Revista Statto

TÉCNICAS DE APRENDIZAGEM, MEMORIZAÇÃO E CONCENTRAÇÃO

14/06/2021 às 19h53

Nos dias de hoje, temos técnicas praticamente para tudo e que bom, pois as pessoas que buscam aprender, obter mais conhecimentos, ou até mesmo a busca por mais qualidade de vida em todos os setores, conseguem ter uma gama de material disponível, muitas vezes, gratuitamente na Internet.

Aprendendo as técnicas as pessoas conseguem colocá-las aos poucos em sua vida e a partir disso ocorre a transformação desejada, mas nem tudo são flores. Há sentimentos, emoções e um histórico implícito em cada ser humano, e isso contribui para uma melhora ou piora da vida do indivíduo, como por exemplo, a autoestima.

Quando damos muita prioridade às críticas que recebemos ao invés de valorizar os elogios, nós podemos travar frente a novos desafios e aprendizados, acreditando que não somos capazes, que não somos competentes, e por aí vai….

Com isso é importante identificar em você, como está essa sua relação entre o aprender, o novo e como você está absorvendo tudo isso, qual a finalidade desses novos aprendizados em sua vida ou se simplesmente você tem seguido a massa, em aprender tudo de tudo e não colocar em prática nada com nada.

É maravilhoso obtermos conhecimentos, entender a fundo assuntos que sempre nos interessaram, descobrir novos conceitos, pensamentos, ideias, mas também não podemos nos sobrecarregar com isso, fazendo disso uma competição, para provar isso a alguém, ou provar seu próprio valor ao mundo.

Para entender como começou a descoberta da aprendizagem, trarei 3 conceitos: o do Behaviorismo, o Humanismo e a Psicanálise – todas linhas teóricas dentro da Psicologia.

Aprendizagem vem do latim “aprehendere” que significa agarrar, pegar, apoderar-se de algo. Partindo desse pressuposto entendemos aprendizagem como um processo onde a pessoa “apropria-se de”, tornam-se seus, certos conhecimentos, habilidades, estratégias, atitudes, valores, crenças ou informações.

Nessa linha de pensamento, a aprendizagem está relacionada à mudança, à significação e à ampliação das vivências internas e externas do indivíduo. Ao que ele pode e necessita aprender dentro de cada cultura.

Aprender traz consigo a oportunidade de obter algo novo, incorporando isso àquilo que o indivíduo já tem em sua vida, o que possibilita a mudança nos conhecimentos já adquiridos.

Ela proporciona também a perspectiva de algo específico para cada pessoa, uma vez que ninguém aprende pelo outro ou da mesma forma. Cada pessoa é única em sua formação individual, mas, ao mesmo tempo, necessita dos outros para aprender e, portanto, para constituir a si.

Vygotsky dava ênfase ao processo de aprendizagem, ele defendia que esse é um processo crucial no desenvolvimento do homem, quando saímos da maneira primitiva de ser e viver para transformarmos nosso meio através das civilizações e das interações sociais.

  • Behaviorismo

B. F. Skinner (1904 – 1990 psicólogo norte-americano)

 “Para Skinner, eventos/comportamentos de caráter mental como o pensar, sentir, ouvir, ver, dentre outros, não são úteis para explicar a conduta humana. Embora não negue a existência desses eventos mentais, sua teoria defende que o ser humano é controlado por influências externas (meio) e não por processos internos”. [i]

  • Humanismo

Carl Rogers (1902 – 1987 psicólogo estadunidense)

Para o autor o tipo de relação que se estabelece entre as pessoas, desde o início da vida, é fator crucial de estruturação psicológica e de constituição do self, ou seja, de si mesmo. Contudo, salienta que o indivíduo tem um poder de autonomia intrínseca, sendo construtor de seu percurso pessoal. Acredita que o próprio sujeito é responsável por mudanças em sua vida por existir um mecanismo de autorregulação no desenvolvimento”.[ii]

  • Psicanálise

A Psicanálise aparece, então, como um referencial de compreensão do ser humano, trazendo importantes contribuições teóricas para a área educacional e promovendo uma reflexão ética em torno da prática pedagógica. Por conseguinte, não pode ser limitada a um conjunto de prescrições, de procedimentos, de técnicas ou de ações pedagógicas, pois entende o processo de ensino e aprendizagem construído nas relações do ser com o meio, em um complexo contexto intersubjetivo”. [iii]

Conceituei brevemente aprendizagem para que vocês percebam como funciona, dependendo de cada autor, a nossa obtenção de conhecimento.

Os objetivos de se aprender estão cada vez mais ligados ao:

  • Domínio cognitivo – conhecimentos, informações ou capacidades intelectuais – aqui possuímos as habilidades de: memorização, compreensão, aplicação, análise, síntese e a avaliação.
  • Domínio afetivo – sentimentos, emoções, gostos ou atitudes – aqui apresentam as habilidades de: receptividade, resposta, valorização, organização e caracterização;
  • Domínio psicomotor – uso e coordenação dos músculos – nesse item temos as habilidades relacionadas a: movimentos básicos fundamentais, movimentos reflexos, habilidades perceptivas e físicas e a comunicação não discursiva.

Mas como podemos absorver mais conhecimentos, de uma maneira mais objetiva, mais palpável? Será que é possível?

Cada indivíduo tem seu tempo e sua forma de aprender, uns leem várias vezes, outros escrevem, outros falam em voz alta, outros juntam todas essas “técnicas” e colocam em prática.

Não importa a tática, importa o que dá certo para você, mas como sempre podemos descobrir novas formas e torná-la uteis em nossas vidas, vou colocar as mais citadas em minha pesquisa para esse artigo.

