Revista Statto

SERIA UM OBSTÁCULO OU UMA LUZ NO CAMINHO?

30/03/2019 às 17h02

Sexta-feira, fim de tarde e término de uma semana densa.

Ah, como é bom ir para casa!

Indo eu para casa, devagar, notando o sol também indo embora.

Observando a avenida, seu canteiro central garboso, com grama verdinha e palmeiras majestosas, e no centro, pista de caminhada e ciclovia.

Pessoas praticando atividades físicas, caminhada, corrida, andando de bicicleta e alguns passeando com seus cãozinhos.

Até que um cãozinho me chama a atenção. Não pude ver de onde surgiu, quando o vi já estava atravessando um dos lados da rua, cuidadosamente e com o rabinho espanando. De pequeno porte, marronzinho e não parecendo ter uma raça definida. Ia decido em direção ao canteiro central.

Olhei então em direção a este canteiro, procurando encontrar o que lá havia que motivava aquele cãozinho a ir até aquele lugar.

Vi uma moça passeando com sua cachorrinha, branquinha, graciosa, de pequeno porte e do tipo que “acabou de sair do pet shop”. Então entendi o que levava o cãozinho a ir até lá. Sorri em silêncio.

Logo em seguida, quando o cãozinho chegou no seu destino, minha face teve a expressão alterada bruscamente.

O cãozinho, ao tentar se aproximar da cachorrinha, foi estupidamente chutado pela dona da cachorrinha.

Por alguns instantes fiquei perturbada, e me questionando de que forma uma pessoa que tem um “serzinho de luz”, (forma que costumo chamar os cães), pode maltratar um ser do mesmo tipo?

Os cães nos ensinam muito. A principal lição que nos passam é o amor.

Não importa a raça, não importa de onde veio, não importa coisa alguma, pois nada justifica uma atitude assim.

Tive vontade de ir até aquela moça e falar alguma coisa, mas não consegui, fui covarde.

Agora, sinto-me mal, sinto que deveria ter feito alguma coisa a respeito daquela atitude negativa.

O que me resta é fazer algo positivo em relação a este tipo de situação, e não perder a esperança na humanidade, nos seres “racionais”.

Compartilhe!