Revista Statto

RECONHECIMENTO NO TRABALHO

16/08/2019 às 15h02

Combustível vital para resultados satisfatórios

       

Sua empresa é renomada no mercado. Você selecionou os melhores profissionais, capacitou-os para desempenharem da melhor forma suas funções? E não tem a produtividade e resultados desejados? Contudo quando foi que você reconheceu o trabalho realizado por eles? Qual forma está usando para estimular o reconhecimento? E o que pensa sobre este assunto?

O reconhecimento no trabalho pode ser visto como um operador de saúde do trabalhador.  Considerado como um dos fatores que influenciam o prazer no trabalho, através dele percebe-se satisfação, bem-estar e motivação dos colaboradores. Possivelmente quando não ocorre o reconhecimento o colaborador demonstra desinteresses, descontentamento e falta de motivos para desenvolver suas tarefas.

Considerando que o reconhecimento fortalece a identidade do sujeito, no caso de ausência dessa retribuição simbólica, a vida profissional do sujeito possivelmente não tenha significado dificultando suas tarefas diárias.

Pesquisas revelam que colaboradores quando se sentem reconhecidos, conseguem reconhecer-se no que fazem e assim transmitir confiança, estando mais seguros para enfrentar com prazer o dia a dia de trabalho, trazendo resultados positivos para ele e para a organização.

Porém, ressalva-se que quando o fator reconhecimento não é considerado uma prática pelos superiores e para mudar essa realidade em relação ao reconhecimento hierárquico/vertical se faz necessário um maior preparo e conscientização dos gestores em compreender a importância do reconhecimento como um dos aspectos importantes que constituem a dinâmica contribuição/retribuição.

Desta forma, considerar o reconhecimento como uma estratégia de bem-estar e motivação, vai levar o colaborador a ter mais prazer e satisfação em desenvolver seu trabalho. Como consequência, haverá o fortalecimento da cooperação e encorajamento ao enfrentamento do novo, o que possibilitará um resultado na entrega de um trabalho de excelência e qualidade.

Tanto o reconhecimento, a cooperação e o uso da inteligência prática devem ser reforçados e maximizados, revigorando algumas práticas existentes e criando outras que fortaleçam esses aspectos, com o objetivo de melhorar resultados e principalmente o conforto dos trabalhadores. É importante ressaltar que para a psicodinâmica do trabalho, o prazer no trabalho está fortemente vinculado à saúde do trabalhador.

A prática do reconhecimento no trabalho pode manifestar-se em diferentes níveis de interação social no contexto organizacional. Cada um com suas especificidades e objetivos diferenciados, destacando-se:

O nível macroinstitucional seu foco consiste em reconhecer o trabalho coletivo dos trabalhadores de uma organização por meio de políticas e programas implementados. Assim, os superiores têm um papel imprescindível nas definições das bases, saber ser e saber fazer, devendo planejar os comportamentos dos membros da organização, apresentando coerência entre o discurso e a prática;

O nível vertical, hierárquico: consiste em reconhecer o trabalho do subordinado e vice-versa. Nesse nível alguns problemas são recorrentes. Do lado da chefia, o exercício do reconhecimento tem sido sinalizado por iniciativa residual; desconfiança da perda de poder; ceticismo, um relacionamento sub-bases mais igualitárias; desconhecimento, devido ao distanciamento, do trabalho real do subordinado; dificuldade para pronunciar corretamente os sentimentos; despreparo profissional da chefia para lidar com a temática devido à falta de investimento da própria organização.

Já para o nível horizontal o foco traduz- se no exercício do reconhecimento entre pares, colegas de trabalho. Sua eficácia aumenta consideravelmente, pois o reconhecimento é feito por alguém que está próximo e conhece o trabalho real da pessoa reconhecida. Os novos modelos de gestão do trabalho, em peculiar sobre certos enfoques da organização do trabalho, tem reduzido a prática dessa especificidade entre outros motivos, pelo estimulo intenso de competitividade entre pares.

No nível externo o foco consiste no reconhecimento originário das relações interpessoais especificadas com clientes, usuário de serviço público, fornecedores, consultores e auditores externos etc. Em muitas situações, quando as condições de trabalhos são impróprias e os superiores não reconhecem o trabalho, os trabalhadores podem encontrar nas relações externas as fontes de reconhecimento.

Para finalizar no nível social o foco consiste no reconhecimento que provém das relações entre os trabalhadores, a comunidade e as organizações pública privadas.

Outro aspecto relevante sobre reconhecimento é relatado em estudos de onde mostram o vínculo entre alguns sentimentos, como a gratidão, onde é expressa em estado permanentemente de agradecimento.  De tal modo a gratidão auxilia trazendo significados satisfatórios para vida do sujeito, tornando-o mais feliz.  Percebe-se o fortalecimento dos relacionamentos, quando expressa-se gratidão aos outros e quando o trabalho coletivo é considerado muito significativo para o desenvolvimento das tarefas   diárias.

Além do mais, o reconhecimento do fazer confere ao trabalhador um sentimento de pertença a um coletivo, a uma equipe ou a um ofício. O reconhecimento se cria através do ato de agradecer as contribuições do colaborador com a organização, priorizando que este agradecimento deve ser específico para aquele sujeito. Assim vindo a colaborar com a formação da identidade da pessoa no trabalho como consequência este ato de reconhecimento vem contribuir positivamente para o futuro da organização.

É comprovado: o reconhecimento é uma das principais formas de estímulo que uma pessoa pode ter. Invista em seus colaboradores, e terá resultados satisfatórios em seus negócios, este é o segredo!

 

Referências contributivas:

(FERREIRA; MENDES; LIMA; FACAS, 2011; CLOT, 2010); LIMA, 2013; DEJOURS ,2001; COSTA, 2013; SOUSA, 2016; CARVALHO, 2017; PALLUDO E KOLLER, 2006)

Compartilhe!