Revista Statto

TEMPERE A SUA VIDA COM EQUILÍBRIO MAIS SAÚDE E MAIS FELICIDADE

31/12/2021 às 17h05

É costume ouvirmos os vários especialistas em saúde, dizer que não devemos consumir muito sal, porque este nos faz mal e eleva a tensão arterial, além de causar outros distúrbios fisiológicos, sobretudo à função dos rins.

Mas a falta de sal também altera o equilíbrio do nosso metabolismo iónico, reduz a absorção de cálcio, enrijece as articulações, desnivela os sucos digestivos e reduz o nível de felicidade.

A composição do sal (NaCl), resulta da reação de um elemento ácido com um elemento base e que juntas se tornam numa solução neutra de cloreto de sódio, o vulgo sal de cozinha, bastante abundante na natureza e usado no passado como forma de preservar os alimentos em salmoura, guardados em arcas de madeira ou ânforas de barro.

Precisamos do sal, ele é uma substância inorgânica mineral que contém propriedades vitais para a vida do planeta e de todos os seres vivos.

Faz parte da lista dos oligoelementos que dão suporte ás principais funções do corpo humano.

Os oligoelementos são microelementos vitais e essenciais que formam a estrutura principal do nosso corpo e que atuam nas funções metabólicas do equilíbrio hormonal, produção de enzimas, hidratação celular, regulação do ph, transporte de oxigénio, auxiliam os processos gastrointestinais, nivelam a filtragem dos rins e do fígado eliminando as toxinas do sangue, melhoram a circulação sanguínea e regulam a pressão arterial e a frequência cardíaca, dão suporte á saúde dos neurónios relacionada com a confusão mental, ansiedade, depressão, irritabilidade e dores de cabeça.

Os organismos vivos não conseguem produzir sal naturalmente e por isso devem retirar esses nutrientes de fontes naturais de origem vegetal ou animal.

No corpo humano, o sódio da composição salina participa no bom funcionamento das células nervosas, atuando junto com o potássio, magnésio e o cálcio, além de participar na absorção dos aminoácidos essenciais, da glicose e da água. Ele é o elemento da fluidez, que nos mantém ágeis, flexíveis, ativos e úteis.

Um terço do sódio do corpo está armazenado nos ossos e o baço é considerado o órgão do sódio.

Quando um doente me procura porque sofre de alterações do metabolismo funcional, uma das minhas preocupações é avaliar o estado do sódio, para poder então ajustar a regulação de todas as outras funções que possam estar a sofrer alteração devido a carência ou excesso do sódio.

Um dos sintomas comuns da deficiência do sódio, é a melancolia, depressão, sensação de inflamação, falhas de memória, apatia e dificuldade em concentração, osteoporose acentuada. Isto é muito comum encontrar na população idosa, a quem por norma os profissionais de saúde retiram o sal, para manter nivelada a tensão arterial, ou na população de pessoas que são vegetarianos e não incluem o sódio no preparo dos alimentos.

Já o oposto, o excesso de sódio, pode afetar o nível de humor causando irritabilidade, a secreção biliar e os sucos pancreáticos reduzem e o corpo perde a homeostasia, acidificando ou alcalinizando demais.

Consumir sal de cozinha, apesar de tudo não é a melhor opção, por causa dos processos de refinação e de tratamento que o tornam tóxico para nosso consumo diário.

Uma alimentação rica em sódio, se associada ao enxofre da composição de algumas frutas, auxilia o trato intestinal, melhora o movimento peristáltico do intestino, a qualidade da pele, as funções sexuais, auxilia a produção de sucos digestivos e pancreáticos, prevenindo ao surgimento de muitas doenças.

Aconselho por isso, a incluir diariamente na sua alimentação, o maior número possível de nutrientes alimentares ricos em sódio como: maçã, beterraba, aspargos, damasco seco e fresco, folhas verdes (salsa, alecrim, coentros, manjericão), repolho, couve de bruxelas e couve verde, côco em água ou seco, tâmaras, algas vermelhas, figo seco e fresco, lentilhas, quiabo, azeitona, morangos, sementes de girassol e sementes de sésamo ou de gergelim.

Além dos alimentos existem várias formas de consumir sal com benefícios para a saúde

O sal há muito que é usado como forma de tratamento, sobretudo em pessoas com doenças respiratórias, de pele e mentais. São os chamados tratamentos de haloterapia, realizados em grutas ou minas de sal, onde se inalam pequenas partículas de sal. Em muitos Spas usa-se o sal para fazer exfoliação corporal de forma a limpar a pele de toxinas, ou a toma de sal de epson(amargo), composto por sulfato de magnésio com propriedades anti-inflamatórias e relaxantes que favorecem a produção de serotonina.

Mas este tempero cobiçado por todos os povos do mundo, tem várias cores, aspetos e finalidades terapêuticas, além do seu valor culinário e de classificação gourmet.

Podemos classificar o sal da seguinte forma:

Sal Refinado de cozinha

Sal Light

Sal do mar morto

Sal Marinho

Flor de Sal

Sal Rosa do Himalaia

Sal Negro da India

Sal Vermelho do Havaí

Sal Negro do Havaí

Gersal

Sal Defumado

Sal Kosher

Sal Maldon

Sal Epson

Quase todos os meus pacientes saem do consultório com um pequeno tubinho de sal, de uma destas escolhas da lista acima, para usarem diariamente uma pequena pepita em baixo da língua ao acordarem.

A razão da aplicação sublingual deve-se ao fator de rápida absorção, pelo contato dos capilares sanguíneos.

Quando existe falta destes oligoelementos, a forma mais rápida e eficaz de fazer a sua reposição é utilizar o sal com estas propriedades.

É na língua que começa a digestão, a nossa saliva contém imunoglobulina secretória (IgA), que age na proteção do organismo contra os vírus que invadem o trato respiratório e digestivo.

A OMS recomenda que se consuma até 5 gramas diárias de sal, para que este não se torne num vilão para a nossa da saúde.

Ao associarmos as propriedades do sal no começo do dia, estamos a usar o poder do corpo como forma de prevenir e tratar uma série de doenças, ao atualizarmos diariamente o nosso software antivírus, além de melhorarmos o nosso estado de “Felicidade e Bem-Estar”.

Ser feliz e saudável requer persistência, resiliência, elevar o senso de respeito pelo nosso semelhante e contribuir para a sustentabilidade do planeta.

Se cada um de nós fizer diariamente uma pequena parte, juntos seremos a força motriz da mudança. Global.

No dia 1 de Janeiro do ano de 2022 começa a contagem de mais 365 dias cheios de  novas possibilidades

Paula Mouta

Compartilhe!
SOBRE O AUTOR

Por

POSTS RELACIONADOS
COMENTÁRIOS

0 Comentários

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

IMPORTANTE!
As informações recebidas e publicadas são de responsabilidade total de quem as enviou. Apenas publicamos as matérias e notas que as assessorias de imprensa nos passam. Qualquer problema, envie-nos e-mail relatando o ocorrido que transmitiremos aos devidos responsáveis.
desenvolvido porDue Propaganda