Revista Statto

CUIDADO COM AS RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTOS NAS REDES SOCIAIS

13/11/2020 às 18h08

De acordo com a CVM, no Brasil somente profissionais com o certificado CNPI e com registro na autarquia podem fazer recomendações aos investidores

O escândalo envolvendo o dono da JJ Investe, preso no dia 09 de novembro por suspeita de pirâmide financeira, acendeu um alerta sobre as recomendações de investimentos feitas nas redes sociais por pessoas não habilitadas – como é o caso do influenciador digital Jonas Jaimovick, que pode ter causado um prejuízo de cerca de R$ 170 milhões aos investidores.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) se manifestou publicamente no último dia 11, por meio do Ofício Circular CVM/SIN 13/2020, onde prestou esclarecimentos sobre a atividade profissional de analista de valores mobiliários nos termos da Instrução CVM 598. De acordo com a Instrução, somente analistas de valores mobiliários credenciados à autarquia e com o Certificado Nacional do Profissional de Investimento (CNPI) podem elaborar relatórios de análise destinados à publicação, divulgação ou distribuição a terceiros, ainda que restrita a clientes.

A certificação é ponto-chave para o exercício de diferentes funções dentro da área de investimentos. Com o aumento do interesse da população sobre o tema, é preciso tomar cuidado com as fontes de informação, principalmente nas redes sociais. Profissionais certificados, seja em ambiente online ou presencial, são as pessoas habilitadas para prestar suporte ao investidor“, orienta o fundador da escola Eu Me Banco, o economista e analista de investimentos Fabio Louzada, que realiza um importante trabalho de fomento às certificações financeiras no país.

Ainda de acordo com a CVM, mesmo publicações em texto, imagem ou vídeo que destacam o alerta “não se trata de recomendação de investimento” são irregulares. Pela relação do público com o emissor da postagem, muitas vezes de confiança, o conteúdo pode influenciar a tomada de decisão do investidor e levá-lo a fazer investimentos inadequados ao seu perfil, com risco de prejuízos ou até mesmo de fraude, como aconteceu com as vítimas que confiaram na JJ Investe – que desde 2019 estava na mira da justiça e já havia sido alertada das irregularidades cometidas pela própria CVM.

CNPI: certificação habilita recomendação de investimentos

Fabio Louzada é analista fundamentalista e possui CNPI. Ele explica que três tipos de certificação para analistas são oferecidos pela Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec). “O candidato precisa ser aprovado nos exames para obter a certificação para analista fundamentalista (CNPI), ou para analista técnico (CNPI-T), ou para analista pleno (CNPI-P). As três habilitam o profissional para que faça recomendações de investimentos publicamente“.

A prova é aplicada em duas fases. A primeira, chamada de Conteúdo Brasileiro (CB), é composta por 75 questões de múltipla escolha sobre o mercado de capitais, produtos de investimentos e sistema financeiro nacional. Na etapa seguinte, tanto para quem deseja ser analista fundamentalista, técnico ou pleno, também são aplicadas 72 questões voltadas para tópicos relacionados à análise de investimentos e outros temas específicos.

Compartilhe!