Revista Statto

INSTAGRAM ACABOU COM AS CURTIDAS

24/07/2019 às 08h52

O Instagram é uma das mais importantes redes sociais hoje e definitivamente é capaz de “causar”. Na quarta-feira, 17 de julho de 2019, ela iniciou um teste no Brasil que oculta o número de curtidas em fotos e visualizações de vídeos e dividiu as opiniões entre quem gostou da notícia e quem não.

Primeiramente, é preciso entender que a ocultação dos números não significa um fim definitivo das curtidas, como comentado por algumas pessoas, afinal, as curtidas continuam lá e cada usuário é capaz de visualizar clicando nas pessoas e vendo o número total de likes de cada publicação que ele fizer; a apenas os seguidores não conseguem ver o número exato.

Segundo uma pesquisa feita pela Royal Society for Public Health diz que o Instagram, foi apontada como a pior rede para saúde mental, por ser focada na imagem e gerar sentimentos de inadequação à vida perfeita, ansiedade por curtidas e depressão nos jovens. Esse teste, por tanto, conforme dito à imprensa pelo Instagram, tem como objetivo criar um ambiente com menor pressão, em que as pessoas se sintam confortáveis em se expressar e também, evitar a competição na plataforma.

E isso revela algo muito importante: que se trata de uma rede social, sobre comportamento, e não sobre ferramentas. Por se tratar de uma rede SOCIAL, o foco deve ser a socialização de fato, tanto nos comentários, quando no inbox, já que a interação por like se trata apenas de um clique. Um post agora não vai ser bom apenas pelo número de curtidas, mas pela sua relevância, o quantos as pessoas interagiram, e assim os comentários terão um grande peso daqui para gente. É o engajamento.

Para as agências de comunicação e influenciadores, isso pode impactar no trabalho deles, pois as curtidas e visualizações estão dentro dos KPIs utilizados para medir a capacidade de engajar dor criadores de conteúdo, pode ser uma métrica para a escolha daqueles que cabem melhor nas estratégias dos clientes.

O que inicialmente pode dificultar a mensuração e seleção dos números, já se sabe que eles não são capazes de medir a entrega de um canal ou campanha levando em conta apenas o número de curtidas. Ou seja, agora sim o olhar estará focado no conteúdo e comentários e como o criador de conteúdo é relevante e produza algo que agregue valor e façam sentido para os públicos.

Em suma, por enquanto se trata apenas de um teste, não é uma medida definitiva, mas que traz discussões e mudanças significativas. Assim como no episódio Nosedive (Queda Livre), de Black Mirror, em que os likes definem quem as pessoas são, é preciso refletir sobre como estamos imersos nesse mundo e como encaramos a vida que levamos com as redes sociais.

Compartilhe!