Revista Statto

MANIFESTO MULHERE-SE: O QUE A MENSTRUAÇÃO TEM A MOSTRAR!

29/10/2019 às 17h44

Vamos lá mulheres…. Primeiro… quantas vezes por dia, por mês estou no automático? Como reajo aos meus desafios? Sei como me comporto e as energias que utilizo em diferentes situações ou sempre sou forte e guerreira, uma única face de mim? Há muito tempo atrás diversas culturas observavam os padrões de estados de espírito feminino em relação aos ciclos lunares. Sim, temos ligação com este satélite natural: a LUA. Sim, a LUA mexe com as aguas externas e com nossas internas. E sim, conseguimos guiarmos através dela e fazer um ciclo de lunação interno a partir das mudanças das fases da LUA. Se conseguirmos observar nossas sombras e anotar nossas emoções e sentimentos logo saberemos alguns padrões existentes em nós e consequentemente como lidar melhor com nossos humores. O acúmulo de conhecimento ancestral, transmitidos por meio da oralidade, nos mostram uma relação intima e profunda entre nosso ciclo menstrual e a Lua. Como? Estas informações são armazenadas em nosso centro de poder: o útero, e é dali que vem toda nosso “sexto sentido”. Quando uma mulher tem conhecimento sobre suas 4 fas(c)es internas, ela acessa uma nova forma de compreensão sobre seus processos internos e inicia uma jornada onde vive seu próprio ritmo e não aqueles ditados pela sociedade ou cultura local. Este conhecimento ou melhor, reconhecimento está no nosso ciclo menstrual ou melhor ainda, ciclo de lunação como diziam nossas antepassadas. Nesta jornada, o sangue menstrual deixa de ser tabu e passa a ser visto de forma mais empoderada ou com mais poder. Sentir como se nós mulheres tivéssemos (e temos!) um terapeuta orgânico e visceral próprio que nos avisa como temos ou não que lidar conosco e com o mundo que nos cerca. Basta ser natural.

Mas o que este sangue tem a me dizer? Não gosto de menstruar!!!

AAAHHHH!!! Começamos os desafios, olhe para si e veja que, ao negar ou não gostar do teu sangue menstrual sela a primeira negação ao teu corpo de mulher sendo este exclusivo à mulher e ao teu útero que é o centro de maior poder do nosso corpo feminino. O que te incomoda neste período? O que ele representa pra você? O que lhe foi ofertado a respeito deste sangue? Já notou que sempre que falamos de menstruação torcemos o nariz? Sabes por que? É pasmem, não é o cérebro que deveria organizar e ditar nossas vidas e sim o estado de consciência interna localizado quatro dedos abaixo do umbigo! A tua mestre! Teu ciclo menstrual, teu ciclo lunar, tua roda da vida. Morte e renascimento todos os meses te mostrando o que deve ir embora e o que deve permanecer. Teus padrões errados e certos, tuas crenças que te limitam ter o maior potencial de força, vitalidade e amor. Teu sucesso e fracasso em todas as esferas da vida! Não seria (e é) maravilhoso cocriar a nós mesmas todos os meses e transmutar a nossa existência?

Há formas de ver e observar estes 4 quadrantes do ciclo que nos baseamos pelas 4 luas do céu (em uma primeira etapa). Cada quadrante, ou fase lunar tem arquétipos (deusas mitológicas, fantasias e lúdicas) para projetar uma explicação de como são as energias de cada fase e nos DES-culparmos pelos sentimentos e emoções, tão profundas que nos arrebate nas fases ovulatória, pré ovulatória, pré-menstrual e menstrual. Se não menstruar ou não tem o útero mais, lembre-se que a terra nos chama e nos acolhe ao se conectar com ela poderás ver que há mudanças pela LUA do ceu.

Este manifesto é um aviso amoroso e sincero para pararmos com nossas repetidas reclamações e realmente olharmos para nós e verificarmos o que podemos e como podemos nos tratar com mais respeito, amor e carinho. Um lugar de maior consciente que nos ajuda a recolher informações necessárias e gritantes que reverbera nosso chamado interno. La loba fala conosco a todo momento, mas esta desconexão como o sagrado em nós a deixou com um tom quase inaudível e não tenha dúvida que nossa intuição nunca falha. Esta voz interna nos ajuda a olhar para mais mulheres com sororidade, empatia e simpatia, sem julgamento pois somos muito parecidas em várias fases da vida. Ao descobrimos nossos arquétipos, faces e fases e compreender que somos cíclicas, acabam-se todo os preconceitos e crenças pois acolhemos a nós e aos por consequência aos demais.

Liberte-se e traga este poder à tua essência simples de mulher! Mulher-se!!! Ela está sempre a disposição de acolhimento e troca de saberes, recolha e acolha!

Compartilhe!
Pri Ilha

Por