Revista Statto

VAMOS INVESTIR?

12/09/2020 às 11h47

A ideia de que só investe quem é rico ou tem muito dinheiro sobrando é mito. Você pode começar a investir com apenas R$10 e sair no lucro. Saiba tudo sobre investimentos de curto, médio e longo prazo lendo a matéria a seguir, que ainda coloca em debate a seguinte questão: ainda vale a pena investir em móveis?

O mercado tem lugar para os mais diferentes perfis de investidor, do pequeno ao grande. Desde os mais conservadores, passando pelos de médio risco, até os mais arrojados. Atualmente, com tantos meios de se investir, é possível abrir uma conta poupança com apenas 10 reais. Se você dispõe de 100 ou 200 reais já pode ser cotista de um fundo de investimento!

Se você desenvolver o hábito de economizar uma pequena parte do seu salário e aplicá-lo todos os meses, vai ver como o tempo e as taxas de juros vão fazer bem para sua saúde financeira.

O primeiro passo é organizar seu orçamento pessoal. Depois de concluída esta fase, você deve definir seus objetivos de investimento, tais como: comprar um carro, um apartamento, pagar a faculdade, fazer uma viagem ou mesmo alcançar a liberdade financeira.

Após estas definições, você poderá escolher qual o tipo de investimento mais adequado para atingir suas metas. Estabeleça um prazo para cada um dos seus objetivos e tenha uma meta anual de ganhos. Para escolher o tipo de investimento, o investidor deve ponderar três critérios: liquidez (facilidade de vender a ação quando quiser resgatar), retorno (possibilidade de ganhos) e risco (possíveis perdas).

A combinação desses três elementos, a critério do investidor, definirá qual tipo de investimento ele deve utilizar.

Antes de optar por um investimento, você deve se informar cuidadosamente sobre as taxas que eventualmente são cobradas.

À exceção da conta poupança, todas as outras modalidades devem pagar Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos. Então, não esqueça de ficar de olho no desempenho do seu investimento.

Investimentos de curto prazo – Os objetivos de curto prazo são definidos como aqueles fixados para o prazo de até um ano. Por exemplo, uma pequena viagem, a troca do carro por um mais novo ou simplesmente guardar dinheiro para alguma emergência.

Nestes casos, você sempre deve escolher investimentos de baixo risco que permitirão a realização de seus planos. Os fundos de curto prazo também têm rendimento diário e permitem resgates de recursos a qualquer momento. O mais indicado é a Caderneta de Poupança. O que torna a poupança ainda mais atrativa que os outros fundos é o fato de que o dinheiro depositado nela não sofre desconto de taxas de administração, que variam de 1% a 4% ao ano, nem de Imposto de Renda. Lembre-se: é importante saber do gerente do banco quais são os fatores de risco, as taxas e tributos.

Para se ter uma ideia de quanto vai ganhar, informe-se sobre a rentabilidade obtida pelo fundo que você planeja investir nos próximos 12 meses. Fica a dica!

Investimentos de médio prazo – Objetivos de investimento de médio prazo podem ser definidos como aqueles para os quais você investe pelo período de um a três anos. Por exemplo, uma viagem de férias, um caso no exterior, a compra de um carro novo ou a entrada para a compra de um imóvel. Uma boa opção é começar a investir em renda variável, via fundos de investimento em ações, por exemplo. É importante recordar que os fundos de ações sofrem os altos e baixos do mercado acionário, pois suas carteiras são compostas por ações negociadas na Bolsa de Valores.

No entanto, é um tipo de investimento altamente sensível aos humores do noticiário político e económico. Se alguém investe numa empresa de casacos e não fez frio no último inverno, por exemplo, não vai ganhar quase nada – e ainda pode perder dinheiro, sempre estando sujeitos às oscilações da Bolsa.

Compartilhe!