Revista Statto

ACORDA MERCADO QUARTA

06/05/2020 às 18h20

Ontem o Ibovespa subiu 0,75% e fechou aos 79.470 pontos. O giro financeiro foi de R$ 19,8 bilhões.

Os preços do petróleo voltaram a protagonizar o pregão, porém, desta vez em disparada. Os índices de ações do mundo fecharam em alta ontem, especialmente puxados para cima pelas ações de grandes petroleiras.

O processo de reabertura das economias da China, da Europa e dos Estados Unidos começa a reaquecer, mesmo que muito moderadamente, a procura por combustíveis no mundo.

O Itaú divulgou na segunda o balanço do seu primeiro trimestre. Na avaliação de casas como Credit Suisse e Goldman Sachs, a queda apresentada no lucro líquido e a disparada do custo de crédito da instituição foram fracos, mas não impressionaram, a queda já era esperada.

O que pesou negativamente para os bancos foi o fato de que o Senado deve votar na próxima semana um projeto que limita os juros do cartão de crédito enquanto a crise forçada pelo novo coronavírus durar.

A divulgação do depoimento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, à Polícia Federal pesou nos negócios, ao trazer de volta ao radar o risco político. A divulgação, entretanto, ocorreu próximo do fechamento e os investidores ainda absorvem as informações.

O IBGE divulgou a produção industrial brasileira, com uma forte queda de 9,1% em março. Foi o pior resultado para meses de março da série histórica da pesquisa, iniciada em 2002, além de ser a pior queda desde maio de 2018.

Hoje a expectativa é pelo Copom, a aposta majoritária ainda está em uma Selic reduzida de 3,75% para 3,25%, porém, tudo pode acontecer.

Ontem houve um recorde diário de mortes decorrentes do novo coronavírus, foram 600. O número de casos confirmados saltou de 107.780 para 114.715. O Ministério da Saúde diz agora que o pico do coronavírus ocorrerá “entre maio e julho”.

Indo para o Ibovespa, das 75 ações do índice, 39 fecharam no positivo. As ações da Petrobras (PETR4) subiram 3,22% (R$ 17,94), acompanhando a alta do preço do barril de petróleo, já as ações da Vale (VALE3) recuaram 0,52% (R$ 43,70).

As ações de bancos fecharam em alta, com exceção do Santander. As ações do Bradesco (BBDC4) subiram 0,11% (R$ 18,30), as ações do Itaú (ITUB4) subiram 3,70% (R$ 22,70), as ações do Santander (SANB11) recuaram 2,33% (R$ 25,14), as ações do Banco do Brasil subiram 0,14% (R$ 27,80) e as ações do Banco Inter (BIDI4) subiram 2,18% (R$ 9,39). Já as ações da XP na Nasdaq recuaram 1,57% (US$ 22,57).

As ações que mais subiram foram da Gol (GOLL4) com alta de 5,65% (R$ 11,78(, após cair mais de 10% na véspera. As ações da Klabin (KLBN11) subiram 5,17% (R$ 18,70) e da Sabesp (SBSP3) subiram 4,48% (R$ 41,70).

Já as maiores quedas foram das ações da IRB Brasil (IRBR3) caindo 6,04% (R$ 9,01), depois de a companhia adiar a divulgação de seu balanço para 18 de junho. Seguida pelas ações da Cogna (COGN3) recuando 4,98% (R$ 4,96) e as ações da CVC (CVCB3) caindo 4,02% (R$ 12,39).

Na B3, as ações que mais subiram foram da MRS Logística PNB (MRSA6B) disparando 99,98% (R$ 29,27), após recuaram mais de 30% na véspera. As ações que mais caíram foram da MRS Logística ON (MRSA3B), caindo 7,84% (R$ 47,00).

As ações mais negociadas do Ibovespa foram da Via Varejo (VVAR3), da Petrobrás (PETR4), do Itaú (ITUB4), do Bradesco (BBDC4) e da Vale (VALE3).

A busca por proteção no dólar voltou a reinar no mercado brasileiro, impulsionado a cotação da divisa americana para a casa de R$ 5,60. A forte queda da produção industrial e a perspectiva de juros ainda mais baixos no Brasil reforçaram a demanda por “hedge” no câmbio.

O dólar comercial se manteve em firme alta contra o real durante todo o dia. A moeda americana fechou o dia com alta de 1,31%, aos R$ 5,59. Já o euro subiu 0,14%, fechando aos R$ 6,05.

