Revista Statto

O NATAL É O QUE FAZEMOS DELE

30/01/2020 às 11h44

Em algum momento, não lembro quando, já falei sobre esse assunto em uma crônica. Portanto, não me acusem de autoplágio, pois é apenas a reiteração de um assunto que me é muito caro.

Apesar de todos os esforços de meus pais, o Natal não foi uma época de presentes para mim e meus irmãos. Mas, sem sobra de dúvida, foi uma sequência muito importante de convivências na pobreza material carregada de momentos de muita união, respeito e esperança no futuro que o trabalho, a dedicação e a instrução formal se encarregaram de realizar.

Não nego que sofria muito ao ver colegas de aula e filhos de vizinhos carregados de presentes, bonecas, caminhões, piões e outros objetos reluzentes e coloridos, quando o máximo que podíamos almejar no dia do Natal era um almoço em família em que cada um ganhava uma garrafa de refrigerante furada na tampa com um prego para durar mais.

Mas, tenho que admitir que hoje sei a importância dos não-presentes, pois me ajudou a entender que o Natal não é, obrigatoriamente, ganhar objetos de valor material, mas de conviver, de estar juntos, de se abraçar, de se perdoar de pequenas e grandes ofensas, de recomeçar em paz e na harmonia.

Podemos optar em relacionar os maus momentos, que esses existem, dos erros, das tristezas, das mortes de amigos e conhecidos, ou pensar que estamos vivos e juntos àqueles que amamos e nos amam. Sempre haverá maus momentos, que não devem ser desprezados, mas utilizados para iluminar nossos caminhos e nos orientar para o futuro.

Não desprezo os presentes (estou aberto a esse sacrifício, viram?), mas nesse e em outros Natais só quero estar vivo e junto dos meus filhos, da minha esposa, dos meus amigos. Os meus inimigos? Talvez existam, mas não guardo mágoas, tento entender os seus motivos porque sei que eles também têm motivos para não gostar de mim.

Não há mal algum em comprar e distribuir presentes, mas esses devem ser recebidos como uma demonstração de carinho, tipo “oi, querido, lembrei de ti, tu és muito importante para mim! ”.

Faça do seu Natal um momento de luz, de paz, de carinho.

O Natal é o que fazemos dele.

Compartilhe!