Revista Statto

Adede y Castro

08/04/2019 às 08h57

ADEDE Y CASTRO: quem é ele?

Manifestação suprema de pretensão é quando o cara chega na sala de aula ou palestra e diz: vocês todos me conhecem! Daí, para recoloca-lo em seu lugar, um gaiato diz, bem alto: eu nunca ouvi falar de ti. Tóiiiin!

Por isso, a pedido de alguns poucos, resolvi fazer um pequeno texto para dizer quem eu sou.

Sou João Marcos Adede y Castro, nasci em Sobradinho (não vou dizer quando, caso contrário todos vão saber como eu sou velho!), de uma família grande de sete filhos e pobre. Meu pai era funcionário da CEEE e minha mãe funcionaria de escola de ensino fundamental.

Ninguém acreditou que eu seria aprovado no vestibular, mas vim para Santa Maria e pimba, passei. Ingressei na Faculdade de Direito da UFSM em 1975 e me formei em 1979. Advoguei por dois anos, período em que fiz o concurso para o cargo de Promotor de Justiça, quando, como sempre, todo mundo dizia que eu não seria provado. Pimba, de novo.

Exerci a função de Promotor de Justiça por quase trinta anos, aposentei-me em 2011 e voltei a advogar em 2012.

Nesse tempo todo tive tempo para ter cinco filhos e escrever, até hoje, trinta livros, a maioria na área jurídica. A única coisa que não fiz foi plantar uma árvore. Quer dizer, plantei, mas como tenho mão pobre para essas coisas, nenhuma vingou. Lecionei em Universidades privadas por quase vinte anos e fiz mestrado e dois doutorados.

Ingressei na Academia Santa-Mariense de Letras em 2008 e já estou no terceiro mandato como Presidente, tendo exercido ainda o cargo de tesoureiro, função na qual quase quebrei a ASL (brincadeira).

Dá para ver que sou um homem sério tentando, sem sucesso, fazer graça.

Conforme a canção do Erasmo, “todos me dizem quando fico sério: Ele é um homem e entende tudo. Por dentro com minha alma atarantada, sou uma criança e não entendo nada”.

Esse sou eu.

Quanto aos meus defeitos, não vou falar, porque eles saltam aos olhos e são de domínio público.

Em tempo, eu continuo pobre!

Compartilhe!