Revista Statto

QUANDO AMAR TORNA-SE VÍCIO – MULHERES E HOMENS QUE AMAM DEMAIS

09/10/2020 às 09h36

Quando relacionamentos afetivos são usados como droga;

Quando chamamos obsessão de amor;

Quando amar, ansiar por amor ou amar em si tornam-se vício;

Quando ficamos obcecados pelo parceiro e relacionamento;

Quando buscamos parceiros não saudáveis, doentios, não afetuosos e distantes;

Quando persistimos num relacionamento inacessível, insensato, e mesmo assim somos incapazes de rompê-lo;

Quando relacionamentos estáveis, calmos, saudáveis tornam-se sem graça;

Quando não se conseguimos sentir atração por homens agradáveis, gentis, seguros e interessantes…

Provavelmente estamos “amando demais”!

Muitos chamam este fenômeno de “amar demais”, outros de co-dependência afetiva. Segundo Norwood (1998), autora de “Mulheres que amam demais”, a dependência afetiva é vista como uma doença progressiva de comportamento, sendo uma dependência de relacionamento, de controle.

A essência dessa obsessão não é amor, e sim medo. Medo e ficar sozinha, medo de ser rejeitada, abandonada, medo de não ter valor. O amor é dado na esperança de que o parceiro cuide de seus medos.

Nos interessamos por homens ou mulheres que reproduzem conflitos que tivemos com nossos pais tentando ser bons, amáveis, prestativos em troca de amor, atenção e aprovação que eles não puderam dar devido aos seus próprios problemas e preocupações. Nossas necessidades emocionais não foram satisfeitas, nossas percepções e sentimentos foram negados e ignorados, ao invés de aceitos e legitimados.

Quando nos relacionamos desta forma evitamos concentrar a responsabilidade em nós mesmos. Tiramos a responsabilidade de nossas vidas e concentramos toda a nossa atenção no outro.

Quando nós tratamos e nos recuperamos, passamos a nos aceitar completamente, começamos a fazer escolhas seguindo novos padrões, que valorizam nossas vidas e promovam paz e bem-estar. Aumentamos nossa autoestima, auto aceitação, autoconfiança, auto respeito. Começamos a ser nós mesmos sem tentar agradar o outro, sem tentar aprovação e amor. Aprendemos a colocar limites.

Passamos a aceitar os outros como são, sem tentar modificá-los para satisfazer nossas necessidades. Cuidamos de cada aspecto de nós mesmos (valores, crenças, aparência, interesses, corpo, realizações). A serenidade e estabilidade passam a ser valorizadas acima de tudo. Todo conflito e caos do passado vão perdendo sua atração. Passamos a nos legitimar sem precisar de um relacionamento que nos de um senso de autovalor.

Compartilhe!