Revista Statto

FYRE FESTIVAL E O QUE PODEMOS APRENDER

13/06/2019 às 19h34

O documentário da Netflix é um ótimo case para todos os profissionais de comunicação, em especial o de eventos. Com o subtítulo “O Grande Evento que nunca aconteceu”, a produção retrata, através de depoimentos e imagens, todo o processo para idealização e organização (que não teve) do megaevento. Listei

SABER AONDE QUER CHEGAR

A ideia do Fyre Festival inicialmente era fazer a divulgação do lançamento de um aplicativo. Acontece que Billy McFaland (o empresário que idealizou tudo) se perdeu no meio (no início na verdade) do caminho e o evento de lançamento de tornou para ele o que seria o maior festival de luxo de música. Sem objetivos claros não tem como saber aonde se quer chegar! Aquele velho ditado já nos ensinava: para quem não saber o que quer, qualquer caminho basta. Fyre Festival é um exemplo disso.

PLANEJAR

Bom, talvez você não curta muito essa história de organização e planejamento. Mas quando falamos de eventos, isso é fundamental para que seja um sucesso! É o planejamento que permite uma maior visualização de cada atividade (que tem um motivo para ser feita) que levará ao seu objetivo! Por meio disso, você consegue listar todas as tarefas, e assim entender quanto tempo, qual a demanda financeira, e delegar as tarefas para que se dê conta.

A INFLUÊNCIA DOS INFLUENCIADORES

Todos já sabem disso, mas é preciso reforçar. O festival teve uma forte campanha de marketing nas redes sociais, contando com top models, influenciadores e celebridades, presentes não apenas no vídeo oficial, mas também em suas redes sociais pessoais. O engajamento foi orgânico e isso foi fundamental no processo. Os influenciadores, como em seu próprio nome, influenciam e afetam a vida das pessoas e, como em Fyre, a repercussão de um evento.

AMOR AO PRÓXIMO

O documentário tem um clima cômico trágico, mas é substituído por falas bastante sentimentais no final. Com o relato de Maryan Rolle, a dona do restaurante na ilha, fica difícil não se emocionar. Já havia percebendo ao longo do documentário, mas nesse momento notei como Billy de fato não se preocupava com as pessoas e todo o investimento que estavam fazendo. Precisamos aprender a ser mais empáticos e ter um olhar sobre o outro, ter um olhar sobre o ser humano e não apenas na profissão, na função, e naquilo que ela pode trazer de volta para você!

É um case para toda a comunicação, ensinando o que não fazer. No fim, ninguém lembra do aplicativo, já que não se tinha objetivos esclarecidos, um evento sem planejamento e uma publicidade prometendo algo que não sabiam como cumprir.

Documentário

Direção: Chris Smith

Ano: 2019

País: EUA

Compartilhe!