Revista Statto

A EDUCAÇÃO PRECISA SER REINVENTADA

19/06/2019 às 09h23

Os desafios da educação brasileira são muitos. Engana-se que estes ficam restritos as escolas do Município ou do Estado, esta realidade também está presente nas Universidades públicas e privadas. Entre os problemas destaco, escolas sem estrutura física, professores despreparados, processos internos burocráticos, sistemas educacionais arcaicos, crianças e jovens desestimulados, administradores intransigentes e monocráticos.  Uma alternativa para estes gargalos está nas tecnologias educacionais. Se antes estudar significava passar horas sentado dentro da sala de aula, ouvindo o professor, hoje a experiência de aprender evoluiu com novos recursos. Os cursos online e o uso de jogos e materiais online aplicados ao ensino, por exemplo, já são uma realidade no cenário brasileiro e trazem novas opções para o processo de aprendizado. E esse é apenas o começo. A realidade virtual, a realidade aumentada e a inteligência artificial são as próximas a impactar profundamente este setor. Porém ressalto que o foco não deve ficar restrito ao aluno, mas também deve chegar ao professor. Alunos conectados são a maioria, mas e os professores?  Responder e-mail, atualizar a rede social, watts e Instagram não é suficiente (olha que muitos professores sequer têm rede social). Ressalto que ter pacote de dados em sua conta de celular não significa ser conectado. O professor terá que trabalhar cada vez mais para orientar a presença do aluno no meio digital e buscar o melhor aproveitamento das potencialidades do online. O professor precisa ter a experiência prática, ser tutor, fazer os links com a realidade, dizer onde estão os acertos, os erros e os caminhos que devemos seguir. Neste sentido, vamos a alguns exemplos que filtrei em centros de excelência criativos que oferecem experiência prática.

Exemplo1, “Práticas de negócios imobiliários”, atenderia a demanda de nossa cidade, realizar estudos voltados para a construção civil e para imobiliárias, como novas demandas dos consumidores.

Exemplo 2, “Práticas de varejo”, focado em pesquisa e inteligência para o desenvolvimento do setor varejista, sendo este um dos setores que mais cresce em volume velocidade de negócios.

Exemplo 3, “Economia e Finanças”, que através de softwares de análise econômicas pode sim delinear cenários futuros. O que precisamos para esta reestruturação é que ter uma certa dose de coragem e deixar de lado os pessimistas que não visualizam as potencialidades do digital. Na minha opinião, se a educação não se reinventar logo teremos o cenário mais defasado e com alunos que não conseguem se conectar com a didática e os conteúdos relevantes para a formação educacional.

Compartilhe!