Revista Statto

QUANDO O ESTRESSE DEIXA DE SER POSITIVO?

08/09/2021 às 14h36

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o estresse é uma pandemia que atinge 90% da população mundial, podendo causar doenças mentais, emocionais e físicas.

Do inglês stress, que significa “tensão”, “pressão” ou “insistência”. A palavra inglesa stress foi adaptada para a língua portuguesa sob a forma de estresse. https://www.dicionarioetimologico.com.br/

Estresse é exaustão física ou emocional geralmente causada em razão de algum sofrimento, doença, cansaço, pressão, trauma, sendo definida pela incapacidade de desenvolver suas funções ou trabalhos habituais. https://www.dicio.com.br

É uma reação bioquímica do organismo em situações de perigo ou ameaça, o estado de alerta é acionado liberando doses de adrenalina para enfrentar o desafio eminente.

Os fatores geradores de estresse podem ser internos, relacionados aos estados emocionais, ou externos, relacionados as demandas da vida pessoal, profissional e social.

Com a pandemia a presença de situações estressantes foram agravadas, por conta das incertezas quanto as novas formas de ser e estar no mundo. A disruptura causada pelo isolamento social, alterou as relações humanas, afetando a vida em todas as áreas.

Em nossos ancestrais, assim como em outros animais superiores, o mecanismo da ansiedade (e estresse) foi destinado à sobrevivência diante dos perigos concretos e próprios da luta pela vida. Era o caso, por exemplo, das ameaças de animais ferozes, das guerras tribais, das catástrofes do tempo, da busca pelo alimento, da luta pelo espaço geográfico, etc. No ser humano moderno, apesar dessas ameaças concretas não mais existirem tal como existiram outrora, seja por sua natureza, seja por sua frequência, esse equipamento biológico continuou existindo, persistiu em nossa biologia a capacidade de reagirmos ansiosamente diante das ameaças”. Geraldo J. Ballone

Como sentimos emocionalmente a ansiedade?

“Psicologicamente, e normalmente, a ansiedade aparece em nossa vida como um sentimento de apreensão, uma sensação de que algo está para acontecer, uma expectativa e um estado de alerta. Quando mais intensa, a ansiedade é responsável por uma constante pressa em terminar as coisas que ainda nem começamos, um estado de “susto crônico e contínuo”.

É assim que o domingo das pessoas ansiosas tem uma apreensão de segunda-feira e antes de dormirem já pensam em tudo que terão de fazer quando o dia amanhecer. É a corrida para não deixar nada para trás. É um estado de alarme contínuo e uma prontidão para o que der e vier. As férias são tranquilas e festivas apenas nos primeiros dias, mas, logo em seguida, começam a se agitar: ou porque sentem que não estão fazendo alguma coisa que deveriam fazer, embora não saibam bem o que, ou porque pensam em tudo que terão de fazer quando as férias terminarem”. Geraldo J. Ballone (Especialista em psiquiatria pela ABP e professor do Departamento de Neuropsiquiatria da Faculdade de Medicina da PUCCAMP desde 1980. Coordenador do site PsiqWeb)

Diante disso é essencial buscar ou aprimorar as formas para controlar os níveis de ansiedade e estresse.

Esgotamos nossa capacidade emocional, mental e física, dispersando a energia vital, o ânimo, a confiança em si e a vontade ficam desnutridas, por conta de excessos de preocupação com o passado e ou futuro. Esses são sinais de alerta!

Dedicar tempo, para auto percepção, quanto aos possíveis sinais:

  • Dores sem causa física – em algumas regiões do corpo.
  • Insônia ou sono em excesso
  • Apatia, desânimo geral
  • Impaciência, atitudes reativas
  • Ansiedade – medo de algo não específico
  • Diminuição da capacidade de tomar decisões, da memória e da concentração
  • Tonturas, falta de ar, zumbidos, “nó” na garganta

Compreender que as pessoas, a sociedade e o planeta estão passando por mudanças, reconhecer que não é possível controlar tudo na vida e buscar apoio terapêutico especializado, são algumas escolhas para controlar o estresse a fim de que não se torne algo crônico, adrenalina na medida certa é algo positivo.

Atitudes preventivas ao estresse negativo

  • Organizar a vida pessoal e profissional
  • Estabelecer prioridades
  • Respeitar o ritmo pessoal
  • Alimentação saudável e pausa para descansar
  • Validar seus valores pessoais
  • Estudar temas de seu interesse
  • Dialogar com familiares e amigos
  • Praticar atividade física adequado ao seu perfil
  • Meditar – dedicar tempo para silenciar e mergulhar no universo interior
  • Estar em contato com a Natureza – por exemplo apreciando o amanhecer, cultivando plantas
  • Estar em contato com diversas expressões artísticas
  • Permanecer no momento presente
  • Distância saudável para o excesso de informações nas mídias sociais
  • Valorizar sua história de vida
  • Atuar em projetos voluntários – dedicar tempo para causas humanitárias
  • Buscar apoio de profissionais que possam facilitar processos de desenvolvimento humano

A pandemia é uma oportunidade, apesar da dor pela perda de entes queridos, para que possamos rever hábitos, experimentar atitudes com foco em simplicidade, acumular menos coisas materiais, mágoas e apegos.

Viver o estresse na medida certa nos move, cuidar para que não se torne um vício é uma realidade.

Compartilhe!
SOBRE O AUTOR

Por

POSTS RELACIONADOS
COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Nada é para sempre,vivermos provisório,ou seja,nada nos molda.E sim,é preciso resgatar a volta do nosso normal,não deixar o excesso de preocupação,de entrar em detalhe por tudo,ser regra.Viva a positidade..

    Comentário por simone m. rebouças - dia 23 de setembro de 2021 às 10:58
ESCREVA UM COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

IMPORTANTE!
As informações recebidas e publicadas são de responsabilidade total de quem as enviou. Apenas publicamos as matérias e notas que as assessorias de imprensa nos passam. Qualquer problema, envie-nos e-mail relatando o ocorrido que transmitiremos aos devidos responsáveis.
desenvolvido porDue Propaganda