Revista Statto

QUAIS CIRURGIAS PLÁSTICAS PODEM SER REALIZADAS DURANTE A PANDEMIA?

31/05/2021 às 14h12

No país que mais realiza procedimentos estéticos no mundo, encontraram-se maneiras de deixar as salas de operação funcionando, mesmo com restrições

No começo do período da pandemia, todas as cirurgias eletivas, ou seja, que podem ser adiadas sem comprometer a saúde do paciente, foram suspensas. Claro, isso incluiu o mundo das cirurgias plásticas. Porém, conforme o número de casos foi diminuindo os procedimentos foram autorizados novamente e muita gente decidiu aproveitar o momento em casa no ano passado para fazer aquele ajuste na aparência.

Mas, agora que infelizmente voltamos a um momento grave da doença no país, como fica o cenário para quem deseja fazer algum tipo de cirurgia que não envolve a saúde? É possível se planejar para algo assim nas circunstâncias atuais?

Uma solução que foi encontrada não só no Brasil, mas também em outros lugares do mundo, são os hospitais com fluxo Covid-Free”, explica Dra. Patricia Marques, cirurgiã plástica e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. “Com alas preservadas sem a Covid-19, se tornou possível realizar tratamentos de diversos tipos, até além dos estéticos”, complementa.

Marques explica que clínicas que aplicam o método realizam constantemente o teste do RT-PCR, que irá determinar se os profissionais da equipe se encontram livres do vírus, e devem ser certificadas pelo Instituto Brasileiro para Excelência em Saúde (IBES). Antes de qualquer cirurgia, médicos, enfermeiros e o próprio paciente também devem passar pelo teste.

A especialista destaca, porém, que mesmo assim nem todas as cirurgias estão sendo aprovadas, apenas as de médio e pequeno porte. “Esse tipo de procedimento requer pouco, ou por vezes nenhum tempo de internação, minimizando bastante a exposição do paciente”, esclarece.

Então é possível realizar uma lipo num lugar estratégico, colocar implantes nos seios ou até dar aquela ajeitadinha no nariz, mas outras cirurgias mais complexas, com maiores riscos de sangramento e complicações devem ser evitadas no momento, principalmente pela falta de leitos nas UTIs.

Além disso, não só deve ser feito o teste para detectar o coronavírus, mas também exames para que o médico determine se o paciente está com uma boa saúde para prosseguir com esse tipo de risco, mesmo que ele seja mínimo. “Não recomendamos que pacientes imunossuprimidos, com doenças cardíacas ou idosos por exemplo, se submetam a intervenções cirúrgicas a não ser que seja necessário”, afirma.

A cirurgiã deixa claro que não há nada de errado em querer melhorar a estética, desde que se respeite o isolamento social e os demais protocolos sejam seguidos à risca. “Buscando um profissional qualificado e uma clínica certificada pelo IBES, é possível realizar a cirurgia plástica sem preocupação”, finaliza.

Sobre a Especialista:

Doutora Patricia Marques (CRM- SP 146410) é graduada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com especialização em reconstrução de mama e cirurgia linfática no Hospital Santa Creu i Sant Pau em Barcelona, e complementação em cirurgia reparadora de mama, cabeça e pescoço no Hospital Memorial Sloan-Katering Câncer Center, em NY, EUA.

————————————————————————-

Rafaela Costa

Máxima Assessoria

Compartilhe!
SOBRE O AUTOR
Revista Statto

Por

POSTS RELACIONADOS
COMENTÁRIOS

0 Comentários

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

IMPORTANTE!
As informações recebidas e publicadas são de responsabilidade total de quem as enviou. Apenas publicamos as matérias e notas que as assessorias de imprensa nos passam. Qualquer problema, envie-nos e-mail relatando o ocorrido que transmitiremos aos devidos responsáveis.
desenvolvido porDue Propaganda