Revista Statto

UTOPIA É ACHAR QUE POR TRÁS DE UM SORRISO HÁ UMA PESSOA FELIZ O TEMPO TODO

24/08/2020 às 21h40

Vejo uma necessidade absurda de estar bem o tempo todo. Eu, você o João e a Maria. Todos nós “engolimos o choro” e seguimos em frente. “Ahhh, mas é feio chorar. Ser forte é guardar o choro para si e fingir que está tudo bem”. Que besteira. Utopia é achar que por trás de um sorriso há uma pessoa feliz o tempo todo.

A gente chora, sofre, e como sofre e ainda somos obrigados a engolir o choro. Quer dizer que minha vida tem que ser perfeita ao ponto de não ter um tropeço se quer? Impossível. A vida é uma eterna oscilação, cheia de altos e baixos. Quando a roda gigante da vida está girando e estou sentada lá em baixo, tenho o direito sim de chorar. E isso não vai fazer de mim um ser humano mais fraco. Pelo contrário, é através do meu choro que limpo minha alma e encontro forças pra seguir adiante.

Para de acumular sujeira no coração.  Bota para fora. Ora, onde já se viu, pular as etapas da vida? Tudo leva tempo. A lagarta só vira borboleta quando passa pelo processo de transformação. Não esqueça que durante cada processo, somos transformados.

Costumo dizer que a gente só consegue lidar com as coisas quando dançamos conforme a música. Esconder a dor em baixo do tapete não te livrará dela. É como machucado, se não cuidar do ferimento, piora.

Para, respira, ressignifica. Só não pira. Respeite seu tempo.

Ninguém é obrigado a ser forte o tempo todo. Se tiver que chorar, chore mesmo. E lembre-se, um momento ruim não decreta quem você é.

Compartilhe!
SOBRE O AUTOR

Por

POSTS RELACIONADOS
COMENTÁRIOS

0 Comentários

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

IMPORTANTE!
As informações recebidas e publicadas são de responsabilidade total de quem as enviou. Apenas publicamos as matérias e notas que as assessorias de imprensa nos passam. Qualquer problema, envie-nos e-mail relatando o ocorrido que transmitiremos aos devidos responsáveis.
desenvolvido porDue Propaganda