Revista Statto

AUTOCONHECIMENTO

14/02/2019 às 14h13

Uma palavra em uso constante.
Todos falam da importância de autoconhecer- se.
Vamos falar sobre isso…
Porque eu acredito que, quando sentimos a benesse das coisas, nós aderimos com facilidade, mesmo quando não tenhamos o conceito de pelo menos BOM.
Vou usar exemplos simples como: Comer o que dizem fazer bem, mas não gostamos, difícil de entrar para o nosso cotidiano. Fazer yoga, meditação ou exercícios físicos, caminhadas, quem sente o prazer o faz sem problemas, os outros carregam a grande culpa (não consigo sentir o que dizem)
Voltemos ao autoconhecimento.
É muito difícil nos conhecermos em um mundo onde a regra é: “se você pensar em você…  Você é egoísta”.
Como posso me saber sem me olhar constantemente, porque o mundo me questiona o tempo todo, me pede escolhas o tempo todo.
Eu preciso saber o que me diz respeito, mas não tenho tempo nem permissão para saber do que gosto, sempre tem alguém me dizendo o que é bom para eu me tornar isto ou aquilo.
Na verdade, as coisas mudam tanto e nós também mudamos, que este conhecer-se se torna cansativo e mutável. Parece-me mais saudável se pudermos escutar a nós mesmos no momento de decidir algo, independentemente de qualquer coisa temos sempre a sensação particular sobre tudo, sabemos se algo é nos agradável ou não, correto para nós, naquele momento ou não. Precisamos sim é saber com educação e maturidade revelar aos outros a nossa postura em relação a qualquer coisa. Deixar claro educadamente o que nos pertence é de um valor inestimável, requer habilidade e segurança.
Como adquirir este status …
Simplesmente treinando respeitar a opinião do outro, aprender que nada é pessoal, mesmo que a ação do outro sirva como uma luva para eu sentir meu problema do momento não é difícil.
Não se faz necessário tanto conhecimento de si próprio para sentir, basta estar ligado em si e ter compaixão pelo outro, porque podemos aprender com a dor alheia.
Vale aqui um parêntese sobre as “PATIAS”
Antipatia, Apatia, Simpatia, Empatia …  Misericórdia e Compaixão.
Antipatia – Você sente aversão ao problema alheio.
Apatia – Você não vê, absolutamente o outro, muito menos o problema.
Simpatia – Você sente solidariedade pelo outro e seus problemas…
Empatia – Você é capaz de se colocar no lugar do outro até sente muito, mas não faz o movimento para participar da solução do problema.
Misericórdia – Você até reza pelo outro e até é capaz de não atrapalhar.
Compaixão – existe um real interesse, existe ação para com o outro, comprometimento com sua colocação no mundo. Há participação com a vida.
Portanto este autoconhecimento tão em moda e tão chato de se fazer que requer tanto trabalho é no dia a dia que ele interessa, são nas reações que temos que é importante perceber, como nos sentimos com o que realmente nos fala algo.
Mesmo porque cada um dá a dimensão devida ao acontecimento e não devemos sentir culpa pelo tamanho da reação que nos causa já que ela se faz por uma construção particular da vida de cada um e está construção se dá pelos conhecimentos que se adquire das coisas, quanto mais nos informamos mais qualidades para conceitos temos e mais fácil se dá a compreensão.
Por isso a importância de nos aculturarmos, a importância das leituras seja de livros ou pessoas ou acontecimentos.  Saber ler é saber observar, saber pensar, dar significado, é dar importância ao que nos causam os atos fora de nosso controle.
OBS valiosa: Sempre e toda a vez que não entendemos algo, repetir várias vezes faz com que o cérebro conceitue e adquira significado.  Ex: Você lê algo e não tem sentido para você, releia quantas vezes precisar até sentir que o significa. Você não entendeu algo que lhe disseram, escreva e leia até fazer sentido…
Aplique a tudo (que puder) até entender.

Eu sou Jizanne, Psicóloga, Hipnóloga, Terapeuta.
Meu e-mail: jicarbonell@yahoo.com.br
Jizanne Carbonell

Compartilhe!