Revista Statto

CADA UM COM SEUS AFAZERES

08/09/2021 às 09h16

Intrigado, é assim que fico sempre que saio na rua observando as pessoas. Algumas vão em um passo apressado, parecendo que estão atrasadas, talvez estejam mesmo, outras andam em um passo lento como se não tivessem compromisso algum e a vida lhes fosse um mar de rosas (tomara que seja mesmo), caminhando apenas para tomar um vento na cara e um pouco de sol, vitamina “D”, algumas dessas pessoas andando em duplas falando e rindo descontroladamente, riem de mim?, outras brigando, pessoas em grupos maiores falando coisas ao mesmo tempo sem um entender o outro, namorados e gente falando sozinha. O que fazem todas essas pessoas em seu mundo particular?

É eu sou curioso mesmo, fico imaginando cada uma daquelas pessoas em seu momento “ninguém está me vendo” e então começo a imaginar suas vidas. A moça bonita de cabelos brilhantes e corpo escultural, será que tem um namorado, uma paquera, é amante do chefe ou fez votos de castidade? E aquela senhora de semblante fechado, será ela uma agente secreta, uma pessoa que nunca amou ninguém e nem foi amada, perdeu o marido, está chateada com a companhia telefônica que lhe fez uma cobrança indevida? Quem são essas pessoas que transitam pela cidade para lá e para cá?

Será que em suas cabeças também não questionam quem sou eu, ou eu sou invisível para elas enquanto elas me incomodam com seu jeito? Eu seria pretensioso demais em acreditar que tem alguém preocupado comigo andando na rua, mas eu sofro com a curiosidade que tenho pelos outros, fico imaginando que aquela mulher deve ser uma médica, a outra secretária, aquele senhor um advogado, o outro um vendedor, não acho isso normal, talvez eu tenha um grande problema mental ou seja só um grande fofoqueiro que não tem muito o que fazer, enquanto aquelas pessoas todas são muito atarefadas, tirando as que estão andando à toa.

A verdade é que eu não tenho nada com a vida de ninguém, nem da minha vida tenho cuidado ultimamente, e não tem cabimento algum ficar querendo saber da vida dos outros, sendo que minha vida já dá um livro de comédia, um de tragédia e um de terror, assim mesmo separados em volumes, cada um em seu gênero, pois se juntar tudo em um livro só a história fica muito chata. Não há porque me preocupar com as outras pessoas, afinal não sou eu que vou lhes pagar as contas, sendo que as minhas já estão ficando para arquivo, não sou eu que vou lhes dar conselhos, eu é que estou precisando, e de desconhecidos eu não aceito nada.

Podia aqui fazer um tratado freudiano, sobre a mente humana, mas não sou dado às psicologias, mas respeito muito quem o é, sou apenas um rapaz latino americano, sem muito o que fazer que escreve coisas bestas sobre assuntos cretinos para lhe distrair um pouco, caro leitor, minha intenção não é fazer com que você termine essa leitura como um sabedor de Freud ou filosofia, longe de mim essa pretensão, mas que me veja como mais um abnegado escritor cujas palavras desse texto são apenas para te distrair do mundo cão em que vivemos, já das mazelas da vida e do país outros já falam, eu prefiro falar sobre nada e pessoas que nem sequer me conhecem, pode ser que nem existam também, frutos de minha mente altamente delirante e criativa, porque não?

Espero que o senhor ou a senhora leitora não tenha deixado de lado seus afazeres do trabalho de lado e que pelo menos esteja naquele momento do cafezinho no trabalho, para ler esse texto que escrevi com o intuito apenas de distraí-lo e contribuir para sua inatividade momentânea, isso é só o que mereço. Não quero lhe perturbar com tratados sobre como ficar rico, ou como ser mais atraente para atrair um parceiro ou parceira, não sei como fazer nenhum dos dois, só te digo que é preciso o mesmo empenho nas duas empreitadas. Só sei que um texto sem pé nem cabeça como esse pode muito bem te distrair ou te deixar fulo da vida comigo, espero que no seu caso esteja passando na cabeça a primeira opção.

No mais me despeço de você, escrevi um título mentiroso para atrair sua atenção e ser notado por você, mas minha intenção de ser parte de seu entretenimento não é nada mentirosa, amanhã pode ser que eu escreva algo muito mais interessante, pode acreditar. Mas dessa vez estou com um estiramento no músculo do abdômen e sob efeito de um relaxante muscular forte, minha cabeça gira e estou mole de dar dó, dormi mal a noite e foi o que deu para escrever. Muito prazer!

Compartilhe!
SOBRE O AUTOR

Por

POSTS RELACIONADOS
COMENTÁRIOS

0 Comentários

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

IMPORTANTE!
As informações recebidas e publicadas são de responsabilidade total de quem as enviou. Apenas publicamos as matérias e notas que as assessorias de imprensa nos passam. Qualquer problema, envie-nos e-mail relatando o ocorrido que transmitiremos aos devidos responsáveis.
desenvolvido porDue Propaganda