Para muitos na hora do estudo a falta de concentração é um problema. Lugares poluídos de ruídos, muito movimentados, iluminação ruim, excesso de pensamentos, tudo isso pode influenciar.

A concentração está ligada à capacidade de manter a mente focada em um único pensamento ou tarefa, o que gera, como consequência, aumento de produtividade, a clareza do nosso objetivo, a otimização do tempo, respostas melhores e eficiência na entrega de tarefas e resultados. Porém não é natural na maioria das pessoas, por isso é importante estar atento.

Mas existem algumas técnicas que podem tornar-se suas aliadas:

  • Organize o local onde usará para seus estudos ou trabalho – tenha por perto tudo que será necessário a fim de não haver interrupções;
  • Faça intervalos a cada 1 hora, tome um café, olhe as redes sociais, mas sem perder o foco. Nosso cérebro capta melhor as informações nesse prazo de 60 minutos, depois ele “desliga”, então as pausas são importantes para manter o ritmo de aproveitamento;
  • Escolha uma playlist de música que você já conhece, músicas agradáveis que faça com que você se sinta calmo e te auxilie na concentração;

Na década de 60 o Dr. Georgi Lozanov – psiquiatra búlgaro que passou mais de 30 anos estudando o efeito da música na memória e no aprendizado – foi um dos primeiros estudiosos a descobrir o efeito mensurável no cérebro advindo da música. Ele percebeu que alguns estilos específicos de música podem realmente tornar seu cérebro mais receptivo ao aprendizado

  • Alimente-se bem para que você tenha energia e mantenha-se focado no que realmente precisa ser realizado. Uma fruta, uma barra de cereal, um suco entre as principais refeições já se torna eficiente. Mantenha-se hidratado, tenha por perto uma garrafa de água;
  • Tenha metas e estabeleça prioridades, não adianta ficar pulando de assunto, mantenha o foco. Coloque em uma lista o que é necessário estudar, suas dificuldades, suas facilidades e assim alterne de um assunto mais complexo para outro mais fácil. Estabeleça horas de estudos e dentro desse período estude um único assunto;
  • Vigie seu sono – dormir bem se faz essencial. Pesquisas já revelaram o quanto à qualidade do nosso sono interfere em nossa vida, então não adianta se arrastar noite a fora, é preferível você ter metas e um cronograma claro e objetivo de estudos e segui-lo a risca;
  • Tire de perto todo tipo de distração: celular, televisão, redes sociais. Lembre-se você só pode dar aquela olhadinha rápida no seu intervalo e não dentro do tempo reservado para seu estudo;

É importante também que sua meta não seja inatingível, pois você poderá procrastinar e gerar assim ansiedade ocasionado por puro desanimo. Você também poderá se sentir muito pressionado e frustrado em não estar dando conta de tantas tarefas, por isso é primordial que você tenha regras claras:

  • Quanto tempo tenho para me focar nesse assunto que quero aprender?
  • Como dividirei meu tempo?
  • O que eu preciso para aprender isso?

Isso fará com que você alcance sua meta sem ansiedade, estresse, e excesso de energia despendida à toa.

Ok! Você já leu sobre aprendizagem, encontrou técnicas para colocar em prática a fim de melhorar sua concentração e agora como memorizar tudo que você aprendeu, estudou?

Em 2020 participei da Semana de Saúde Mental com o psiquiatra o Dr. Marcos Abud, para mim um dos melhores profissionais da atualidade. Em uma de suas palestras ele ensinava o método PA PE LA RE que é utilizado para memorização e estudo.

PA – Passe o olho no material que você tem que estudar, observe títulos e subtítulos, obtenha uma visão geral sobre o assunto que irá aprender;

PE – Baseada nessa visão geral que você acabou de fazer, elabore perguntas que gerem seu interesse em responder e saber mais quando se aprofundar na leitura do material;

L – Leia o texto com atenção, tenha em mente seus questionamentos, MAS nada de anotar, agora você está consumindo o conteúdo;

A – Apresente o que você acabou de estudar as outras pessoas, fale tudo que você absorveu da sua leitura concentrada. Nesse momento você pode anotar aquilo que encontrou dificuldade em explicar, aquilo que não ficou muito claro e certo para você;

RE – revise o texto, assim como suas anotações 1 ou 2 dias depois desses 4 passos anteriores. Uma boa noite de sono te auxiliará a armazenar melhor as informações. Responda suas questões, faça anotações, anote palavras chaves. Revise o texto o esmiuçando, quantas vezes forem necessárias.

Pronto agora você tem muitas técnicas para colocar em prática, e vamos combinar, são bem fáceis e atingíveis!

Então, bons estudos!!!!

Fonte:


[i] Psicologia da Aprendizagem – Ana Ignez B.L. Nunes e Rosemary Do Nascimento Silveira.

[ii] Psicologia da Aprendizagem – Ana Ignez B.L. Nunes e Rosemary Do Nascimento Silveira.

[iii] Psicologia da Aprendizagem – Ana Ignez B.L. Nunes e Rosemary Do Nascimento Silveira.

https://educador.brasilescola.uol.com.br/trabalho-docente/o-que-e-aprendizagem.htm

https://www.ibccoaching.com.br/portal/10-dicas-de-como-aumentar-concentracao-no-trabalho/

Semana de Saúde Mental – Dr. Marcos Abud – médico psiquiatra – setembro/2020.

Compartilhe!
SOBRE O AUTOR

Por

POSTS RELACIONADOS
COMENTÁRIOS

0 Comentários

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

IMPORTANTE!
As informações recebidas e publicadas são de responsabilidade total de quem as enviou. Apenas publicamos as matérias e notas que as assessorias de imprensa nos passam. Qualquer problema, envie-nos e-mail relatando o ocorrido que transmitiremos aos devidos responsáveis.
desenvolvido porDue Propaganda