Revista Statto

VIVER A DOIS

11/09/2019 às 11h47

Viver juntos é uma experiência cercada de desafios e possibilidades, e vai muito além de uma ideia romântica. Requer compromissos e muita comunicação. Qual é o segredo de uma vida compartilhada e feliz? O amor supera mesmo todas as coisas? O tempo é o melhor remédio para as crises conjugais? Certamente aqueles que têm ou tiveram alguma experiência conjugal já se fizeram tais perguntas.

Viver juntos significa passar muito tempo na companhia um do outro. O casal deve tomar decisões juntos, ceder em alguns pontos e defender outros. Especialistas dizem que a coexistência não resolve problemas pré-existentes e que a decisão não deve ser o resultado da pressão de um membro da família ou ser um modo de fuga da vida anterior. O mais importante é que exista um diálogo aberto e que cada um deixe claro o que motiva essa decisão.

Alguns dias juntos em uma escapadela romântica não é prova de estão prontos para morar juntos. Para se ter uma ideia do que significa viver juntos, devem passar pelo menos quinze dias seguidos compartilhando uma casa. Isso fará com que se conheçam no cotidiano e possibilitará que alguns hábitos ou costumes antigos sejam perdidos ou amenizados e que eles não se tornarão motivo de ruptura da futura união.

Os problemas mais frequentes das brigas entre casais, são motivados por questões financeiras. Desde o início, devem ser definidas como as despesas serão distribuídas, quem pagará quais serviços e a porcentagem que cada um alocará para diferentes necessidades da família. Cada um conhece sua situação financeira e o arranjo que melhor lhe convém. Para alcançar uma melhor comunicação, deve-se esclarecer sobre a renda de cada um, se têm dívidas ou compromissos anteriores e qual é sua situação financeira individual. Dessa forma, pode-se ter uma visão ampla do gerenciamento de despesas e qual será a disponibilidade para sua vida juntos no futuro.

Outro ponto que se deve tocar é o das regras da coexistência. Aqui estão os problemas que são toleráveis ​​e aqueles que não são negociáveis. Assim, eles podem começar a analisar as compatibilidades no estilo de vida e identificar os aspectos nos quais podem melhorar. Devem definir as responsabilidades de cada um na casa: como limpeza, os pagamentos, o animal de estimação.

É hora de falar também sobre o que você espera de viver juntos. Como será nas reuniões sociais da família, se convidarão seus amigos em casal ou individualmente, se precisarão de tempo sozinhos e como será.

Quando você decide compartilhar sua vida, seu espaço também se torna um tema de dois. É quando as estantes de livros, o armário e as gavetas são distribuídas. É quando também precisam decidir quais móveis devem adquirir e onde colocarão seus pertences. A privacidade no banheiro… esses são detalhes pessoais que devem ser discutidos com o casal.

Se vocês decidiram morar juntos, é essencial que ambos concordem com o futuro que virá após essa decisão. Para alguns, virá o avanço pessoal e financeiro, para outros, quem sabe o próximo passo pode ser casamento e filhos.

Lembre-se de que, como tudo na vida, toda mudança precisa de um período de adaptação. Ambos precisarão de tempo para conhecer suas manias e criar hábitos e costumes juntos.

Tenham em mente que nunca se embarca em uma aventura pensando em fracasso, mas lembre-se de uma realidade alternativa, que poderia acontecer se as coisas não funcionassem. Aproveitem essa fase para conhecer sua cara-metade e descobrir o que é melhor para vocês dois e tenham muitos e muitos anos juntos de amor e companheirismo.

Compartilhe!