Revista Statto

ACORDA MERCADO – SEXTA

04/10/2019 às 11h31

Ontem o Ibovespa subiu 0,48% e fechou aos 101.516 pontos, porém durante o dia chegou a cair para 99.826, se recuperando no final do pregão. O giro financeiro foi de R$ 15,7 bilhões.

No cenário interno, Davi Alcolumbre admitiu que a votação do segundo turno da reforma da previdência deve ficar para depois do dia 15 de outubro e não mais no dia 10, como se esperava. O adiamento é necessário visto que se for antecipado, a desidratação da reforma deve ser maior, diminuindo o valor economizado nos próximos 10 anos que hoje já está em R$ 800 bilhões, e cada dia mais se afasta dos R$ 1 trilhão, que era o desejado pelo Governo.

Já no cenário externo, mais um péssimo indicador divulgado nos EUA volta a preocupar. Dessa vez foi o ISM de serviços, que recuou para 52,6 em setembro, enquanto o mercado esperava 55,3, sendo o pior resultado em quatro anos.

Depois de tantos indicadores ruins na semana, hoje o payroll, que é o principal indicador da semana, preocupa. A expectativa é de criação de 150 mil vagas em setembro e taxa de desemprego estável em 3,7%. Um aumento na taxa de desemprego e uma criação de vagas menor, podem derrubar os mercados.

Esse medo de recessão, coloca muita pressão no FED para cortar os juros na próxima reunião em 30 de outubro. A chance de um novo corte de juro já em 90%. Como nesses últimos dias, as bolsas sofreram bastante aqui e no exterior, investidores aproveitaram para comprar as ações a um patamar mais baixo. O Ibovespa, só em outubro, já caiu 3,08%.

Assim as ações da Vale (VALE3) que recuaram forte ontem, fecharam com alta de 0,75%. Já as ações da Petrobrás (PETR4) fecharam praticamente de lado, com alta de 0,07%.

Os bancos fecharam em alta, se recuperando da queda na véspera, com o Itaú (ITUB4) subindo levemente, com alta de 0,03%, o Bradesco (BBDC4) subindo 0,28%, o Santander (SANB11) subindo 1,46%, o Banco do Brasil (BBAS3) disparou 4,31%, por conta do anúncio da oferta subsequente de ação (follow on) do banco, que deve girar R$ 5,7 bilhões, umas das maiores operações do mercado de capitais. Já o Banco Inter (BIDI4) despencou 4,73%.

Vale a menção aqui a ações da BTG (BPAC11), que recuaram 3,78%, depois de operação combinada da PF e do Ministério Público, que investiga informação privilegiada de um dos seus fundos nas decisões do Copom entre 2010 e 2012.

As maiores altas de ontem foram de Gol (GOLL4) subindo 5,48%, Cyrela (CYRE3) subindo 4,54% e Via Varejo (VVAR3) subindo 4,42%. Já as maiores quedas foram do BTG Pactual, já mencionado, IRB Brasil (IRBR3) com queda de 2,84% e BRF (BRFS3) caindo 2,74%.

O dados ruins na economia norte-americana enfraqueceram o dólar, a medida que aumentam as chances de corte de juros na próxima reunião. Quanto maior a expectativa de corte de juros, maior será a depreciação da moeda, visto que seus títulos ficam menos atrativos. O dólar recuou 1,08%, fechando aos R$ 4,08, já o euro recuou 0,91% a R$ 4,48.

Os DIs fecharam em queda, com a expectativa cada vez maior de novos cortes de juros. O DI jan 2021 caiu de 4,95% para 4,88%, enquanto o DI jan 2025 recuou de 6,67% para 6,61%.

Os cortes nas taxas de juros ajudaram a puxar as taxas dos títulos do Tesouro Direto para baixo. NTN-B Principal caiu de 2,60% + IPCA para 2,58% + IPCA, a NTN-B caiu de 2,78% + IPCA para 2,76% + IPCA. Já a LTN 2022 caiu de 5,53% para 5,45%, enquanto a NTN-F 2029 caiu de 6,99% para 6,95%.

Indo para os Estados Unidos, apesar dos dados ruins, investidores aproveitam para comprar as ações a uma patamar mais baixo, com isso o Dow Jones subiu 0,47%, S&P500 subiu 0,80% e Nasdaq subiu 1,10%. A chance de corte de juro na próxima reunião aumentou para 77,5% para 90% segundo o CME Group.

Os títulos do Tesouro norte-americano fecharam em queda em todos os vencimentos. A T-bill para 3 meses caiu de 1,82% para 1,71%, a T-Note para 10 anos recuou de 1,59% para 1,53%, enquanto a T-Bond de 30 anos recuou de 2,08% para 2,03%. A queda é reflexo desse aumento da pressão para cortes de juros pelo FED.

Os índices futuros estão em baixa, com o futuro do Dow Jones caindo 0,30%, do S&P500 caindo 0,31% e do Nasdaq caindo 0,27%.

Indo para a Europa, as bolsas abriram em alta, com o Euro Stoxx subindo 0,10%, Paris subindo 0,09% e Londres subindo 0,28%. Já Frankfurt abriu recuando 0,09%, após ficar fechada ontem por conta de feriado.

Na Ásia as bolsas fecharam em direções mistas, com Tóquio subindo 0,32%, Hong Kong caindo 1,11% e Seul caindo 0,55%. Já Xangai permanece fechado por conta de feriado também.

O preço do barril de petróleo fechou em direções mistas. O WTI caiu 0,36% à US$ 52,45 e o Brent subiu 0,03% a US$ 57,71. O OZ1D caiu 2,39%. As criptomoedas estão em direções mistas nas últimas 24 horas, com o Bitcoin caindo 1,49%, Ethereum caindo 1,54% e Ripple subindo 2,01%.

O IFIX fechou com queda de 0,03%, e teve como maior destaque o FII Anhanguera Educacional(FAED11) com alta de 2,52%, já a maior queda foi do FII Malls Brasil Plural (MALL11) caindo 2,21%.

Por Fabio Louzada – Economista e CEO da startup Eu Me Banco

Ótima sexta e bons negócios!

Compartilhe!