Revista Statto

DEPRESSÃO: O SILÊNCIO PEDE SOCORRO!

18/06/2019 às 09h26

Estás deprimido? Existe alguém próximo de você que está deprimido?

Por que na maioria das vezes nos damos conta disso tarde demais? Convivemos, dormimos, trabalhamos e somos íntimos dessa pessoa sem percebermos que o mesmo clama por ajuda!

Muitas vezes, a busca incessante pelas realizações dos desejos faz com que o indivíduo desorganize-se diante das várias demandas impostas pela sociedade. Diante desse quadro o sujeito pode desanimar-se ao ponto de perder o interesse pela vida, considerando-se impotente e incapaz. Portanto, nem sempre é possível perceber o sentimento que a pessoa vem vivendo.  O indivíduo luta entre a angústia interior e a falsa alegria exterior. Sendo assim, vive aparentemente representando papéis irreais, usando máscara de falsa felicidade, vivendo em seu íntimo a mais profunda melancolia e solidão. Vale ressaltar que nem sempre a depressão será caracterizada por tristeza persistente aparente. No entanto, existe uma ideia social de que a depressão se expressa somente pela tristeza, isolamento e infelicidade.

Possui sim, algumas características que podem anunciar uma patologia grave ou apenas sintomas que o individuo apresenta diante de uma situação comum de seu cotidiano. Considerada como uma das alterações afetivas ou doença psiquiátrica mais estudada e comentada, visto como um transtorno de humor, surge modificando o comportamento do individuo e a percepção de si mesmo. Considerada por muitos autores como a doença do século, repercutindo com altíssimos índices de depressão na população mundial. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), depressão é uma doença incapacitante que atinge cerca de 17 milhões de pessoas somente no Brasil.

 

É causada por fatores internos e externos do individuo. Ocorrendo internamente alterações químicas nos neurônios cerebrais, causando uma diminuição de neurotransmissores como: noradrenalina, serotonina e dopamina. Além disso, existem “gatilhos externos” que podem desencadeá-la, como um acontecimento triste, ou somente imaginável, fantasioso. Os indivíduos que têm histórico familiar cujos sofreram perdas ou luto na infância estão mais suscetíveis à doença. Entretanto, os que não apresentam a doença sofrem, ficam tristes, mas encontram uma forma de superar as adversidades da vida. Contudo, nos quadros de depressão, na maioria das vezes essa melancolia se apresenta profunda e contínua sem ter uma causa específica. Praticamente o humor permanece deprimido por vários dias, desaparecendo o interesse pelas atividades antes consideradas satisfatórias e prazerosas.

É fundamental que as pessoas próximas atentem as alterações comportamentais e mudanças de rotinas do individuo, pois, nem sempre são perceptíveis. Quem sofre de depressão tem a sensação de não possuir controle sobre sua vida e que jamais conseguirá realizar algo. Os deprimidos identificam-se como pessoas extremamente desamparadas, não conseguindo buscar e aceitar ajuda na maioria das vezes.

Os quadros de depressão variam de intensidade e duração e podem ser classificados em três diferentes graus: leves, moderados e graves. Não existindo faixa etária para desencadear a doença, porém, as mulheres parecem ser mais vulneráveis aos estados depressivos em virtude da oscilação hormonal.

Como observamos a depressão não apresenta causas aparentes e fixas, sendo instáveis e singulares. Geralmente apresenta-se como uma doença silenciosa, podendo surgir concomitantemente com outras doenças físicas e psíquicas.

Caso não tratada, pode provocar diversas consequências, que vão da perda de relacionamentos amorosos e de amizade, perdas financeiras e profissionais, em casos mais graves, pode levar ao suicídio. Dessa forma, tanto para o diagnóstico quanto o tratamento é fundamental buscar ajuda de profissionais capacitados, psicólogos e psiquiatras. Salienta-se a importância de amigos e familiares conhecerem o mecanismo da doença e como agem os tratamentos. O investimento afetivo de familiares e amigos são de extrema importância, qualquer gesto de apoio pode fazer grande diferença na vida do indivíduo.

Vamos abrir os olhos, ouvidos e o coração com carinho, sejamos empáticos, depressão é uma doença grave!

Lembre-se: A depressão tem tratamento. Busque ajuda! Ajude!

Por Suséli Santos, Psicóloga CRP: 07/28.294.

Compartilhe!