Revista Statto

VIOLÊNCIA VERBAL E O MACHÃO ESCONDIDO NO SEDUTOR: PRECISAMOS FALAR SOBRE ISSO!

24/04/2020 às 08h57

Você já ouviu falar em violência verbal?

A violência verbal é um dos tipos de violência que costuma anteceder a prática da violência psicológica e, posteriormente, física.

Costuma ser mais comumente praticada, conforme pesquisas, por homens em relação a mulheres.

É a violência explícita em comentários, comparações e dizeres que diminuem a outra pessoa, buscando que ela se sinta pequena e seja mais facilmente manipulável.

A violência verbal é um comportamento agressivo e comum em muitos relacionamentos, e ela deixa marcas negativas que afetam as relações, a autoestima e a autoconfiança da pessoa que sofre essa agressão sem, muitas vezes, se dar conta de que a está sofrendo.

Eu mesma já estive em um relacionamento assim e, muito provavelmente, essa pessoa com quem me envolvi continuou a ser assim em seus outros relacionamentos. Isso porque, por mais que muitas mulheres se questionem sobre serem ou não aquilo que o agressor lhes diz, o problema é sempre a pessoa que agride e diminui o outro e nunca a vítima que está exposta a uma situação e a um relacionamento que certamente não começou com esse tipo de agressão.

Existe um padrão de ação entre pessoas que agridem verbalmente outras: primeiro o agressor busca espaço mediante sedução para depois agir agressivamente em busca de controle sobre o outro.

Além disso, vale atentar para o fato de que a violência verbal pode acontecer em diferentes tipos de relacionamento, pode acontecer num casamento, nas relações de trabalho, entre amigos, etc.

O grande problema desse tipo de violência é que ela costuma ser sorrateira, mas nem sempre. Por exemplo, eu comecei a perceber esse tipo de violência nesse relacionamento que vivi durante um período delicado e de mudança em minha vida, mas é claro que ela já tinha começado antes; contudo, por iniciar de forma mascarada, nem sempre é fácil perceber a extensão dos danos. No meu caso ela também aconteceu por palavras escritas via e-mail e WhatsApp. Comentários agressivos relacionados a minha aparência, profissão, renda, amizades, etc.

Infelizmente a violência verbal é apenas uma ponta dos problemas de uma pessoa com a mente totalmente transtornada. Foi num processo de coaching que percebi o que vivia, e foi nele que encontrei forças para dizer adeus a essa relação, o que, diga-se de passagem, foi uma das melhores escolhas da minha vida!

Tempos depois, compreendendo mais sobre como as pessoas se desenvolvem psicologicamente e são ou não saudáveis mentalmente, compreendi que o fato de eu ter percebido que esse relacionamento não era para mim e ter saído dele retratava a minha saúde mental preservada.

Vale salientar que, conforme a ONU, a violência verbal e a violência psicológica são as mais comuns dentro de relacionamentos e, muitas vezes, elas precedem o feminicídio.

E, infelizmente, o crescimento da violência contra a mulher nesses tempos de confinamento social tem aumentado muito, salientando os perfis das pessoas que precisam de ajuda, pois são danosas para seus companheiros e, caso haja filhos envolvidos, seus atos e palavras respingam na vida de todos que convivem com pessoas com esse perfil.

Vale ainda ressaltar que a violência verbal é um tipo de abuso que pode ter uma recuperação muito demorada por parte de quem a sofre por um período grande de tempo. E esse é mais um fato que salienta que precisamos falar sobre esse assunto constantemente.

Pode-se pensar que existem alternativas para quem deseja tentar salvar um relacionamento com uma pessoa que pratica esse tipo de violência. Você pode buscar ajuda especializada, terapia de casal, individual, pode buscar um processo de coaching. Contudo, vale salientar que nunca conseguimos mudar o outro. As pessoas só mudam se querem mudar. Nós somos responsáveis apenas pelas nossas mudanças! Além disso, pessoas que praticam violência verbal não precisam de um processo que vise somente a mudança desse comportamento; certamente elas têm lacunas bem mais profundas que exigem um tratamento psicológico e, muitas vezes, psiquiátrico.

Caso você se perceba dentro de uma situação assim, talvez você precise aprender a dizer sim para você dizendo não para uma relação que pode trazer apenas malefícios e deixar marcas difíceis de tirar de sua vida.

Diferente de outros textos que escrevo, meu desejo seria que esse texto nunca fizesse sentido para você e para ninguém que você conhece e ama!

Contudo, se ele fizer, conte comigo! Um forte abraço, com carinho, Daniela.

Compartilhe!
SOBRE O AUTOR

Por

POSTS RELACIONADOS
COMENTÁRIOS

0 Comentários

ESCREVA UM COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

IMPORTANTE!
As informações recebidas e publicadas são de responsabilidade total de quem as enviou. Apenas publicamos as matérias e notas que as assessorias de imprensa nos passam. Qualquer problema, envie-nos e-mail relatando o ocorrido que transmitiremos aos devidos responsáveis.
desenvolvido porDue Propaganda