O tombo de 9,1% da produção industrial no Brasil deu apoio à perspectiva de cortes adicionais da Selic e deixou as taxas futuras em queda, na véspera da decisão do Copom.

O contexto de uma contração profunda da atividade econômica, queda expressiva da confiança e de deflação faz com que os investidores enxerguem o caminho aberto para reduções adicionais nos juros a níveis ainda mais baixos, mesmo com o aumento nos riscos políticos e fiscais.

Com isso o DI jan 2021 recuou de 2,79% para 2,71%. Já o DI jan 2025 caiu de 6,63% para 6,45%.

Indo para o Tesouro Direto, o Tesouro IPCA+ 2026 (NTN-B Principal), recuou de IPCA+ 3,52% para IPCA+3,35%, já Tesouro Prefixado (LTN) para 2023 recuou de 5,02% para 4,74%.

Na agenda apenas os dados semanais de fluxo cambial às 14h30. Na agenda de resultados teremos Gerdau e Telefônica Brasil antes do pregão, já CSN e Grupo Pão de Açúcar divulgam o resultado após o fechamento.

As ações dos Estados Unidos subiram ontem pelo segundo dia consecutivo, com os investidores entusiasmados com a flexibilização das restrições de negócios nos EUA e na Europa e com as notícias de progresso no desenvolvimento de uma vacina para impedir a propagação da pandemia de covid-19.

O Dow Jones subiu 0,56% (23.883), o S&P 500 subiu 0,90% (2.868) e o Nasdaq subiu 1,13% (8.809). As ações das FAANGs subiram novamente, com exceção da Netflix. As ações da Alphabet, controladora do Google, subiram 1,97%, Amazon subiram 0,08%, do Facebook subiram 0,88% e da Apple subiram 1,50%. Já as ações do Netflix recuaram 0,81%.

Ontem, o governo da Califórnia detalhou as etapas iniciais para diminuir as restrições existentes há semanas. Varejistas, incluindo lojas de roupas, livrarias, lojas de artigos esportivos e floristas, poderão retomar parcialmente suas atividades nesta sexta. Outros Estados, incluindo a Flórida, também começaram a permitir que as empresas reabrissem ou apresentassem planos para isso.

Os índices futuros nos EUA estão operando em alta. O Dow Jones futuro está subindo 0,57%, o S&P 500 futuro subindo 0,56% e Nasdaq futuro subindo 0,60%.

Indo para as Treasuries, a T-Bill para 3 meses subiram de 0,08% para 0,10%, a T-Note para 2 anos se manteve em 0,19% e a T-Bond para 30 anos se manteve em 1,33%.

Já as bolsas na Europa abriram sem direção definida. O índice Euro Stoxx 50 está recuando 0,18% (2.870). Já Frankfurt está caindo 0,11% (10.717), Londres está subindo 0,64% (5.886), Paris caindo 0,11% (4.478), Milão subindo 0,34% (17.446) e Madri caindo 0,53% (6.712).

Na Ásia, as bolsas estão operando em alta, Xangai subindo 0,63%, Hong Kong subindo 1,28% e Seul subindo 1,76%. Já a bolsa de Tóquio ficou fechada novamente.

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta, na quinta sessão consecutiva de ganhos para o WTI e a sexta alta consecutiva do Brent. O WTI subiu 20,45%, aos US$ 24,56, já o Brent subiu 13,86%, aos US$ 30,97.

Durante a sequência atual de ganhos, os preços do Brent já somam valorização de cerca de 55%, enquanto os do WTI subiram 99%.

A commodity ganhou impulso ontem com os recentes cortes de produção dos principais produtores de petróleo dos Estados Unidos, que ocorrem ao mesmo tempo em que crescem as expectativas por uma retomada da demanda, com a reabertura gradual das economias em alguns Estados americanos e países europeus.

O índice VIX, recuou 2,98%, para 32,61, diminuindo novamente a aversão ao risco.

O contrato de ouro OZ1D subiu 0,31%, enquanto as criptomoedas estão caindo nas últimas 24 horas, com apenas duas das dez maiores moeda digitais recuando. O Bitcoin está subindo 0,12% (US$ 9.013), a Ethereum caindo 1,05% (US$ 207,05) e Ripple caindo 0,47% (US$ 0,218).

O IFIX subiu 0,19% (2.587). A maior alta foi do FII Plural Recebíveis Imobiliários (PLCR11) subindo 7,45%. Já a maior queda foi do FII Floripa Shopping (FLRP11) caindo 3,41%.

Ótima quarta e bons negócios

Compartilhe!