência positiva e voltada ao crescimento. Convido-a a contrariar todo e qualquer medo, todo e qualquer desespero afirmando o tempo todo coisas positivas, de que tudo ficará bem, de que tudo reorganizar-se-á a favor da normalidade e do retorno da liberdade. Convido-o a acreditar que todos vamos sair fortalecidos desta, mais fortes, mais conscientes, mais solidários, com uma visão mais voltada ao todo, ao coletivo do que a individualidade. Convido-o a pensar que a partir deste acontecimento todos puderam perceber que não há ricos ou pobres quando a questão é saúde e morte, quando algo assim vem, arrasta a todos, indiferente de classes socias, de posição social, se usa roupas de marca, se anda a conduzir a sua Ferrari ou não.  Somos todos iguais, somos unos e partes de um “Todo Sideral “que rege a organização da vida para que tenhamos a cada dia novos e constantes aprendizados. Quer estejamos atentos a isso ou não os aprendizados veem, para alguns mais conscientes e reflexivos mais rápido do que para quem está disperso a todos os ensinamentos que a vida tem para nos oferecer. Convido-o a fazer a sua parte, a olhar para si, a cuidar de si, a observar-se mais. Convido-o a ter agora, neste momento, responsabilidade individual e social. Convido-o a não fazer fuga ao medo acreditando que isso não é como dizem e como a imprensa e meios de comunicação estão a propagar. A realidade existe, está aí, a nossa frente, quer queiramos aceitar e tentar nos proteger e ajudar-nos, quer não.

E o que temos que fazer agora é sermos conscientes, diante de algo menos bom que estamos a viver. O que posso fazer para minimizar toda esta situação? Convido-a a não ficar o tempo todo a procurar entender e saber de onde este vírus veio, se é arma biológica, se não é, se foi criado intencionalmente na china ou não. Do que isso importa agora? Ficar preso nesta energia e despender energia necessária a qual podemos utilizar para minimizar tudo isso é contraproducente. Convido-o a não ficar a fazer como alguns estão, talvez para diminuir o impacto do seu medo, a tentar dizer “que isso não é nada”, “que a mídia está a exagerar”, “que gripes comuns matam mais que este vírus”, “que a fome mata mais”, e etc. Sugiro que se concentre nos fatos, nas evidências que estão a nossa porta, no triste exemplo da Itália. O que temos que fazer é sermos conscientes para não deixar que a grande velocidade de propagação que tem este vírus, com velocidade exponencial, sobrecarregue os nossos hospitais ao ponto de não conseguirem ter capacidade de resposta tanto a nível de recursos físicos, humanos como materiais. Convido-o a se ater na sua responsabilidade cível, e como ser humano que habita este mundo. Procurar desculpas ou ficar preso a culpa, a responsabilização do outro, a origem do problema, não vai fazer diferença agora.

Agora o que realmente faz diferença é fazermos a nossa parte. Agora o que realmente faz diferença é deixarmos desabrochar o lado mais bonito que carregamos dentro de cada um de nós, o lado solidário, aquele que não vai aos supermercados e coloca dentro do carro de compras todos os frascos de álcool, ou as máscaras que encontra, pensando somente em si e não no outro. Agora o que faz realmente diferença é fazer tudo o que lhe compete para cuidar da sua proteção, para não pegar este vírus e propagá-lo a pessoas de risco que podem morrer como idosos, pessoas com hipertensão, diabetes, ou problemas respiratórios, dentre outros. Agora o que realmente importante é estarmos conscientes de que não somos um, sabe porquê? Sozinhos não seríamos capazes de viver, somos seres sociais, e a força maior está em acreditar que sozinhos pouco podemos, mas juntos muito fazemos. Então é momento de pensar no outro, é momento de agir em pró do bem do mundo, é momento de trabalhar suas emoções se sentir que as mesmas estão descontroladas. É momento de tentar manter a calma, não entrar em stress porquê sabemos que o stress diminui o sistema imunológico e precisamos dele fortalecido.

Se estamos a fazer a nossa parte e a darmos ao mundo o melhor que carregamos dentro de nós, porque devemos temer? Sigamos com a esperança de que o próprio Universo se encarrega da normalidade e isso que hoje parece ser o fim, pode ser o grande começo de uma sociedade mundial mais humana, mais consciente e mais solidária.